conecte-se conosco


EDUCAÇÃO

Grupo ‘Pretos no Enem’ reúne voluntários para pagar taxa de inscrição de estudantes

Publicado em

EDUCAÇÃO

Com a ajuda das redes sociais, jovens conseguiram movimentar uma rede de voluntários de todo o país para pagar as taxas de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de estudantes negros sem condições de quitar os R$ 85 exigidos pelo Ministério da Educação (MEC).

A ação “Pretos no Enem” surgiu depois de a podcaster e publicitária cearense Lyara Vidal, de 24 anos, anunciar a ideia pelo Twitter na terça-feira (2). Em dois dias, o projeto já havia angariado mais de 6,2 mil voluntários.

“Eu li uma notícia sobre as 300 mil pessoas que não fariam o Enem 2020 pela falta de pagamento do boleto, então me ofereci para pagar alguns boletos de ouvintes meus que precisassem dessa força”, conta Lyara.

Pretos no Enem surgiu após publicação na rede social da publicitária ceatense Lyara Vidal, de 24 anos — Foto: Arquivo Pessoal

Pretos no Enem surgiu após publicação na rede social da publicitária ceatense Lyara Vidal, de 24 anos — Foto: Arquivo Pessoal

No mesmo movimento de Lyara, o também podcaster cearense Luan Alencar, de 25 anos, organizou a ação com ajuda do amigo Iago Probo, de 24 anos. Inicialmente em um grupo de mensagens, os amigos não imaginavam a proporção que o movimento ganharia.

“No primeiro momento, era algo muito orgânico. Colocamos em um grupo que tínhamos de financiamento coletivo com 80 pessoas e eu sabia que nem todos poderiam ajudar. Mas, de um dia para o outro, foram 750 pessoas se pronunciando. Em dois dias, já estamos chegando aos 7 mil voluntários”, explica Luan.

De acordo com Luan, os organizadores definiram grupos de tarefas dentro do projeto para organizar a ação e torná-la transparente.

Cinco pessoas têm acesso à planilha com os dados dos voluntários, enquanto outro grupo entra em contato com os estudantes que vão receber o pagamento. A partir daí, outro segmento dentro do projeto faz a ponte entre voluntário e estudante para que o pagamento seja feito.

A ideia do movimento Pretos no Enem surgiu junto com as manifestações antirracistas que ganharam força nos últimos dias após o assassinato de George Floyd, homem negro morto asfixiado por um policial branconos Estados Unidos.

A publicitária Lyara, que também é negra, questiona quais mudanças estão sendo feitas para garantir o acesso de estudantes negros no ensino superior brasileiro.

“Se “somos todos iguais”, por que o acesso às universidades é reduzido? Por que algumas pessoas brancas fraudam cotas? Por que tem tantos brancos em posições de liderança? Por muito tempo, eu fui a única negra na classe, no ambiente de trabalho. Eu não deveria ser exceção. Pretos deveriam estar no ensino superior, é nosso direito!”, diz Lyara.

Os organizadores da ação explicam que, quem quiser se voluntariar, pode conseguir o acesso por meio do Instagram do Pretos no EnemProfessores que conheçam estudantes negros em situação de vulnerabilidade social também podem entrar em contato pela rede social para conseguir ajuda aos alunos.

Leia mais:  MEC diz que resultado do Sisu sairá amanhã

“O sinal que eu precisava para não desistir de vez”

Jovem Maria Luísa Pereira, de 19 anos, foi a primeira estudante a ser ajudada pelo projeto Pretos no Enem — Foto: Arquivo Pessoal

Jovem Maria Luísa Pereira, de 19 anos, foi a primeira estudante a ser ajudada pelo projeto Pretos no Enem — Foto: Arquivo Pessoal

A estudante Maria Luisa Pereira, de 19 anos, moradora de Vila Isabel, na Zona Norte do Rio de Janeiro, foi a primeira aluna contemplada pelo projeto Pretos no Enem. Sem condições financeiras de pagar a taxa de inscrição neste ano, a jovem entrou em contato com o projeto pelas redes sociais.

“Estava me sentindo péssima de novo porque eu já não tinha tentado em 2019 e desistiria mais um ano. Quando consegui ajuda, me senti motivada, com esperança e com um alívio que pode ter sido o sinal que eu precisava para não desistir de vez”, diz Maria Luísa.

O sonho de cursar Fisioterapia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no entanto, foi adiado por dois anos porque Maria não se sentia preparada para conseguir as altas notas para ingressar no curso com o Ensino Médio que teve.

“Não senti que tinha base totalmente pra fazer o Enem e não tinha dinheiro para pagar um cursinho. Vi as notas de corte muito altas e me senti impotente de conseguir alcançá-las”, conta Maria, que conclui um curso técnico em Administração em um colégio estadual do RJ para conseguir emprego e ajudar os pais enquanto não entra no Enem.

“A gente sabe que é uma taxa proibitiva”

Assim como Maria Luísa, Lyara e Luan, fundadores do projeto Pretos no Enem, apontam a situação como um dos motivos da desigualdade no acesso de pessoas negras ao Ensino Superior no Brasil.

“O Brasil é um país extremamente racista. Você vê a inscrição do Enem a R$ 85, muita gente não consegue pagar. A gente sabe que é uma taxa proibitiva porque um jovem negro de periferia não pode sequer se inscrever no Enem. A gente sabe que essa dificuldade no acesso à universidade é o que faz a gente só ter branco no Ensino Superior”, diz Luan Alencar.

A paraibana Marianna Veríssimo, de 28 anos, primeira voluntária a pagar um dos boletos selecionados pelo projeto, também percebe a desigualdade racial nas salas de aula das universidades e decidiu ajudar assim que viu a ação nas redes sociais.

Leia mais:  Aulas presenciais são retomadas em Uberlândia; algumas escolas municipais fazem paralisação

“Eu sei o quanto a educação é importante, o quanto foi importante para mim estar em uma universidade há anos atrás. Eu fui estudante de universidade pública. Onde eu estudei, na minha sala, nós não tínhamos praticamente pessoas negras”, diz Marianna.

Na terça-feira (2), o prazo para o pagamento da taxa de inscrição do Enem 2020 foi adiado após cerca de 300 mil candidatos não pagarem os R$ 85, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Até esta quarta-feira (3), mais de 5,7 milhões de estudantes tiveram suas inscrições confirmadas para o Enem 2020, contando também aqueles que ficaram isentos do pagamento. Segundo o Inep, para não pagar a taxa de inscrição, é preciso que o estudante tenha:

  • Cursado a última série do ensino médio, em 2020, em escola da rede pública declarada ao Censo Escolar;
  • Cursado todo o ensino médio em escola da rede pública ou com bolsa integral na rede privada e ter renda, por pessoa, igual ou menor que um salário mínimo e meio; e
  • Estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica por ser membro de família de baixa renda que possua Número de Identificação Social (NIS), único e válido e ter renda familiar, por pessoa, de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Ainda de acordo com o Inep, os candidatos que não pediram a isenção, mas que se encaixam em um dos critérios para receber o benefício, terão direito a ele mesmo sem a solicitação formal.

Luan Alencar, no entanto, diz que muitos estudantes em situação de vulnerabilidade social entram em contato com o projeto porque não conseguiram atender a todas as especificidades do edital do exame.

“A ideia é que o aluno que não conseguiu, por qualquer motivo que seja, a isenção e não tem condições de pagar, venha pra gente e a gente paga”, conclui o podcaster.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

EDUCAÇÃO

Ensino híbrido começa na próxima semana para alunos do 1º ao 5º ano do fundamental

Publicados

em

Depois de mais de um ano sem atividades presenciais devido à pandemia de covid-19, escolas da rede estadual de ensino voltam a receber os estudantes a partir da próxima segunda-feira (21/6). As unidades de ensino estão sendo preparadas com todo o cuidado que o momento exige para que a retomada se dê com segurança. As atividades presenciais serão oferecidas por ensino híbrido, que alterna a ida dos alunos à escola.

Na semana de retorno, os estudantes vão participar das atividades pedagógicas presenciais; na seguinte, os professores farão o atendimento pelo aplicativo Conexão Escola. Já na terceira semana, as atividades voltarão a ser presenciais – e assim por diante, mantendo a alternância.

“A escola permanecerá aberta por uma semana para atendimento presencial de apoio à atividades remotas e esclarecimento de dúvidas. Na semana seguinte, haverá apenas atendimento remoto por meio das ferramentas do Regime de Estudo não Presencial. Essa organização é importante para mantermos os dois tipos de atendimentos e para acompanharmos a evolução dos indicadores de saúde durante a retomada”, explica a subsecretária de Desenvolvimento da Educação Básica da SEE, Izabella Cavalcante Martins.

As atividades pedagógicas presenciais serão ministradas com o objetivo de fortalecer a aprendizagem de acordo com a necessidade da turma. Nesses momentos, o estudante poderá interagir e compartilhar os conhecimentos alcançados durante o Regime de Estudo não Presencial e obter suporte pedagógico para desenvolver as habilidades ainda não consolidadas.

Leia mais:  UFTM recebe doação de área da prefeitura de Iturama para implantação de campus de pesquisa, extensão e ensino agropecuário da universidade

Alternância

Para proporcionar ainda mais segurança aos profissionais da educação e aos alunos, cada escola deve organizar o atendimento às turmas observando o distanciamento previsto pelos protocolos sanitários da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). Para isso, o gestor escolar vai formar grupos de atendimento aos estudantes.

A carga horária de trabalho do professor deve ser cumprida também alternando entre o regime presencial e o remoto. Na semana em que o professor realizar o atendimento presencial na escola, não haverá atendimento pelo Conexão. Na semana seguinte, o cumprimento da carga horária será de forma remota, seguindo o atendimento do aluno por meio do aplicativo.

No dia 21/6, começam as atividades presenciais os alunos de escolas estaduais que oferecem do 1º ao 5º ano do ensino fundamental, localizadas em municípios em ondas verde ou amarela do Plano Minas Consciente e que a prefeitura não apresenta restrições. Nessas unidades, os profissionais da educação já retomaram as atividades presenciais desde a última segunda-feira (14/6). Eles estão se organizando para que tudo já esteja pronto para receber os alunos.

Servidores que pertencem a grupos de risco permanecem em teletrabalho e não realizam atividades presenciais nas escolas.

Leia mais:  Candidatos ao Enem 2020 terão que usar máscaras desde a entrada até a saída, segundo novo edital do MEC

Retorno facultativo

A participação dos estudantes nas atividades presenciais é facultativa. Sendo assim, nos casos em que pais ou responsáveis optarem por não liberar o aluno ao ensino presencial, será mantido o regime totalmente remoto, para garantir a continuidade dos estudos. A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE/MG) continuará oferecendo o Regime de Estudo não Presencial, que ainda é obrigatório.

A carga horária e a frequência dos estudantes continuam a ser contabilizadas por meio do Plano de Estudo Tutorado (PET) e das atividades complementares elaboradas pelo professor.

Retorno gradual

O retorno dos demais anos de escolaridade será gradual, com avaliação das condições locais e dos indicadores epidemiológicos. A cada 14 dias deve ser analisado o início progressivo do ensino híbrido para os demais anos de escolaridade, a começar pelas turmas do 3º ano do ensino médio, seguidas pelas turmas do 9º ano do ensino fundamental, pelos módulos conclusivos da Educação de Jovens e Adultos e por módulos conclusivos e práticos dos cursos técnicos parciais.

A SEE/MG irá orientar, em momento oportuno, sobre a possibilidade do início do ensino híbrido para os demais anos de escolaridade.

Por: Agência Minas

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana