conecte-se conosco


POLÍTICA

PSB deve anunciar apoio a Boulos, Manuela D’Ávila e Edmilson Rodrigues

Publicado em

POLÍTICA

source
Márcio França (PSB) ficou na terceira posição no 1º turno das eleições em São Paulo
Fernanda Luz/Fotos Públicas

Márcio França (PSB) ficou na terceira posição no 1º turno das eleições em São Paulo

O PSB deve anunciar na noite desta quinta-feira (19) o apoio à candidatura de Guilherme Boulos (PSOL) no 2º turno da corrida eleitoral para a Prefeitura de São Paulo . Além de marcar posição na capital paulista, o partido também escolher apoiar Manuela D’Ávila (PCdoB), em Porto Alegre, e Edmilson Rodrigues (PSOL), em Belém. As informações são da CNN Brasil .

Nesta quarta (18), Boulos e sua vice, Luiza Erundina, conversaram com o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, para tratar dos termos do apoio. A legenda entrou na disputa em São Paulo com a candidatura de Márcio França, que acabou ficando na terceira posição, com dos votos. O ex-candidato também teria participado dessas negociações.

Leia mais:  STF pede apuração sobre pagamento de partidos a empresas suspeitas de fake news

A direção nacional do PSB teve papel decisivo na definição das posições do partido em Porto Alegre e Belém. Na capital gaúcha, havia uma tendência de apoio a Sebastião Melo (MDB). No 1º turno, o partido apoiou Juliana Brizola, que ficou em quarto lugar, com 6,41% dos votos.  

Já no Pará, havia os que defendiam uma postura de neutralidade na disputa entre Rodrigues e o Delegado Federal Eguchi (Patriotas), mas o diretório nacional também determinou o apoio ao candidato do Psol. Por lá, o candidato do PSB na capital, Cássio Andrade, chegou em quinto lugar, com 6,88% dos votos.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

PGR pede para STF arquivar investigação de deputados dos atos antidemocráticos

Publicados

em

Por

source
Ministro Alexandre de Moraes (STF)
Carlos Moura/ SCO/ STF

Ministro Alexandre de Moraes (STF)

A Procuradoria-Geral da República ( PGR ) reforçou nesta quinta-feira (17) ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o pedido de arquivamento das investigações de deputados no inquérito que investiga os chamados “atos antidemocráticos” — aberto em abril de 2020 para investigar aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) envolvidos com as manifestações que defendiam o fechamento do STF e do Congresso Nacional, além da volta da ditadura militar.

Em manifestação, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, afirmou que “não se pode prolongar investigações sabidamente infrutíferas, apenas por motivações como a de que, talvez, em algum momento indefinido no tempo possam vir a surgir indícios contra os investigados, ou, ainda, como forma de se evitar que esses mesmos agentes voltem a delinquir” e informou que não há divergências entre a PGR e a Polícia Federal.

A PGR defende que as apurações sigam na primeira instância da Justiça porque não há conexão clara com pessoas com foro privilegiado e argumenta, por exemplo, que a suspeita de uso de verba pública para abastecer esses atos ou sites bolsonaristas não envolve pessoas com foro.

Leia mais:  Eleição no Senado: Bolsonaro diz ter "simpatia" por Rodrigo Pacheco

“É o que já ocorre, por exemplo, com outro ponto extraído do relatório policial e destacado de forma ruidosa por veículos de imprensa: a hipótese de que a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) do governo federal tenha distribuído verba publicitária para determinados produtores de conteúdo na internet por meio de agências de publicidade. Essas suspeitas não envolvem autoridades com prerrogativa de foro no STF e já são alvo de inquérito civil em curso na Procuradoria da República no Distrito Federal.”

Você viu?

O pedido de arquivamento foi apresentado pelo Ministério Público no último dia 4 de junho.

Na manifestação, o vice-procurador-geral da República afirma que as investigações da Polícia Federal não conseguiram apontar a participação dos deputados e senadores nos supostos crimes investigados. Ao todo, 10 deputados federais são alvo das apurações.

Na manifestação apresentada nesta quinta-feira, Humberto Jacques de Medeiros diz que a manifestação pelo arquivamento em relação aos parlamentares com foro no STF, se ampara na certeza de que “não se pode prolongar investigações sabidamente infrutíferas, apenas por motivações como a de que, talvez, em algum momento indefinido no tempo possam vir a surgir indícios contra os investigados, ou, ainda, como forma de se evitar que esses mesmos agentes voltem a delinquir”.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana