conecte-se conosco

Tecnologia

Prazo para bloqueio de celular pirata após notificação pode cair de 75 para 15 dias, diz Anatel

Publicado

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) estuda reduzir, de 75 dias para até 15 dias, o prazo para bloqueio de celulares piratas após a notificação do usuário.

A informação é do coordenador do projeto Celular Legal, que reúne Anatel, operadoras e fabricantes de celulares, João Alexandre Zanon.

O bloqueio começou em março de 2018, por Goiás e Distrito Federal. Desde de março de 2019, é feito em todos os estados do país.

Até o final do ano passado, 1,355 milhão de celulares haviam sido bloqueados. Esse número equivale a 0,6% dos 228 milhões de aparelhos ativos no país (leia mais abaixo).

O que é celular pirata e o que fazer após notificação?

Os celulares piratas são aqueles não certificados pela Anatel ou então que tenham o chamado IMEI (International Mobile Equipment Indentity) — número de identificação do aparelho — adulterado, clonado ou que tenha passado por outras formas de fraude.

Após identificar um celular pirata conectado à rede de telefonia, o sistema envia ao usuário do aparelho uma mensagem de texto com aviso de que ele será bloqueado.

Hoje, o bloqueio ocorre 75 dias após notificação. Mas, de acordo com a Anatel, esse prazo pode ser reduzido para até 15 dias.

Segundo a Anatel, o usuário que receber as mensagens deve procurar a empresa ou pessoa que vendeu o aparelho e buscar os direitos como consumidor.

De acordo com Zanon, os responsáveis pelo projeto Celular Legal esperavam identificar um número maior de piratas. Por isso, optaram por estabelecer um prazo mais longo entre a notificação e o bloqueio. A ideia era evitar, por exemplo, filas nas centrais de atendimento.

Leia mais:  Samsung e LG apostam em TVs com inteligência artificial e resolução 8K na CES

“Mas o número [de celulares piratas identificados] foi até menor do que a gente esperava. E esse prazo de 75 dias acabou sendo conservador”, disse Zanon.

“A busca nossa é reduzir esse prazo para algo entre 15 e 30 dias”, completou o coordenador do Celular Legal.

Ele afirmou que o assunto já foi discutido com as operadoras e fabricantes envolvidos no projeto e que a expectativa é que a redução do prazo ocorra ainda em 2020.

Anatel começa em Goiás e no DF o bloqueio de celulares piratas

Na avaliação de Zanon, o sistema de bloqueio já apresenta resultado, que se reflete na queda no número de aparelhos irregulares identificados nos últimos meses.

De acordo com dados da Anatel, em março de 2019, primeiro mês em que os bloqueios passaram a atingir todo o país, foram identificados 133.805 celulares piratas. Em novembro, foram 70.901.

Bloqueio de celular clonado

Zanon informou ainda que, no futuro, o sistema deve passar a bloquear também os celulares clonados.

Hoje, os clonados já são identificados, mas uma série de questões técnicas impedem o bloqueio. Ainda não é possível, por exemplo, tirar da rede apenas o clone, sem afetar o aparelho original.

Segundo Zanon, os clones equivalem a cerca de 10% de todos os celulares irregulares identificados pelo sistema. Em dezembro de 2019, por exemplo, foram cerca de 7 mil.

Ele apontou que a União Internacional de Telecomunicações (UIT), ligada à Organização das Nações Unidas (ONU), já vem discutindo o tema. E a expectativa é que uma solução padrão para o problema seja criada até 2021.

Leia mais:  Veja como usar o filtro do Coringa nos Stories do Instagram

Balanço de bloqueios

Apenas em 2019, a Anatel bloqueou 1,2 milhão de celulares piratas. Esse número é quase 8 vezes maior que o de 2018, quando foram bloqueados 154,7 mil celulares.

O crescimento se deve à estratégia da agência na aplicação dessa política, que previu etapas até que os bloqueios atingissem todos os estados do país.

Os bloqueios começaram a ser feitos em maio de 2018 apenas no Distrito Federal e em Goiás. Em dezembro do mesmo ano, eles foram estendidos para outros dez estados.

A política passou a vigorar em todo o país em março de 2019.

No total, 1,355 milhão de celulares foram bloqueados desde que a medida começou a ser aplicada.

A Anatel consegue identifica-los por meio de um sistema informatizado, feito em parceria com operadoras de telefonia e fabricantes, e que mostra os aparelhos irregulares em uso na rede.

Os objetivo da medida, segundo a Anatel, é garantir mais segurança ao usuário, reduzir o número de roubos e furtos de aparelhos, e combater a falsificação e a clonagem de IMEIs.

Estados

Apesar de estar no grupo de 15 estados onde o bloqueio começou a ser feito em março de 2019, São Paulo lidera o ranking, com 218.041 aparelhos atingidos.

O Rio de Janeiro, onde a medida começou a vigorar em dezembro de 2018, vem em segundo, com 125.199 celulares bloqueados.

Em terceiro lugar, com 124.268 aparelhos barrados, está Goiás, que junto com o Distrito Federal inaugurou a ação da Anatel.

Por: G1

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Empresa ‘bombardeia’ nuvens com água para barrar chuvas em São Paulo durante o carnaval

Publicado

Uma empresa promete deslocar as chuvas previstas para atingir a capital paulista para outras regiões, como, por exemplo, o Sistema Cantareira, no interior do estado, durante o carnaval de São Paulo.

“A ideia é fazer chover no lugar certo, como no reservatório Cantareira, por exemplo, e liberar os foliões para apreciar o carnaval de forma mais completa”, disse o vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Cervejaria Ambev, Rodrigo Figueiredo, em entrevista ao G1. A Skol, da Ambev, é patrocinadora oficial do carnaval de São Paulo.

De acordo com a Modclima, que realiza o serviço, a ação consiste em depositar gotículas de água potável nas nuvens da região em que se deseja que chova. Segundo a empresa, a ação aumenta o tamanho das nuvens e, consequentemente, a chance de chover dentro da área do projeto.

Um radar meteorológico capta nuvens carregadas de água, com potencial de chuva, que se deslocam em direção a São Paulo. Antes disso, as nuvens recebem as gotículas e podem desaguar antes de chegar na cidade.

“O principal objetivo não é evitar as chuvas e sim interceptá-las para que elas aconteçam no lugar certo, como no reservatório da Cantareira. Há o monitoramento da chegada de nuvens com grande potencial de água e, quando as mesmas se aproximam são pulverizadas e assim a chuva acontece”, disse Majory Imai, Ceo da Modclima.

A empresa defende que o método é natural e que não traz danos ao meio ambiente. “Este é um método livre de químicos e se utiliza apenas água potável aplicada em forma de gotículas de diâmetro controlado. Dessa forma, “imita-se” o processo natural de crescimento vertical da nuvem e precipitação, resultando na indução da chuva. Sem efeitos colaterais ou danos ao meio ambiente”, completa Majory.

Leia mais:  Google atinge supremacia quântica, mas o que isso significa? Entenda em 4 passos

Cada aeronave despeja cerca de 300 litros de água na atmosfera que é depositada em nuvens que possuem de 1 a 6 quilômetros de diâmetro. A empresa que realiza o serviço defende que a eficácia do processo é alta.

“A cada 10 chuvas semeadas, 7 chuvas ocorrem. A ação é localizada, trabalhando em nuvens de 1 a 6 km de diâmetro que, após o período de 15 a 20 minutos, induz a chuva no local”, afirma a CEO da Modclima.

Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira.  — Foto: Arte/G1Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira.  — Foto: Arte/G1

Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira. — Foto: Arte/G1

Esta é a primeira vez que a empresa realiza uma ação como essa para garantir o sol durante o carnaval. A empresa atua no mercado há 12 anos e já realizou projetos desse tipo para outros fins, como, por exemplo, na época da crise hídrica em que foi contratada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Para o professor de física atmosférica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Theotonio Pauliquevis, não há como garantir que não irá chover durante o carnaval. “Esse método vai conseguir alguns ajustes, mas não vai conseguir fazer o carnaval dos sonhos. Há indicações que ele funciona em um determinado limite, mas ele não consegue evitar uma grande tempestade”, disse ele em entrevista ao G1.

“É muito controverso no meio científico a real funcionalidade disso. O método pode fazer apenas pequenos ajustes em nuvens. Se for uma nuvem muito carregada, por exemplo, ele pode fazer ela chover, mas ela vai chover na Cantareira, e provavelmente atingirá São Paulo. Por outro lado, tem nuvens que podem nem chover. Então, tem que ser uma nuvem que já ia chover um pouco”, completa o professor.

Leia mais:  Veja como usar o filtro do Coringa nos Stories do Instagram

Aplicação

Em 1998, quando o projeto começou a sair do papel, a técnica foi implementada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que contratou a empresa dos Imai para provocar chuvas artificiais na cabeceira dos sistemas Cantareira e Alto Tietê, responsáveis pelo abastecimento de 18 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Foram mais de 500 voos, com ocorrências positivas de chuva em 50% deles.

As chuvas também foram empregadas no Nordeste a pedido de prefeituras da Bahia. Os municípios de Mirorós e Gentio do Ouro, localizados no semiárido brasileiro, sofriam com a seca intensa entre 2008 e 2009 e com a redução do nível da represa que abastecia esta região.

A técnica foi apresentada em 2010 na Convenção de Combate à Desertificação das Nações Unidas (UNCCD), realizada na Alemanha.

Chuvas durante o carnaval

Os aviões já estão realizando o trabalho desde a véspera do pré-carnaval na sexta-feira (14) e, na capital paulista, houve só chuvas esparsas.

De acordo com o Climatempo, não há previsão para temporais durante o carnaval na capital paulista. Na noite de sexta-feira (21) é esperada chuva fraca a moderada, assim como durante todo sábado (22). No domingo (23), a previsão é que o tempo fique nublado com chuva fraca.

Na segunda (24) e na terça-feira (25), ainda segundo o Climatempo, o sol deve aparecer, mas pancadas de chuvas podem acontecer ao longo do dia.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana