conecte-se conosco


POLÍTICA

Temer diz que Dilma tem “honestidade ímpar” e caiu por pressão da população

Publicado

source
Michel Temer assumiu a presidência após o processo de impeachment que tirou Dilma Rousseff do poder
Montagem iG/ Amilcar Orfali/Getty Images; Agência Brasil

Michel Temer assumiu a presidência após o processo de impeachment que tirou Dilma Rousseff do poder

O ex-presidente Michel Temer (MDB) disse que a também ex-presidente Dilma Rousseff (PT) tinha uma “honestidade ímpar” e sofreu impeachment por causa da pressão das ruas, em entrevista à revista Veja .

Temer foi vice-presidente de Dilma de 2011 a 2016, quando assumiu o cargo após o processo sofrido por Rousseff. O emedebista é visto como um dos responsáveis pelo impeachment pelos correligionários da ex-presidente, por supostamente ter agido nos bastidores por sua queda.

“Ela cometeu crime no sentido institucional, com a questão das pedaladas, que levou à responsabilização política dela. Não cometeu crime no sentido penal. Às vezes se acusa a ex-presidente de uma eventual desonestidade. Convivi com ela, claro que muito decorativamente, mas devo dizer que é de uma honestidade ímpar”, disse.

Você viu?

Temer também respondeu à alegação do ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, que também o acusou de ter conspirado contra Dilma. No entanto, o ex-presidente disse que a pressão de manifestações de rua é a maior responsável pelo andamento do processo.

Leia mais:  TSE examinará eventuais provas sobre fraude em eleições de 2018, diz Barroso

“O Eduardo, coitado, não foi o autor do impedimento, e nem eu. Ele teve de levar adiante alguns pedidos de impeachment, que, ao ver dele, eram inafastáveis. Quem derrubou a ex-presidente foram os milhões de pessoas que foram para a rua”, disse à Veja.

Temer ainda afirmou que não pensa em retornar a algum cargo eletivo. “Nenhuma (chance de disputar algum cargo em eleições). Só se vierem aqui e disserem: ‘Você vai ser entronizado presidente da República’. Mas isso é impossível e não é saudável”, disse.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Câmara dos Deputados vota esta semana a PEC Emergencial

Publicado

por

source
Câmara dos Deputados
Marcelo Camargo/ Agência Brasil

Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados marcou para esta semana a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 186/2019, a PEC Emergencial . O presidente da Casa, Arthur Lira, anunciou que pautará a PEC para apreciação diretamente no plenário, sem passar por comissões.

A expectativa é aprovar a admissibilidade do texto na terça-feira (9) e, no dia seguinte, a votação em plenário em dois turnos. Na avaliação de Lira, é importante aprovar logo a PEC para possibilitar o pagamento de novas parcelas do auxílio emergencial à população ainda em março. O relator da proposta na Câmara é o deputado Daniel Freitas (PSL-SC).

O texto cria mecanismos de ajuste fiscal, caso as operações de crédito da União excedam as despesas. Entre as medidas, estão barreiras para que a União, os estados e os municípios criem despesas obrigatórias ou benefícios tributários. A PEC também possibilita o pagamento do auxílio emergencial com créditos extraordinários sem ferir o teto de gastos públicos .

No Senado, o texto sofreu mudanças importantes. O relatório do senador Márcio Bittar (MDB-AC) teve que ceder à resistência de vários colegas e foi retirado o trecho mais polêmico do seu parecer, o fim da vinculação obrigatória de parte do orçamento a investimentos com saúde e educação. Bittar também retirou a redução de salário e jornada de trabalho dos servidores públicos, como expediente de ajuste fiscal e equilíbrio das contas públicas.

Bittar adicionou uma “trava” a mais para evitar um gasto excessivo com o auxílio emergencial. O relator limitou a R$ 44 bilhões o valor disponível para pagamento do auxílio emergencial. O governo estima retornar com o auxílio emergencial em forma de quatro parcelas de R$ 250 ainda este mês.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana