conecte-se conosco


ITURAMA E REGIÃO

Uberlândia passará para fase rígida de plano municipal contra a Covid-19; veja setores que podem funcionar

Publicado

Lojas voltam a fechar em Uberlândia — Foto: Vanessa Pires/G1

Anúncio foi feito pela Prefeitura durante visita do secretário Estadual de Saúde na quarta (17). Setores como lojas de departamentos, comércio varejista e de beleza não podem abrir; decisão passa a valer a partir de sábado (20).

Uberlândia entra, neste sábado (20), na fase rígida do Plano Municipal de Funcionamento das Atividades Econômicas (PFAE).

O comunicado foi publicado no Diário Oficial do Município, nesta quinta-feira (18), após anúncio do prefeito Odelmo Leão durante visita do Secretário de Saúde do Estado de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral ao município na quarta-feira (17).

Horários de funcionamentos dos setores que poderão abrir ainda serão divulgados; confira abaixo o que está liberado. Até esta sexta-feira (19), segue em vigor a fase intermediária.

As medidas mas rigorosas, que valem até dia 26 de fevereiro, são devido ao aumento de números de casos de contágio do novo coronavírus. Nos últimos três dias, foram 36 mortes pela doença na cidade, sendo 13 na quarta-feira, nove nesta terça-feira e o recorde na segunda-feira (15), com 14 registros, totalizando 919 vítimas.

Fase rígida

A Prefeitura de Uberlândia instituiu plano próprio para funcionamento de atividades econômicas depois de anunciar a saída do programa “Minas Consciente”. O PFAE é dividido nas seguintes fases: rígida, intermediária e flexível; elas são caracterizadas, respectivamente, pelas cores vermelha, amarela e verde.

Desde que o plano foi instituído, é a primeira vez que o município entra na fase rígida, com restrição de funcionamento de diversos setores.

Ou seja, não podem abrir setores como de departamentos e variedades, comércio varejista, salões de beleza e estética, setores de livros, papelarias, móveis, tecidos, setores de produtos agrícolas, atividades esportivas, e atividades de recreação e lazer.

Conforme o plano que começa a valer no fim de semana, podem funcionar setores como:

Leia mais:  Após deixar PSL, Bolsonaro diz que 'por enquanto' é o presidente do novo partido
  • Agropecuária;
  • Alimentos;
  • Alimentação;
  • Bancos e seguros;
  • Cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais;
  • Construção civil e afins;
  • Fábrica, energia, extração, produção siderurgia e afins;
  • Saúde (como farmácias);
  • Telecomunicação, comunicação e imprensa;
  • Transporte, veículos e Correios;
  • Tratamento de água, esgoto e resíduos;
  • Hotéis e afins;
  • Atividades jurídicas, administrativas e contábeis;
  • Educação superior (aulas práticas de Saúde) e;
  • Transporte coletivo.

Odelmo Leão descarta lockdown

A Prefeitura de Uberlândia prorrogou o decreto que restringe o funcionamento de atividades comerciais e a comercialização de bebidas alcoólicas até a próxima sexta-feira (19) como medida para evitar o aumento de casos da Covid-19. O anúncio foi feito na tarde desta quarta-feira (17), durante coletiva de imprensa no Centro Administrativo.

Na coletiva, o prefeito Odelmo Leão voltou a cobrar a abertura de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU). A TV Integração entrou em contato com a UFU.

A situação da vacinação contra o coronavírus e o nova classificação do município no plano de municipal de retomada das atividades econômicas também foram abordadas durante o pronunciamento (veja abaixo).

Novas medidas

Segundo o prefeito Odelmo Leão (PP), novas determinações serão anunciadas até sexta-feira, que passarão a ter validade no sábado (20). Um lockdown, que é o fechamento total de atividades comerciais não essenciais, foi descartado pelo chefe do Executivo.

O anúncio das restrições foi prorrogado após pedido do secretário de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, para que as medidas estejam alinhadas com outras cidades da macrorregião do Triângulo do Norte.

“O Comitê já tomou uma decisão, mas conforme deliberado com o secretário de Estado, aguardaremos para tomar uma ação conjunta. Amanhã vamos nos reunir com a assessoria estadual e ver se o que propomos está de acordo com os anseios de todo a região. Assim que isso estiver alinhado, as novas determinações serão publicadas. Já adianto que lockdown não será adotado em Uberlândia”, disse Leão.

Cobrança

Assim como fez no início do mês, Odelmo Leão voltou a cobrar a abertura de mais leitos de Unidade de Terapia Intensiva no HC-UFU. Nesta quarta-feira, Carlos Eduardo Amaral anunciou a abertura de novos leitos.

Leia mais:  Bolsonaro: "Não tenho dado motivo para a PF ir atrás dos meus ministros"

De acordo com o prefeito, o Município abriu 102 leitos de UTI, com a autorização para abertura de mais 10, e conta com 142 enfermarias. No momento, mais de 100 pacientes que estão em Unidades de Atendimento Integrado (UAI) aguardam a transferência para UTIs ou enfermarias.

“Eu volto a fazer um apelo à UFU. Não dá pra ficar como está, não posso aceitar que um hospital federal, em 11 meses, abra oito UTIs, e depois se pronuncie dizendo que vai abrir 100%. Só que 100% de oito é 16. É preciso entender que, no momento, todos nós estamos em um barco só”, disse Leão.

TV Integração entrou em contato com a UFU, que informou que vai se pronunciar sobre a abertura de novos leitos e sobre a fala do prefeito nesta quinta-feira (18).

Vacinação

Sobre o processo de vacinação em Uberlândia, o secretário municipal de Saúde, Gladstone Rodrigues, afirmou que não há previsão para o recebimento de novas doses de imunizantes. Devido a falta de vacinas, as capitais de alguns estados já anunciaram a suspensão da imunização.

“As vacinas que recebemos devem acabar até o final dessa semana. Não temos previsão de quando receberemos novas doses e nem quantas receberemos. Esta é a situação atual”, afirmou Rodrigues.

Por: G1 Triângulo e Alto Paranaíba

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

Covid-19: Uberlândia tem 18 novas mortes até 12h e quase 200 pacientes aguardando vaga em UTI

Publicado

Em entrevista à TV Integração nesta terça (2), o coordenador da rede de urgência, Clauber Lourenço, deu um panorama da situação de Uberlândia, das filas de espera por leitos, de questionamentos sobre as UAIs e as medidas adotados pelo Município para tentar minimizar a pandemia.

Nesta terça-feira (2), em entrevista à TV Integração, o coordenador da rede de urgência e emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Clauber Lourenço, informou que até 12h a cidade já tinha mais 18 mortes por Covid-19, somando assim 1.106 óbitos pela doença. Ele também falou sobre a situação de leitos na cidade, bem como respondeu questionamentos envolvendo as Unidades de Atendimento Integrado (UAIs).

Há imagens de uma profissional da saúde ajoelhada na porta da UAI Luizote orando, além de familiares de pacientes que se ajoelharam em frente à unidade pedindo pela melhora (foto acima). A UAI Luizote está com atendimento direcionado para pacientes com Covid-19 e está lotada.

O boletim divulgado pela Prefeitura nesta segunda-feira (1º) apresenta 100% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na cidade. Após as redes pública e privada de saúde de Uberlândia não terem mais vagas em UTI, a Prefeitura divulgou ações para conseguir dar assistência aos pacientes. Entre elas estão 100 novos capacetes para oxigenação não invasiva e pedido de ajuda ao Estado e à União.

Além disso, a iniciativa “Juntos por Uberlândia”, criada por empresários, entidades e comunidade, lançou a campanha ‘Respira Uberlândia’ para arrecadar dinheiro e abrir novos leitos de UTI exclusivos para Covid-19.

Famíliares fazem oração para pacientes Covid-19 em frente a UAI Luizote em Uberlândia — Foto: Redes Sociais/Reprodução

Espera por leitos

Conforme Clauber Lourenço, Uberlândia tem atualmente mais de 330 pessoas aguardando por uma vaga em hospitais da cidade. São 184 pacientes na fila de espera por um leito de UTI e 152 pessoas esperam por vagas em enfermaria. Além disso, dos que estão na fila esperando por uma UTI, 60 pacientes já estão intubados por causa da gravidade dos casos. Atualmente, 250 pessoas estão em UTIs de Uberlândia.

Leia mais:  Estado de SP pedirá uso emergencial da CoronaVac à Anvisa até 3ª feira que vem

Ele explicou que a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) em Uberlândia atualmente está com três perfis de pacientes: os que já procuravam atendimento no SUS; os que têm convênio, mas os hospitais privados estão lotados e procuraram o SUS; e pacientes da região que estão procurando Uberlândia. “São casos de emergência e não podemos negar atendimento”, afirmou.

Lourenço ainda afirmou que esta segunda onda do coronavírus em Uberlândia e região piorou a situação dos leitos públicos nas unidades hospitalares da cidade.

“Esse momento é diferente. Na primeira onda, Uberlândia teve um número grande de casos que a nossa rede segurou com superlotação, mas sem esse estrapolamento. Agora, a região como um todo explodiu o número de casos. Todas as cidades estão tentando vagas fora, algumas tiveram que transferir pacientes para fora. E essas cidades buscam Uberlândia, que é a principal cidade da região. Então, além dos nossos casos, estamos sendo muito procurados por toda macrorregião, que também demanda leitos, inclusive de UTI.

UAIs

Além da espera por vagas de UTI e enfermaria para pacientes com Covid-19 em Uberlândia, os familiares ainda vivem a angústia da falta de informações.

A autônoma Vânia Regina Dias Gonzaga quer informações sobre o estado e evolução do quadro da irmã, internada na UAI Luizote desde a última quarta-feira (24) e que precisou ser intubada no sábado (27). “Quando você tem uma pessoa doente, você quer saber o estado que ela está. Se está melhorando, piorando. É muito angustiante. Enquanto ela estava consciente, ela me passava tudo que estava acontecendo”, disse.

Agora, a situação da paciente é repassada por celular. “Fala se está estável, grave, a pressão caindo, saturação baixa, usando respirador no máximo. Quando consegue falar com o médico, o que eu pergunto ele me responde. Mas o difícil é falar com eles“, explicou Vânia Gonzaga.

Segundo o Clauber Lourenço, em situações em que o paciente está intubado, os profissionais da unidade fazer chamadas de áudio com a família para passar informações. E, quando é possível, são realizadas chamadas de vídeo, até mesmo para falar com o paciente. Esse método foi primeiro adotado no Hospital Santa Catarina, depois no Hopsital Municipal e agora as UAI também realizam esse processo.

Leia mais:  Presidente da Comissão da prisão em 2ª instância é o da que votou a Previdência

“Tanto mensagens quanto boletins informatvos são enviados para o celular cadastrado do familiar. Se alguém não tem o contato cadastrado, por favor, cadastre o celular de apenas um familiar, que vai receber as notícias e repassar para o restante da família. Isso é fundamental”, explicou Lourenço.

Medidas adotadas pelo Município

Uberlândia está, pela segunda semana seguida, na fase rígida (vermelha) do Plano Municipal de Funcionamento das Atividades Econômicas (PFAE). Dentro das normas rigorosas do momento estão a restrição de funcionamento do comércio, “toque de recolher” e lei seca. Contudo, há questionamentos de que os horários reduzidos provocam aglomeração.

“Vamos lembrar o Reino Unido, que fez esse fechamento no início de janeiro e agora que está fazendo a reabertura. Eles conseguiram reduzir bastante significativamente o número [de casos e mortes] deles. O nosso número de casos ainda não diminuiu porque nós temos o ciclo do vírus. São pelo menos 14 dias pra gente ter uma avaliação mais concreta. Temos uma semana do último decreto. Não deu tempo ainda de ter um aporte de número significativo”, explicou Clauber Lourenço.

De acordo com ele, há a expectativa de que os números comecem a abaixar a partir da próxima semana.

Além disso, ele lembrou dos capacetes para oxigenação recebidos por doação de empresário e da busca do prefeito Odelmo Leão (PP) pela vacina conitra a Covid-19. “Desde o início, o prefeito assinou um termo com o Butantã e ele está buscando a vacina com outros contatos, e é um dos prefeitos a frente do consórcio nacional para a compra do imunizante. A intenção é comprar, além do que o Ministério da Saúde está disponibilizando”, afirmou Lourenço.

Por:  MG1 e G1 Triângulo e Alto Paranaíba

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana