conecte-se conosco

CIÊNCIA E SAÚDE

Votuporanga: Casa PANC inaugura com programação especial neste domingo, dia 10

Publicado

Evento será realizado a partir das 15 horas e contará com bate-papo, sarau aberto, venda de mudas, exposições e muito mais

Neste mês de novembro, Votuporanga ganhará um espaço dedicado ao incentivo de práticas sustentáveis e à educação ambiental e cultural, associados ao cultivo e estudo das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC). O local, que leva o nome de Casa PANC, será inaugurado neste domingo (dia 10), com uma programação diversificada, que trará como tema principal as PANC.

As atividades propostas pelo dia de “casa aberta” terão início às 15 horas com um bate-papo sobre a temática, seguido por um sarau aberto. Ainda está prevista a venda de mudas de espécies, entre elas, ora-pro-nóbis, hortelã-do-norte, capuchinha e saião, além de kokedamas e composteiras. Para o público infantil presente, serão ministradas as oficinas de tinta de terra e de hortinha.

O evento também contará com um cardápio variado, com lanches vegetarianos, massa de macarrão artesanal, brownie de batata-doce, brigadeiro de hortelã-do-norte, molho de tomate, compotas e geleias feitos com frutas sem veneno e as versões congeladas de hambúrguer vegano e coxinha de jaca.

Entre os parceiros, marcarão presença expondo seus trabalhos Juliana Hurtado e Renan Santos (Oca Redesign), Elen Nishida (Folharal), Carol Pontes (Horta da Estrela), Lucas Damazio e Edgard Andreatta. A iniciativa é uma realização da Flor do Cerrado Arquitetura e Paisagismo e da Taioba Cultura e Meio Ambiente.

Outras informações podem ser obtidas pelo Facebook fb.me/casapancpelo Instagram @casapanc.votu e pelo WhatsApp (17) 98101-5534.

Comida de Jardim

A Casa PANC teve início com o projeto Comida de Jardimo qual surgiu a partir da inquietação de Ana Lucia Bianconi, Cléo Leite, Júlia Breyer, Mariana Grandizoli e Paola Verssuti, que perceberam a necessidade de compartilhar seus respectivos conhecimentos sobre o universo das PANC com um número maior de pessoas. Inicialmente, as palestras organizadas pelo grupo, contextualizavam os diversos usos das espécies com assuntos atuais, relacionados ao meio ambiente, à sustentabilidade, à agroecologia, ao paisagismo funcional e à culinária, entre outros. A partir daí, a iniciativa ganhou corpo, destaque e uma sede oficial: a Casa PANC.

 

Leia mais:  Iturama, Alexandrita e você continuam a força-tarefa no combate ao Mosquito da Dengue

SERVIÇO:

Inauguração Casa PANC

Data: 10 de novembro (domingo)

Horário: a partir das 15 horas

Local: Casa PANC (rua Bahia, nº 2.877 – esquina com a rua Tibagi)

Entrada gratuita

 

Crédito/Fotos: Amarilis Schinca/ Júlia Breyer

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

Vacina contra a tuberculose pode estar relacionada à redução de mortalidade por Covid-19, diz estudo

Publicado

Cientistas dos Estados Unidos apontaram para uma possível relação entre a vacina BCG, para a tuberculose, e a redução da mortalidade em pacientes com Covid-19. Um estudo publicado na quinta-feira (9) pela revista “PNAS” sugeriu essa relação mas reconheceu que ainda é cedo para afirmar que a vacina protege contra o coronavírus.

O artigo analisou dados de países que têm políticas de vacinação mais abrangentes, como o Brasil, por exemplo e comparou com os números de lugares com menor cobertura vacinal, como os EUA.

“Descobrimos que a mortalidade da Covid-19 nos estados de Nova York, Illinois, Louisiana, Alabama e Flórida (não-vacinados) era significativamente maior que em estados de países que aplicam a BCG (Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo, no Brasil; e Cidade do México, no México)”, escreveram os pesquisadores.

Eles disseram que há uma “associação consistente” entre a vacinação e a redução no número de casos graves da doença, mas que isso não é suficiente para estabelecer uma causalidade entre a aplicação da BCG e a proteção contra casos graves de Covid-19.

Leia mais:  Tardes quentes e tempo seco são previstos para o fim de semana no Triângulo e Alto Paranaíba

Ensaios clínicos

Os pesquisadores citaram o desenvolvimento de dois ensaios clínicos randomizados que podem atualizar o que se sabe sobre essa relação apontada. Em andamento na Holanda e na Austrália, profissionais de saúde foram injetados parte com BCG e outra com um placebo.

Apenas depois de um estudo mais seguro é que poderão afirmar que há uma relação entre a vacinação e a imunidade para o coronavírus.

Os pesquisadores ressaltaram também que há pouca informação sobre a vacinação tardia com a BCG, que não é indicada para o uso em idosos por se tratar de uma vacina feita a partir de vírus atenuado e não deve ser administrada em pacientes com baixa imunidade.

Ainda uma hipótese

Se a hipótese de proteção do BCG for verdadeira, dizem os cientistas norte-americanos, isso teria grandes implicações para as regiões com programas de vacinação universal em andamento, incluindo a maioria dos países em desenvolvimento, que sofreriam menos com a pandemia da Covid que a Europa e os EUA.

De acordo com o estudo, em muitos países da América Latina, a vacinação universal foi introduzida na década de 1960, o que pode significar que pessoas com mais de 55 anos não receberam a vacina representariam um segmento vulnerável da população durante a pandemia.

Leia mais:  Rio Preto tem 33 pessoas curadas do COVID-19

Os pesquisadores afirmaram também que as diferenças nas coberturas vacinais podem também significar mudanças nas medidas de reabertura econômica.

“A maioria dos países asiáticos possui programas ativos de vacinação universal com BCG”, explicaram os pesquisadores.

“Se o BCG estiver conferindo algum nível básico de proteção, é possível que algumas das estratégias de relaxamento das medidas de distanciamento social adotadas pelos países asiáticos possam não ser eficazes na América do Norte e nos países da Europa Ocidental.”

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana