conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Pandemia de coronavírus provoca redução de até 90% de outros exames no Brasil

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

Um levantamento das Sociedades Brasileiras de Cirurgia Oncológica e de Patologia mostram que, por causa da pandemia do novo coronavírus, houve redução de até 90% de exames que deveriam ser oferecidos em hospitais. Pacientes oncológicos, gestantes e doentes crônicos não estão sendo atendidos.

De 11 de março a 11 de maio de 2020, pelo menos 50 mil brasileiros deixaram de ser diagnosticados com câncer por falta de exames, segundo os órgãos. Nessas semanas, na cidade de São Paulo, foram feitas 5.940 biópsias na rede pública. No mesmo período do ano passado, foram 22.680.

A mesma redução é observada em um centro de referência em saúde do Ceará: o número de biópsias caiu de cerca de 18 mil, em 2019, para menos de 5 mil, em 2020.

Segundo Clovis Klock, médico da Sociedade Brasileira de Patologia, o diagnóstico tardio provocado pela redução do número de exames pode prejudicar não só a saúde do paciente, mas também a economia, já que tratamentos mais complexos e caros serão necessários futuramente.

Leia mais:  Hospital confirma quinta morte por coronavírus em SP

Além da questão oncológica, consultas para gestantes estão sendo canceladas, por causa da pandemia. A dona de casa Karina Picoli teve o bebê há 5 meses – e, até agora, não conseguiu fazer o acompanhamento do pós-parto. “Tinha consulta agendada com ginecologista e clínico geral em abril, mas, quando estava próximo da consulta, ligaram e cancelaram”, diz.

A secretaria municipal de saúde de São Paulo afirma que apenas as cirurgias eletivas devem ser desmarcadas. De acordo com o secretário Edson Aparecido, as unidades de saúde que não estão atendendo a população serão cobradas para que mantenham seus serviços.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Capacitação para agentes de endemias em Carneirinho

Publicados

em

Na manhã de hoje (22), os Agentes de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Carneirinho participaram de uma capacitação de como usar como usar veneno pra matar as larvas em reservatórios e recipientes.

De acordo com o Diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiologia, Fábio Souza Ribeiro (Fabio Caixeta), antes o produto utilizado era em pó e agora é em comprimido.

Comentários Facebook
Leia mais:  Macrorregiões Triângulo do Norte e do Sul e Noroeste de MG permanecem na Onda Roxa do Minas Consciente
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana