conecte-se conosco


POLÍTICA

Toque de recolher é “repressão de estados autoritários”, diz André Mendonça

Publicado em

POLÍTICA

source
André Mendonça, ministro da Advocacia-Geral da União (AGU)
Alan Santos/PR

André Mendonça, ministro da Advocacia-Geral da União (AGU)

O ministro André Mendonça , da Advocacia-Geral da União (AGU), disse nesta quarta-feira (7) que o toque de recolher em meio à pandemia da Covid-19 é “repressão própria a estados autoritários”. O comentário foi feito durante julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que analisa a proibição da abertura de igrejas para a realização de cultos e missas presenciais.

“Eu tenho certeza que há limites e que o STF não deu um cheque em branco a governadores e prefeitos. Medidas de toques de recolher não é medida de prevenção à doença, é medida de repressão própria a estados autoritários”, afirmou o ministro.

Mendonça ainda comparou a realização de atividades religiosas à lotação dos ônibus no Brasil e disse que nas igrejas a quantidade de pessoas é menor em um ambiente maior. “Porque somente as igrejas? Porque essa discrimação?”, perguntou o chefe da pasta da AGU.

“De uma perspectiva geral, todo cristão se presume defender a vida em todas as situações. Todos os cuidados e cautelas diante dessa enfermidade vão ser tomados. Essa não é uma discussão política, todos estamos defendendo a vida”, afirmou Mendonça em sua sustentação oral.

No entendimento atual do STF, governadores e prefeitos têm a prerrogativa de adotar medidas mais duras para evitar o aumento de contaminações pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Gentili se reúne com ex-marqueteiro de Bolsonaro por candidatura em 2022

Publicados

em

Por

source
Danilo Gentili pode concorrer à presidência em 2022
Reprodução/SBT

Danilo Gentili pode concorrer à presidência em 2022

Danilo Gentili deve concorrer à presidência em 2022. O apresentador teria se reunido, neste sábado (10), com o ex-marqueteiro de Bolsonaro, André marinho, além de membros do MBL (Movimento Brasil Livre). As informações são da jornalista Mônica Bergamo.

O MBL vê como trunfo o fato de Gentili grande alcance entre os jovens. O apresentador seria importante para tirar votos de Jair Bolsonaro (sem partido), em uma tentativa do grupo de tirar o atual presidente do segundo turno .

Segundo a jornalista, líderes do MBL , como Renan Santos e o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) pretendem se agregar em um mesmo partido em 2022 para as candidaturas a cargos eletivos. Nessa estratégia, Gentili seria um bom ‘puxador de votos’.

O grupo teria se animado com a provável candidatura de Gentili após o  ex-juíz e ministro da Justiça, Sergio Moro, dizer que votaria no apresentador.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana