conecte-se conosco


POLÍTICA

Senado: Kajuru desiste de candidatura para apoiar Simone Tebet

Publicado

source
Senador Jorge Kajuru
Agência Senado

Senador Jorge Kajuru

Os senadores vão escolher, nesta segunda-feira, quem vai comandar a Casa pelos próximos dois anos . Disputam a eleição no Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que aparece como favorito, Simone Tebet (MDB-MS),  Major Olimpio (PSL-SP), e Lasier Martins (Podemos). O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) abriu mão de sua candidatura para apoiar Simone Tebet (MDB-MS).

A sessão do Senado para iniciar os trabalhos que antecedem a votação foi aberta por volta das 15 horas pelo atual presidente da Casa , Davi Alcolumbre (DEM-AP), que aproveitou para fazer um balanço de sua gestão. Para que a deliberação comece, é necessário ter a presença de pelo menos 41 parlamentares. A previsão é que o resultado da votação saia no final da tarde.

Ao abrir mão da candidatura, Kajuru criticou o MDB, que segundo ele, passou Simone Tebet para trás em troca de “cargões”.

Senadora Simone Tebet (MDB-RS)
Pedro França/Agência Senado

Senadora Simone Tebet (MDB-RS)

“A mulher é sofrida, é mais fácil passar uma mulher para trás, é mais fácil de enganar uma mulher. Foi o que o MDB, dito pelo próprio (senador) Renan Calheiros (MDB-AL), que chega agora a um fim melancólico, falou que é um partido de pedintes de carguinhos. Isso não é verdade, Renan. É de cargões. Tanto que eles fizeram tudo isso com a Simone Tebet em troca de uma vice-presidência do Senado que tem um orçamento extraordinário. E é por isso que eles passaram a perna, rifaram a Simone Tebet. Em homenagem à Simone Tebet, em respeito a uma mulher honrada, de história, eu abro mão da minha candidatura”, disse Kajuru.

Leia mais:  Bolsonaro defende atraso nos dados da Covid-19: "Ninguém tem que correr"

Você viu?

De saída do cargo, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse antes da sessão começar que a vacinação contra a Covid-19 poderia ter sido mais rápida. Ele também defendeu atenção aos mais vulneráveis.

“Nós teremos um país após a pandemia e a crise econômica, um país onde o nosso povo fica cada vez mais vulnerável. A gente precisa dar uma resposta para aqueles que mais precisam, aqueles que esperam da gente as respostas. Teremos graves problemas sociais. Já tínhamos antes da pandemia. Foram ampliados agora com essa crise”, disse Alcolumbre.

“Esse olhar eu tenho certeza de que será o olhar desse próximo período, a partir do momento em que tivermos a vacinação, que também tem que ser uma questão urgente de todos nós brasileiros. As coisas estão acontecendo, irão acontecer. Poderiam ter sido mais rápidas. Mas estamos tendo a vacina no Brasil. Está chegando de várias origens. E a gente tem que ter vacina, seja de onde for, com autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), dos órgãos de controle, porque a gente só vai conseguir sair dessa dificuldade quando tiver o povo brasileiro vacinado”, completou.

Leia mais:  Decisão de Toffoli sobre juiz de garantias pode afetar casos de Flávio e Lulinha

Rodrigo Pacheco, afilhado político de Alcolumbre (DEM-AP), chega ao dia da votação como o favorito, após reunir o apoio do presidente Jair Bolsonaro, além de outros 11 partidos: DEM, MDB, PT, PDT, Rede, PP, PSD, PSC, Pros, PL e Republicanos. Sem apoio do Palácio do Planalto, nem do próprio partido, o MDB, Tebet deve receber votos do Podemos, Cidadania e PSB.

A votação será por meio de cédulas de papel inseridas em envelopes. Cada voto deve durar em média seis minutos. Serão quatro urnas no total: duas dentro do Plenário e duas fora. Existe ainda a possibilidade de os parlamentares votarem por sistema ‘drive-thru’, sem descer do carro. Neste caso, eles entregam o voto dentro de um envelope para ser depositado em uma das urnas.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Qualquer coisa considerada válida contra a covid-19 deve ser usada, diz Mourão

Publicado

por

source
Vice-presidente Hamilton Mourão
O Antagonista

Vice-presidente Hamilton Mourão

Na manhã desta quarta-feira (03), o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), disse que “qualquer coisa” considerava válida contra o novo coronavírus, deve ser usada. Ele havia sido questionado sobre a possibilidade de importação do spray nasal de Israel . As informações foram apuradas pelo Metrópoles. 

“A medicina brasileira conseguiu desenvolver uma série de procedimentos – e aí vai de acordo com cada profissional de saúde – que permite que hoje, 97,5% das pessoas que são infectadas não tenham problema nenhum e se curem da doença. Qualquer outra coisa que for válida, comprovadamente, pode ser utilizada”, declarou. 

O presidente Jair Bolsonaro , desde de o início do mês de fevereiro, vem afirmando que mandaria uma comitiva até Israel e m busca da medicação que ainda se apresenta na fase de testes . Na terça-feira (02), Bolsonaro confirmou que no próximo sábado (06), uma comitiva brasileira chefiada pelo chanceler brasileiro Ernesto Araújo, será enviada. 

“Decisão é decisão, não compete a mim analisar. Vamos lembrar o seguinte: a vacina é o último remédio que nós temos, aquele que vai realmente impedir que a pessoa mesmo sendo contaminada entre numa situação crítica que pode levar ao óbito”, afirmou Mourão em relação a decisão de enviar a comitiva a Israel. 

Leia mais:  Damares: "Canal vaginal de menina de 12 anos não está pronto para ser possuído"

Na última sexta-feira (26), o ministro da Saúde de Israel, Yuli Edelstein, declarou que 50% da população do país já recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19 e que 35% desse número, já foi vacinado com a segunda dose do imunizante, ou seja, menos 95,8% de risco da população israelense se contaminar com a covid-19. 

O spray nasal ressaltado pelos políticos ainda está na fase de avaliação e foi testado somente em 30 pessoas. Os pesquisadores contam que os testes foram realizados entre pessoas de 18 a 85 anos, mas não deixam explícito a idade dos participantes do experimento. 

Segundo o governo israelense, o spray deve ser inalado uma vez durante o dia, levando alguns minutos, pelo período de cinco dias, para os pacientes que recebem tratamento em hospitais para a infecção. Ele é focado para o tratamento dos pulmões. Caso ele seja autorizado e trazido para o Brasil, deverá passar pela aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ).  

Leia mais:  Sobrinho de Bolsonaro, Léo Índio é indicado para novo cargo no Senado

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana