conecte-se conosco

Policial

PC de Minas Gerais emite documentos de identidade para crianças e adolescentes

Publicado

A Polícia Civil de Minas Gerais realizou, na última segunda-feira (4), a confecção de 86 carteiras de identidade de crianças e adolescentes, alunos da Escola Municipal Joaquim da Silveira, localizada na cidade do Morro da Garça, um dos municípios abrangidos pela 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil em Curvelo.

A ação social foi coordenada pela Delegada Regional Margaret de Freitas Assis Rocha, que teve a iniciativa porque o município do Morro da Garça ainda não possui Posto de Identificação. Dessa maneira, as crianças e os adolescentes não precisaram ir até a cidade de Curvelo para emissão do documento.

Comentários Facebook
Leia mais:  Polícia Civil prende suspeito de diversos furtos em Araxá e cidades do interior de São Paulo
publicidade

Policial

Polícia Civil em Araxá abre inquérito para investigar perfil de rede social que expõe supostos crimes de abuso sexual

Publicado

A Polícia Civil em Araxá vai investigar o perfil em rede social chamado “Exposed Araxá”, voltado para denúncia de supostos autores de crimes sexuais, entre outros, para apurar a veracidade dos relatos.

No perfil do Twitter, que não existe mais, continham nomes e imagens divulgados de diversas pessoas. “A questão é que a forma certa de denunciar é procurar a Polícia Civil e informar que ocorreu o crime, que será investigado. Agora, postar em redes sociais de forma anônima está incorreto, inclusive é criminoso”, explicou a delegada Paula Lobo Rios Dib.

Ainda de acordo com a delegada, a exposição das pessoas pode se enquadrar como crime de calúnia, difamação, injúria e, caso seja menor de idade, também há crimes do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Mesmo com a exposição dos supostos abusadores, o inquérito investigará em um primeiro momento quem está expondo as pessoas. “A forma certa de denunciar é procurar uma delegacia, as informações referentes a isso que constem em redes sociais serão desconsideradas. E tanto as pessoas que postaram, quanto os criadores do perfil, serão punidos”, completou a delegada.

Leia mais:  Casos de feminicídio crescem 41,4% em SP durante pandemia de Covid-19, diz estudo

Ainda segundo Paula, as pessoas que relataram os crimes no perfil da rede social podem procurar a Polícia Civil para formalizar a denúncia, que em seguida ocorrerá a investigação.

“Oriento que as pessoas que deram relatos que têm procedência e fundamento que nos procurem para fazermos o nosso trabalho de forma correta. Quem denunciar será ouvido com toda a cautela”, concluiu a delegada.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana