conecte-se conosco


ITURAMA E REGIÃO

Pela segunda semana seguida Uberlândia está na fase rígida do plano municipal contra a Covid-19

Publicado em

ITURAMA E REGIÃO

Lojas voltam a fechar em Uberlândia — Foto: Vanessa Pires/G1

Cidade está na etapa vermelha desde o último sábado (20) e continua até o dia 5 de março. Setores como lojas de departamentos, comércio varejista e de beleza não podem abrir neste período; confira.

Uberlândia continua na fase rígida (vermelha) do Plano Municipal de Funcionamento das Atividades Econômicas (PFAE). A deliberação do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 em Uberlândia foi publicada no Diário Oficial do Município (DOM) nesta quarta-feira (24).

A cidade entrou na fase rígida no último sábado (20) e, inicialmente, iria até esta sexta-feira (26). Com a nova deliberação do Comitê, esse período foi estendido até o dia 5 de março. Isso significa que a cidade permanece com restrição de funcionamento de diversos setores. (Veja mais abaixo)

Conforme o plano, podem funcionar setores como:

  • Agropecuária;
  • Alimentos;
  • Alimentação;
  • Bancos e seguros;
  • Cadeia produtiva e atividades acessórias essenciais;
  • Construção civil e afins;
  • Fábrica, energia, extração, produção siderurgia e afins;
  • Saúde (como farmácias);
  • Telecomunicação, comunicação e imprensa;
  • Transporte, veículos e Correios;
  • Tratamento de água, esgoto e resíduos;
  • Hotéis e afins;
  • Atividades jurídicas, administrativas e contábeis;
  • Educação superior (aulas práticas de Saúde) e;
  • Transporte coletivo.
Leia mais:  Senado: Kajuru diz que Davi Alcolumbre foi "office boy de luxo de Bolsonaro"

Entenda a fase rígida

fase rígida é uma das etapas do PFAE, que é um plano próprio instituído pela Prefeitura de Uberlândia para funcionamento de atividades econômicas depois de o Município anunciar a saída do programa “Minas Consciente“. O PFAE é dividido nas seguintes fases: rígida, intermediária e flexível; elas são caracterizadas, respectivamente, pelas cores vermelha, amarela e verde.

Desde que o plano foi instituído, em outubro de 2020, a primeira vez que o Uberlândia entrou na fase rígida foi no último sábado (20). O comunicado foi publicado no Diário Oficial do Município, na quinta-feira (18), após anúncio do prefeito Odelmo Leão durante visita do Secretário de Saúde do Estado de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral ao município na quarta-feira (17).

Por: G1 Triângulo e Alto Paranaíba

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Vacina da Fiocruz Minas e UFMG avança em testes de laboratório

Publicados

em

Um estudo para o desenvolvimento de uma vacina contra a covid-19 pelo Instituto René Rachou (Fiocruz Minas) e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) concluiu, com “resultados bastante animadores”, a etapa de prova de conceito, informou ontem (12) a Agência Fiocruz. Tal etapa faz parte dos estudos pré-clínicos, em laboratório, e indica se a vacina tem potencial para produzir resposta imune e proteção contra a doença.

Cientistas do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Vacinas (INCTV) da Fiocruz Minas e do Centro de Tecnologia em Vacinas da UFMG trabalham no desenvolvimento deste imunizante, desde março de 2020. Segundo os pesquisadores, a vacina não apenas protegeu os camundongos usados na prova de conceito, como também evitou qualquer manifestação clínica da doença.

A pesquisa agora seguirá nos estudos pré-clínicos, com testes em macacos, considerados fundamentais para que se possa avançar em direção aos testes clínicos, em humanos. Nos primatas não-humanos, os pesquisadores vão investigar se a resposta imune causada pela vacina tem capacidade de produzir anticorpos contra o novo coronavírus.

Leia mais:  Fabrício Queiroz negocia delação premiada em troca de garantias para a família

O início dos testes em humanos pode ocorrer ainda neste ano, segundo os pesquisadores responsáveis pelo estudo. Porém, essa etapa requer a produção de um lote piloto da vacina dentro de rigorosos critérios de boas práticas e controle de qualidade, o que exigirá maior volume de recursos financeiros.

O pesquisador Ricardo Gazzinelli, coordenador do INCTV, explica que a plataforma tecnológica usada na vacina consiste na combinação de duas proteínas, entre elas a proteína S, utilizada pelo novo coronavírus para invadir as células do hospedeiro. Essas proteínas são combinadas em uma proteína “quimera”, que obteve os resultados positivos na prova de conceito.

Por: Agência Brasil

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana