conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Mais de 100 mil doses da Coronavac chegam a Minas Gerais

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

Os imunizantes serão utilizados na retomada da vacinação de quem já recebeu a primeira dose.

Na manhã deste sábado (8/5), chegou ao estado a complementação da 18ª remessa da vacina contra a covid-19, em mais uma etapa da maior operação de vacinação da história de Minas Gerais. As 100.200 doses da Coronavac desembarcaram no Aeroporto de Confins e são destinadas à aplicação da segunda dose. A primeira parte dessa remessa chegou na última quinta-feira (5/5), com 396.500 doses da vacina AstraZeneca.

“As doses que chegaram hoje e as que estão previstas para a próxima semana serão suficientes para que os municípios retomem a vacinação das pessoas que só tomaram a 1ª dose da Coronavac e assim alcancem a imunidade. É importante que aqueles que só receberam a primeira dose, mesmo já ultrapassados os 28 dias de intervalo recomendado, se encaminhem ao posto de saúde para receber a segunda dose da vacina. A imunidade só é alcançada com a aplicação das duas doses da Coronavac”, afirmou o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti.

Logística

Os imunizantes da Coronavac foram levados para a Rede de Frio estadual, em Belo Horizonte, e de lá serão distribuídos para as 28 Unidades Regionais de Saúde (URSs) a partir de segunda-feira. A logística de distribuição do 18º lote para as URSs segue diretrizes da maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.

Leia mais:  Com 1 milhão de casos de Covid-19 em 8 dias, OMS alerta que pandemia continua acelerando no mundo e que efeitos serão sentidos 'por décadas'

Com esta remessa, Minas Gerais totaliza o recebimento de 8.030.340 doses de vacina contra a covid-19. A chegada de milhares de doses de vacina da AstraZeneca e também da Pfizer, nos últimos dias, vai permitir que Minas Gerais avance ainda mais na imunização dos grupos prioritários.

Ranking

Durante a coletiva de imprensa realizada  sexta-feira (7/5), Fábio Baccheretti informou que Minas Gerais ocupa o 6º lugar em vacinação proporcional da população. Em março, o estado ocupava o 17º lugar. “Estamos subindo, melhorando, e o papel dos municípios é fundamental para este desempenho”, afirma o secretário.

A distribuição das doses pode ser acompanhada no site do Vacinômetro da SES-MG: https://coronavirus.saude.mg.gov.br/vacinometro.

Acompanhe o quantitativo de cada remessa:

1ª remessa
577.480 doses da CoronaVac em 18/1/2021

2ª remessa
190.500 doses de AstraZeneca em 24/1/2021

3ª remessa
87.600 doses da CoronaVac em 25/1/2021

4ª remessa
315.600 doses da CoronaVac em 7/2/2021

5ª remessa
220.000 doses da AstraZeneca e 137.400 doses da CoronaVac em 23/2/2021

6ª remessa
285.200 doses da CoronaVac em 3/3/2021

Leia mais:  Farmacêutica anuncia medidas para produção em larga escala de vacina ou tratamento contra a Covid-19

7ª remessa
303.600 doses da CoronaVac em 9/3/2021

8ª remessa
509.800 doses de CoronaVac em 17/3/2021

9ª remessa
86.750 doses da AstraZeneca e 455.800 doses da CoronaVac em 20/3/2021

10ª remessa
116.600 doses de AstraZeneca e 359.000 doses de CoronaVac em 26/3/2021

11ª remessa
73.250 doses de AstraZeneca e 943.400 doses de CoronaVac em 1/4/2021

12ª remessa
257.750 da AstraZeneca e 220.400 da Coronavac, em 8/4/2021

13ª remessa
426.000 da AstraZeneca e 275.200 da CoronaVac, em 16/4/2021

14ª remessa
316.750 doses da AstraZeneca e 73.800 da CoronaVac, em 23/4/2021

15ª remessa
578.000 doses da AstraZeneca e 11.800 doses da Coronavac, em 29/4/2021

16ª remessa
30.400 doses da Coronavac, em 1/5/2021 e 676.250 doses da AstraZeneca, em 03/5/2021

17ª remessa
50.310 doses da Pfizer, em 03/5/2021

18ª remessa
396.500 doses da AstraZeneca, em 06/5/2021 e 100.200 doses da Coronavac, em 08/5/2021

Total: 8.030.340 doses

Por: Agência Minas

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Triângulo do Norte regride e Sudeste avança de fase no Minas Consciente

Publicados

em

Estado tem 12 das 14 macrorregiões na onda vermelha do plano.

O Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar a situação da pandemia no estado, definiu nesta quinta-feira (17/6) que a macrorregião Triângulo do Norte deve regredir para a onda vermelha do Minas Consciente. A decisão foi tomada após a piora dos indicadores.

Por outro lado, a macrorregião Sudeste apresentou melhora nos índices da doença e poderá avançar para a onda amarela, se juntando à macrorregião do Vale do Aço. Desta forma, o Estado tem 12 das 14 macrorregiões de saúde na onda vermelha e duas na etapa intermediária do plano. Na média estadual, a taxa de incidência cresceu 13% nos últimos 14 dias.

Das macrorregiões que estão na onda vermelha, cinco apresentam dados mais preocupantes e, por isso, estão enquadradas nos critérios de classificação pelos cenários epidemiológico e assistencial. Assim, as macros Sul, Centro-Sul, Leste do Sul, Oeste e Nordeste – esta última a partir desta semana – passam por análise ainda mais minuciosa dos indicadores Incidência e Espera por Atendimento, para identificar as tendências de piora na transmissão da doença e na ocupação de leitos e possíveis filas.

Leia mais:  Santa Casa de Fernandópolis recorre ao MP por medicação

Enfrentamento

Para reforçar o enfrentamento à pandemia nessas localidades com situação mais crítica, ações específicas têm sido desenvolvidas pelo Governo de MinasSecretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Entre elas: transferência de pacientes, diagnóstico para ampliação de leitos, monitoramento de casos e envio de forças-tarefas para os municípios.

“Estamos empenhados para acelerar o ritmo de vacinação. Minas é o estado que mais aplicou doses. Mas é preciso que a população continue fazendo a sua parte, se protegendo e protegendo os outros. Uso de máscara, higienização das mãos e distanciamento são medidas necessárias mesmo entre as pessoas que já tomaram a vacina. A pessoa vacinada pode pegar o vírus e pode transmiti-lo”, alertou o secretário de Saúde, o médico Fábio Baccheretti.

Cenário crítico x queda de indicadores

O secretário de Saúde destacou a queda na positividade dos exames para covid-19 em relação aos meses de março e abril deste ano. Também foi observada redução na solicitação de transferências por leitos de UTI. Apesar de os dados monitorados pela Sala de Situação apontarem que a incidência da doença no estado continua alta, os óbitos e a espera por leitos não acompanham a mesma tendência, o que, segundo Baccheretti, é um bom sinal. Hoje, 131 pacientes aguardam na fila por um leito de UTI para tratamento de covid.

Leia mais:  Prefeitura de Iturama faz parceria com UFTM e recebe álcool glicerinado

Fábio ressaltou que os óbitos entre idosos também caíram, “o que já mostra os efeitos positivos da vacina”. Outra boa notícia é que o oxigênio já não é uma restrição para a abertura de leitos.

Força-Tarefa

O secretário de Saúde destacou ainda a atuação das forças-tarefas em 23 municípios, com o intuito de ajudar a organizar fluxos assistenciais, fazer diagnósticos sobre a situação local e propor ações para que o suporte assistencial seja garantido. Em parceria com a Fundação João Pinheiro (FJP), a SES-MG também tem desenvolvido ações específicas de comunicação social e distribuição de máscaras em várias cidades do interior.

Por: Agência Minas

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana