conecte-se conosco


POLÍTICA

PEC limita possibilidade de prisão de parlamentares; saiba mais

Publicado

source
Presidente da Câmara, Arthur Lira
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Presidente da Câmara, Arthur Lira

O grupo de trabalho formado pelo presidente da Câmara,  Arthur Lira , finalizou a primeira minuta sobre a proposta de emenda que restringe a possibilidade de prisão de parlamentares. O texto está em análise com Lira, de acordo com a CNN Brasil .

A emenda visa alterar o artigo 53 da Constituição Federal e ampliar as prerrogativas de parlamentares após a prisão do deputado federal Daniel Silveira . Segundo a publicação, no artigo, os deputados reforçaram a inviolabilidade de opiniões, palavras e votos de parlamentares e escreveram que somente o Conselho de Ética pode responsabilizá-los.

“Os Deputados e Senadores, no exercício de suas funções parlamentares ou em razão delas, são invioláveis civil e penalmente por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos, cabendo, exclusivamente, a responsabilização ético-disciplinar por procedimento incompatível com o decoro parlamentar”, escreveram.

Leia mais:  Avaliação do governo Bolsonaro se mantém estável em fevereiro, aponta pesquisa

Os deputados também destacaram o fato de que apenas crimes inafiançáveis descritos na Constituição poderão embasar um pedido de prisão. “Com isso, confere-se maior segurança jurídica à questão e se restabelece aquela que foi a intenção do constituinte originário: autorizar o flagrante apenas nos casos de inafiançabilidade absoluta (isto é, nos delitos que, por sua própria natureza, não admitam fiança), afinal, admitir que o flagrante de parlamentar seja possível em qualquer crime, exigindo-se apenas que, no caso concreto, não se entenda cabível a fiança (por critérios outros que não a própria natureza do crime), é fazer letra morta a previsão constitucional”, diz a justificativa.

Você viu?

Ainda segundo o jornal, o texto também afirma que o deputado com mandado de prisão expedido seja encaminhado ao Congresso e fique sob custódia da Comissão de Constituição e Justiça. A audiência, no entanto, só deve ocorrer depois da decisão do Congresso, se vai manter ou não a prisão do parlamentar.

“Dessa forma, deixa-se claro que determinada a prisão em flagrante e ultimadas as providências legais cabíveis à autoridade policial, o parlamentar será encaminhado à Casa respectiva e mantido sob a guarda da respectiva CCJ. Propõe-se também, para conferir maior segurança jurídica à questão, que se disponha, no próprio texto constitucional, sobre a audiência de custódia do parlamentar preso em flagrante (§ 2º-B)”, destaca o texto.

Leia mais:  Justiça vê TSE como novo alvo de Bolsonaro

“Sugere-se que essa audiência ocorra após a deliberação da respectiva Casa sobre a prisão e, por óbvio, apenas na hipótese de ela ter sido mantida. Deixa-se claro, ainda, que, na audiência, o juízo competente poderá conceder a liberdade provisória ou, caso haja requerimento do Ministério Público (e apenas nessa hipótese!), converter a prisão em flagrante em preventiva ou aplicar medida cautelar diversa do afastamento da função pública”, acrecenta.

No entanto, os parlamentares desistiram de incluir na Constituição a exigência de que as ordens de prisão precisam ser feitas por decisões colegiadas, já que, segundo eles, demoraria muito para qualquer medida ser aplicada, levando em consideração que ela só pode ocorrer mediante flagrante.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Bolsonaro questiona uso de máscaras: “a gente aguarda estudo mais aprofundado”

Publicado

por

source
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante live nesta quinta (25)
Reprodução Facebook

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante live nesta quinta (25)

O presidente Jair Bolsonaro  (sem partido)  durante transmissão ao vivo pelas redes sociais nesta quinta-feira (25)  citou um suposto estudo de “uma universidade alemã” para questionar o uso de máscaras como prevenção contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2).

“Começa a aparecer estudos sobre o uso de máscaras. Uma universidade alemã fala que elas são prejudiciais a crianças. E levam em conta vários itens como irritabilidade, dor de cabeça, dificuldade de percepção de felicidade”, afirma Bolsonaro.

Com o plano nacional de vacinação andando de forma lenta, especialistas apontam o uso de máscaras como uma das mais importantes medidas de prevenção contra a Covid-19 . A OMS comprovou eficácia e indica o uso das pessoas quando estiverem em espaço público.

“Não vou entrar em detalhes, porque tudo deságua em críticas em mim. Eu tenho a minha opinião sobre máscaras, que cada um tenha a sua. Mas a gente aguarda um estudo mais aprofundado sobre isso por parte de pessoas competentes”, diz.

Nesta quinta (25), o Brasil registrou 1.541 novos óbitos em decorrência do vírus, um dia depois do país passar dos 250 mil mortes, em um momento da pandemia onde diversos estados estão prestes a entrar em colapso no sistema de saúde.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana