conecte-se conosco

Policial

PM apreende 505 fuzis em 2019 e bate recorde histórico no RJ

Publicado

A Polícia Militar do Rio de Janeiro apreendeu 505 fuzis em todo o ano de 2019. O número é o maior registrado até hoje. O recorde anterior era de 2017, quando 382 fuzis foram apreendidos.

A marca já havia sido atingida em setembro. O número total de armas apreendidas em 2019, segundo a secretaria de Polícia Militar, foi de 8,4 mil.

No ano passado, também aumentou a apreensão de fuzis em São Paulo. De janeiro a novembro de 2019 foram apreendidas 200 armas desse tipo, enquanto que no mesmo período de 2019 foram 164.

Polícia do RJ estima que até 3.500 fuzis estejam nas mãos de criminosos

Polícia do RJ estima que até 3.500 fuzis estejam nas mãos de criminosos

Segundo estimativas da Polícia Civil, o Rio é a cidade com mais fuzis no Brasil: de 3 a 3,5 mil dessas armas estariam nas mãos de criminosos, conforme mostra o vídeo acima.

A arma poderosa é usada por países em guerra ou que enfrentam o terrorismo. No Rio, passou a fazer parte da rotina dos moradores, tanto em patrulhamentos de rotina quanto em operações policiais.

Leia mais:  Adolescente é suspeito de abusar da prima de 4 anos

Em março, no dia em que foram presos Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, acusados de terem matado a vereadora Marielle Franco no Centro do Rio em 2018, 117 fuzis M-16 foram encontrados desmontados em caixas, dentro de uma casa no Méier, Zona Norte da cidade. Eles eram de Ronnie Lessa e estavam na casa de um amigo do PM reformado, acusado de ter atirado contra a vereadora.

Segundo o delegado Marcos Amin, titular da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme), as armas eram falsificadas, mas funcionavam. O destino das armas é investigado pela Polícia Civil.

Homens carregam fuzis no Complexo do Chapadão, no Rio — Foto: Reprodução/ TV GloboHomens carregam fuzis no Complexo do Chapadão, no Rio — Foto: Reprodução/ TV Globo

Homens carregam fuzis no Complexo do Chapadão, no Rio — Foto: Reprodução/ TV Globo

Comentários Facebook
publicidade

Policial

A major que protege 629 mulheres ameaçadas por homens na Bahia

Publicado

O celular de trabalho de Denice Santiago tocou em plena tarde de domingo em Salvador. Do outro lado da linha, uma mulher dizendo que o ex-marido, proibido pela Justiça de se aproximar dela, estava a caminho de sua casa.

“Nessas horas não posso simplesmente dizer que estou de folga. Tenho que resolver”, diz. A necessidade de solução imediata se explica: na Bahia, 629 mulheres vítimas de violência doméstica estão diretamente sob os cuidados de Denice.

Fardada ou não, ela é a major Denice, de 45 anos, comandante da Ronda Maria da Penha (RMP), unidade da Polícia Militar baiana criada em março de 2015 para acompanhar mulheres sob medida protetiva judicial – brasileiras que enfrentam o machismo e a brutalidade de companheiros, pais, irmãos e vizinhos.

Com pouco mais de um ano e meio de funcionamento, essa operação vem chamando a atenção de pesquisadores e de outras corporações policiais pelos bons resultados – que parecem dever algo ao carisma e à obstinação de sua comandante.

Leia mais:  Policiais Militares concluem Curso de Operações Especiais (COESP) 2019

“São famílias que estão em jogo. Como mulher, mãe e policial, não posso falhar. Se nosso sistema for violado, podemos perder uma vida”, diz Denice.

Por: BBC News

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana