conecte-se conosco

EDUCAÇÃO

Presidente do Inep diz que está tudo pronto para o Enem 2019

Publicado

A uma semana da primeira prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, que será aplicado nos dias 3 e 10 de novembro, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) conversou com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, sobre os preparativos do exame. 

Segundo Lopes, as provas já foram todas distribuídas e estão prontas para serem aplicadas aos cerca de 5,1 milhões de participantes inscritos na edição deste ano. “Nós estamos muito tranquilos, está tudo ocorrendo como planejado”, diz. 

Para os estudantes, o presidente recomendou descanso e revisão do conteúdo para que cheguem preparados na hora da prova. Sobre o conteúdo, ele afirmou que não há grande mudanças em relação aos exames anteriores. “Utilizamos questões que já estavam no banco de itens, então, não há nenhum tipo de direcionamento na prova. A prova é normal, como nos anos anteriores, só evitando polêmicas”. 

Leia abaixo a entrevista na íntegra: 

EBC: Como está sendo o trabalho do Inep nesta reta final?
Alexandre Lopes:
Agora a gente está cuidando para que tudo ocorra tranquilamente. As provas já foram distribuídas. A gente, agora, tem entrado em contato com os aplicadores para garantir que tudo esteja ocorrendo normalmente. A gente está verificando os locais onde serão aplicadas as provas e tem mantido conversa permanente com aplicadores para ter a tranquilidade no dia da aplicação.

EBC: Então, quer dizer que as provas já estão todas entregues? 
Alexandre Lopes:
Sim, as provas já foram interiorizadas [deixaram a gráfica onde foram impressas e foram enviadas a entrepostos mais próximos aos locais de aplicação]. Chegando mais próximo ao exame, elas serão entregues nos armazéns dos Correios, nos depósitos dos Correios, que vão fazer a entrega no dia da prova.

Leia mais:  Brasil celebra nesta sexta parceria com fundação científica da China

EBC: Como está a preparação logística para a aplicação das provas? 
Alexandre Lopes:
O transporte das provas é escoltado ou pela Polícia Rodoviária Federal ou pela Polícia Rodoviária Estadual, Polícias Militares, então, todas as provas são transportadas pelos Correios e são escoltadas. Além disso, tem o trabalho de inteligência da Polícia Federal, que ocorre ao longo do ano inteiro. [A PF] faz trabalho de inteligência para identificar possíveis fraudadores. E, no dia da aplicação, nós contamos com as forças de segurança. As Polícias Militares fazem a segurança dos locais de aplicação de prova e temos plantão da PF, de cerca de 600 agentes e delegados, que vão estar trabalhando nos dias de prova. São cerca de 400 mil pessoas trabalhando só nos dias de exame. 

O presidente do Inep, Alexandre Lopes,participa do programa Brasil em Pauta

O presidente do Inep, Alexandre Lopes , participa do programa Brasil em PautaJosé Cruz/Agência Brasil

EBC: Quais as novidades da prova deste ano? 
Alexandre Lopes:
Em relação à prova, estamos permitindo esse ano o uso do implante coclear [dispositivo eletrônico usado por pessoas com deficiência auditiva] pelos alunos que precisam disso e manifestaram essa necessidade durante a inscrição. Estamos reforçando a questão da segurança. Muito importante lembrar a questão do telefone celular – mas não é só o telefone celular -, qualquer dispositivo eletrônico que toque durante a prova, mesmo no saquinho guardado embaixo da carteira, vai levar à eliminação do aluno. Isso é novidade em relação aos anos anteriores. Foi uma sugestão da PF para nós melhorarmos a segurança do exame e nós incorporamos. O aluno tem que tomar muito cuidado com isso. Mesmo com o telefone celular desligado. Tem celulares que mesmo desligados, se tiver alarme ou despertador programado, ele toca. Se acontecer isso, o aluno será eliminado.  

Leia mais:  AGU vai atuar para evitar questionamentos judiciais a provas do Enem

EBC: Em relação ao conteúdo, tem novidade na aplicação deste ano?
Alexandre Lopes:
O Enem segue normal. O que a gente orientou às equipes foi buscar uma prova equilibrada, para que não gerasse polêmicas. Nós inclusive utilizamos questões que já estavam no banco de itens, então, não há nenhum tipo de direcionamento na prova. A prova é normal, como nos anos anteriores, só evitando polêmicas. 

EBC: Qual a preocupação do Inep nesses últimos momentos?
Alexandre Lopes:
Garantir que todos os locais de prova estejam preparados para poder receber os participantes e fazer esse acompanhamento. Nós estamos muito tranquilos, está tudo ocorrendo como planejado. Agora, a gente está só cuidado dessa comunicação, nos preparando para o dia do exame.  

EBC: Quais as dicas para o aluno que vai fazer a prova?
Alexandre Lopes:
É que agora ele descanse, que foque no lado emocional, controle a ansiedade, que se alimente bem, que durma bem na véspera da prova. Que procure conhecer o local de prova com antecedência, para que isso não o perturbe no dia da prova, e para que consiga chegar com antecedência e possa fazer a prova com tranquilidade. A minha dica agora é: cuide do seu emocional.  

EBC: É importante também observar o fuso horário. 
Alexandre Lopes:
Sim, o horário da prova é o horário de Brasília.  

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
publicidade

EDUCAÇÃO

Minas Gerais é o estado com mais redações nota 1.000 no Enem 2019

Publicado

O Ministério da Educação (MEC) e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgaram nessa sexta-feira (17) as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2019, e Minas Gerais foi o estado com o maior número de redações nota máxima: 13, em um total de 53 no país.

A maioria dos estudantes que receberam essa nota foram mulheres: 32, ou seja, aproximadamente 60% do total. Das 13 notas 1.000 em Minas, 10 foram foram de mulheres. Entre elas, a estudante Stela Terra Lopes, de 18 anos. A jovem teve poucas aulas de redação na Escola Estadual Sagrada Família 2, localizada no região Leste de Belo Horizonte, ao longo do ano.

O tema desta edição foi Democratização do acesso ao cinema no Brasil. O texto deveria ser do tipo dissertativo-argumentativo, com até 30 linhas, desenvolvido a partir da situação-problema proposta e de ideias oferecidos pelos textos motivadores presentes no exame.

As redações com nota máxima são de estados do Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste: Alagoas (1); Bahia (1); Ceará (6); Distrito Federal (2); Goiás (4); Maranhão (1); Mato Grosso do Sul (1); Minas Gerais (13); Paraíba (1); Pará (2); Pernambuco (1); Piauí (2); Rio Grande do Norte (3); Rio Grande do Sul (3); Rio de Janeiro (6); São Paulo (4).

Leia mais:  Curso de Medicina doa roupas e alimentos ao Fundo Social de Solidariedade

Redações com menos de sete linhas recebem nota zero, assim como as que reproduzem integralmente trechos dos textos motivadores e de itens do Caderno de Questões.

Por: O Tempo

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana