conecte-se conosco


Economia

Inscrição do programa Para Mulheres na Ciência da Unesco termina hoje

Publicado em

Economia

As inscrições do programa Para Mulheres na Ciência, uma parceria da Organização para a Educação, a Ciência e a Cultura das Nações Unidas (UNESCO) no Brasil, da Academia Brasileira de Ciências e da empresa L’Oréal terminam hoje (10). A iniciativa oferece uma bolsa-auxílio no valor de R$ 50 mil para mulheres cientistas.

O programa foi criado há 16 anos para promover e reconhecer a participação da mulher na ciência e intensificar a igualdade de gênero. A edição de 2021 tem como novidade, um ajuste no regulamento que permitiu maior prazo de conclusão do doutorado para cientistas que são mães, ampliando a oportunidade de inclusão.

Para o coordenador de Ciências Humanas e Sociais e Ciências Naturais da UNESCO no Brasil, Fábio Eon, o Para Mulheres na Ciência contribui com a redução das diferenças de gênero na ciência brasileira. “É um importante marco para reconhecer pesquisadoras brasileiras que, com seus trabalhos, têm contribuído para a redução dos hiatos e assimetrias de gênero na ciência brasileira. É preciso dar visibilidade aos estudos conduzidos por mulheres, que representam ainda apenas 30% da pesquisa mundial”, apontou.

Leia mais:  Contestação do auxílio emergencial vai até hoje para o Bolsa Família

De acordo com a UNESCO Brasil, o programa contempla, todo ano, sete jovens pesquisadoras das áreas de ciências da vida, ciências físicas, ciências químicas e matemática com a bolsa-auxílio para darem prosseguimento aos estudos. Para participar, a interessada precisa ter concluído o doutorado a partir do dia 1º de janeiro de 2014. No caso das mulheres com um filho, o prazo se estende por mais um ano e, para quem tem dois ou mais filhos, o prazo adicional será de dois anos.

Os requisitos incluem ainda que a cientista tenha residência estável no Brasil e desenvolva projetos de pesquisa em instituições nacionais. Quem precisar de mais informações sobre o regulamento completo e o programa pode acessar o site For Women in Science.

Segundo a UNESCO Brasil, ao longo dos 16 anos, “o programa Para Mulheres na Ciência já reconheceu e incentivou 103 cientistas brasileiras, premiando a relevância dos seus trabalhos, com a distribuição de mais de R$ 4,3 milhões em bolsas-auxílio”.

Edição: Valéria Aguiar

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Produção de aço cresce 20,3% de janeiro a maio

Publicados

em

Por

A produção nacional de aço bruto cresceu 20,3% no acumulado de janeiro a maio, em comparação ao mesmo período do ano passado, totalizando 14,9 milhões de toneladas, a maior produção da série histórica. A produção de laminados nos cinco primeiros meses do ano cresceu 29,7%, em relação ao resultado registrado em igual período de 2020, com 11,1 milhões de toneladas. A produção de semiacabados para vendas somou 3,3 milhões de toneladas de janeiro a maio, um acréscimo de 0,5% na mesma base de comparação. As informações foram divulgadas hoje (17) pelo Instituto Aço Brasil (IABr).

De janeiro a maio, as vendas internas foram de 10 milhões de toneladas, o que representa uma alta de 46,4% quando comparada com o apurado em igual período do ano anterior, disse o presidente executivo da entidade, Marco Polo de Mello Lopes. Já o consumo aparente de produtos siderúrgicos no país foi de 11,5 milhões de toneladas no acumulado até maio, com expansão de 50,7% frente ao mesmo período de 2020.

As importações alcançaram 2 milhões toneladas até maio, aumento de 128,4% em relação ao mesmo período do ano anterior. Em valor, as importações atingiram US$ 1,8 bilhão, crescimento de 92,2% no mesmo período de comparação. Já as exportações somaram 4,3 milhões de toneladas e US$ 3 bilhões de faturamento nos cinco primeiros meses do ano, representando retração de 13,6% e aumento de 20,5%, respectivamente, na comparação com igual período do ano passado.

Produção

Marco Polo informou que em maio deste ano, a produção brasileira de aço bruto alcançou 3,1 milhões de toneladas, um crescimento de 40,1% frente ao apurado no mesmo mês de 2020, constituindo a maior produção mensal desde outubro de 2018. Os resultados foram favoráveis também em relação à produção de laminados e de semiacabados para venda. Foram produzidas 2,4 milhões de toneladas de laminados, 70,9% a mais do que em maio de 2020; já a produção de semiacabados para vendas totalizou 797 mil toneladas, aumento de 26,5% em relação ao mesmo mês do ano passado

Leia mais:  Indústria pede fortalecimento do Mercosul no 30º aniversário do bloco

As vendas internas avançaram em maio 73,9% frente ao apurado no mesmo mês de 2020 e atingiram 2,1 milhões de toneladas. O consumo aparente de produtos siderúrgicos foi de 2,5 milhões de toneladas, 83% superior ao apurado em maio de 2020.

As exportações em maio foram de 746 mil toneladas, o equivalente a US$ 636 milhões. Os números mostram queda de 12,2% em quantidade e aumento de 50,8% em valor, na comparação com o mesmo mês de 2020. Nas importações de maio, o IABr apurou 550 mil toneladas em quantidade e US$ 488 milhões em valor, o que representou alta de 267,7% e 195,3%, respectivamente, em relação ao registrado em maio de 2020.

Marco Polo disse que “os dados mostram que a indústria brasileira do aço está produzindo e colocando no mercado interno mais aço do que vinha sendo demandado antes da pandemia”. Segundo o executivo, a demanda atual pode ser explicada pela retomada dos principais setores consumidores e, também, pela formação de estoques defensivos de alguns segmentos que querem se proteger de cenário de volatilidade do mercado. “Volatilidade esta provocada pelo movimento mundial de boom nos preços das commodities. Quase todos os insumos e matérias primas, em especial minério de ferro e sucata, continuam com significativa elevação de preços, causando forte impacto nos custos de produção da indústria do aço”, disse o presidente executivo do IABr.

Leia mais:  BNDES: novo mercado de gás traz vantagens para o Brasil

O executivo disse que não há qualquer situação de excepcionalidade no mercado doméstico de aço. “O fornecimento está normalizado e as empresas siderúrgicas estão em ritmo de produção superior àquele verificado no período anterior ao início da pandemia da covid no país”.

Confiança

O instituto divulgou também hoje (17) o Indicador de Confiança da Indústria do Aço (Icia), referente ao mês de junho. O indicador recuou 7,3 pontos frente ao mês de maio, para 63,8 pontos, após dois meses de crescimento.

De acordo com o IABr, a redução da confiança dos executivos da indústria do aço ocorreu, exclusivamente, pela piora das expectativas para os próximos seis meses. Ainda assim, o indicador se mantém 13,8 pontos acima da linha divisória de confiança de 50 pontos e 2,6 pontos acima da média histórica do indicador, de 61,2 pontos.

Valores acima de 50 pontos indicam confiança, enquanto valores abaixo de 50 pontos apontam falta de confiança.

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana