conecte-se conosco

Policial

Suspeito de matar ex-mulher e mãe dela alega à polícia que briga foi motivada por ser proibido de ver filho

Publicado

O suspeito do de matar a ex-mulher e a ex-sogra, na madrugada de sábado (7), em Sabino (SP), relatou à polícia que cometeu o crime porque a vítima o estava proibindo de ver o filho do casal, de 1 ano. Ele foi preso no domingo (8) após acionar a polícia e se entregar.

Débora Cristina Pavanelli Mazo, de 27 anos, e a mãe dela Lucia Pavanelli, de 44, foram mortas com tiro na cabeça dentro de casa depois que o ex-marido da jovem, Washington Luís Mello, invadiu o imóvel. O crime aconteceu às vésperas do Dia Internacional da Mulher.

Segundo suspeito, visitas a filho de 1 ano do casal motivou crime em Sabino — Foto: Facebook/ReproduçãoSegundo suspeito, visitas a filho de 1 ano do casal motivou crime em Sabino — Foto: Facebook/Reprodução

Segundo suspeito, visitas a filho de 1 ano do casal motivou crime em Sabino — Foto: Facebook/Reprodução

Segundo o delegado responsável pelo caso, André Hauy, o suspeito de 34 anos confessou o crime e contou à polícia que ele e Débora tinham se separado recentemente.

De acordo com o relato de Washington à polícia, o casal estava discutindo por conta das visitas ao filho e havia algumas semanas que a vítima o teria proibido de ver o menino de 1 ano.

Leia mais:  Fernandópolis: Junior Sequini comprou 40 lotes da Santa Casa a preço de ‘banana’

Por causa disso, Washington, que é caminhoneiro, chegou de viagem na madrugada de sábado (7) e invadiu a casa da ex-mulher, onde aconteceram os crimes, segundo a polícia.

Além disso, o delegado informou que Débora já tinha registrado um boletim de ocorrência por agressão depois de uma discussão com a ex-sogra. Segundo a polícia, a mãe de Washington teria a procurado para falar sobre as visitas à criança e a agredido durante a conversa.

De acordo com uma amiga de Débora, o suspeito não aparentava ser violento. Ela contou ao G1 que sabia que o casal estava tendo algumas divergências na separação, mas que nunca imaginou que o crime pudesse acontecer.

Mãe e filha foram enterradas no Cemitério Municipal de Sabino  — Foto: Indianara Campos / TV TEM Mãe e filha foram enterradas no Cemitério Municipal de Sabino  — Foto: Indianara Campos / TV TEM

Mãe e filha foram enterradas no Cemitério Municipal de Sabino — Foto: Indianara Campos / TV TEM

Os corpos de Débora e de Lucia foram enterrados no Cemitério Municipal de Sabino na tarde de sábado.

Prisão

Washington foi preso pela polícia de Lins no domingo (8) em um condomínio em Sabino. Segundo a Polícia Civil, o próprio suspeito acionou a polícia para se entregar.

Leia mais:  Acidente entre micro-ônibus e ​carreta deixa 10 feridos

Ele confessou o crime e como não houve situação de flagrante, o delegado André Hauy fez o pedido da prisão temporária, que foi decretada pela Justiça.

Segundo a polícia, o suspeito não estava com a arma utilizada no crime, mas informou o local onde teria deixado o objeto. Buscas foram feitas com o auxílio do Exército, que utilizou um detector de metais, mas a arma não foi encontrada.

Por: G1

Comentários Facebook
publicidade

Policial

PF cumpre mandados de prisão e busca e apreensão na BA em nova fase de operação contra esquema de venda de decisões por juízes

Publicado

A Polícia Federal cumpre na manhã desta terça-feira (24) mandados de prisão temporária e de busca e apressão em cidades baianas e também em Mato Grosso. A ação faz parte da quinta fase da Operação Faroeste, que visa a desarticulação de esquema criminoso voltado à venda de decisões judiciais, por juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA).

Ao todo são 11 mandados expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Três deles são de prisão temporária e outros oitos de busca e apreensão. Na Bahia, a nova fase da operação ocorre na capital baiana e também em Mata de São João, que fica na região metropolitana de Salvador.

A PF não detalhou a quantidade de mandados por estados, mas explicou que há mandados de prisões expedidos para uma Desembargadora do TJ-BA e para dois advogados, sendo um deles filho e operador financeiro da dela.

Ao longo das fases anteriores da operação, foram presos:

  • Maria do Socorro Barreto Santiago (desembargadora)
  • Sérgio Humberto Sampaio (juiz de primeira instância)
  • Adailton Maturino dos Santos (advogado que se apresenta como cônsul da Guiné-Bissau no Brasil)
  • Antônio Roque do Nascimento Neves (advogado)
  • Geciane Souza Maturino dos Santos (advogada e esposa de Adailton Maturino dos Santos)
  • Márcio Duarte Miranda (advogado e genro da desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago)
Leia mais:  Avião é obrigado a fazer pouso forçado na região

Além disso, foram afastados dos serviços no TJ-BA Maria do Socorro Barreto Santiago (desembargadora), Sérgio Humberto Sampaio (juiz de primeira instância), Gesivaldo Britto (desembargador presidente do TJ-BA), José Olegário Monção(desembargador do TJ-BA) Maria da Graça Osório (desembargadora e 2ª vice-presidente do TJ-BA) e Marivalda Moutinho (juíza de primeira instância).

A Polícia Federal informou que o grupo é suspeito de corrupção ativa e passiva, lavagem de ativos, evasão de divisas, organização criminosa e tráfico influência.

Operação Faroeste

  • primeira fase da Operação Faroeste ocorreu em 19 de novembro, com a prisão de quatro advogados, o cumprimento de 40 mandados de busca e apreensão e o afastamento dos seis magistrados.
Leia mais:  Mãe flagra missionário peruano estuprando a filha em igreja de SP
  • Na última fase, que ocorreu em dezembro e foi batizada de Estrelas de Nêutrons, quatro mandados de busca e apreensão foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), com o objetivo de obter provas complementares da possível lavagem de ativos. Os alvos foram um joalheiro e e um advogado.

Por G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana