conecte-se conosco


POLÍTICA

Pacheco deve decidir futuro da CPI do MEC nesta terça-feira

Publicado em

POLÍTICA

Espera. Senadores conversam no plenário diante de Rodrigo Pacheco: oposição quer CPI instalada antes do recesso
Waldemir Barreto/Agência Senado

Espera. Senadores conversam no plenário diante de Rodrigo Pacheco: oposição quer CPI instalada antes do recesso

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), deve decidir hoje o futuro da CPI do MEC. O pedido para instalação da comissão que quer investigar suspeitas de corrupção na gestão de Milton Ribeiro no Ministério da Educação foi protocolado na terça-feira passada, mas Pacheco preferiu adiar a decisão para depois da reunião de líderes, que ocorrerá às 9h de hoje, de forma virtual.

Pacheco tem dito que tende a seguir uma opinião majoritária dos líderes partidários no Senado. Embora não queria judicializar o caso — como aconteceu com a CPI da Covid, que só foi aberta após uma decisão do Supremo Tribunal Federal —, o presidente da Casa quer ouvir os líderes sobre se o momento político atual, faltando três meses para a eleição, é oportuno para se instalar uma comissão de inquérito. Ele já havia declarado que a proximidade com o período eleitoral poderia prejudicar os trabalhos da CPI.

Outras comissões

Além da CPI do MEC, os senadores vão debater a abertura de três outras comissões de inquérito: uma sobre obras paradas da pasta em gestões passadas, cuja a autoria é do líder do governo, Carlos Portinho (PL-RJ); uma sobre o narcotráfico no Norte e Nordeste do país, e outra sobre a atuação de ONGs na Amazônia. Por ora, parte dos líderes já sinalizou a Pacheco que não é hora para CPI.

Leia mais:  Pastor lobista do MEC abriu faculdade com investimento de R$ 100 mil

“Acho que ninguém acredita em CPI durante a campanha, mas é natural que a oposição queira que se instale. Dia 15 há o recesso e agosto começa a campanha”, diz o líder do Podemos, Alvaro Dias (PR).

Dos 16 partidos com representantes no Senado, ao menos nove devem seguir o posicionamento do governo de não abrir uma CPI às vésperas da eleição. São eles: PL, PP, Republicanos, PROS, PTB, PSC, União Brasil, Podemos e PSDB. Tais siglas são lideradas por aliados diretos do Planalto, como o filho do presidente e coordenador de sua campanha, Flávio Bolsonaro (PL-RJ).

Já as duas maiores siglas da Casa, MDB e PSD, ainda não indicaram publicamente como devem se portar em relação à CPI no colégio de líderes. A maioria da bancada medebista, no entanto, assinou a lista para a criação da comissão do MEC — apenas três senadores da legenda não deram o aval para a criação do colegiado. As legendas restantes são de oposição : PT, PSB, Rede, PDT e Cidadania.

Leia mais:  Fenaj e Abraji repudiam ataques de Eduardo Bolsonaro a Miriam Leitão

Essas siglas pressionam para que Pacheco instale a CPI do MEC antes mesmo do recesso parlamentar, marcado para começar no dia 18 deste mês. A base do governo, porém, tenta adiar a abertura da comissão para depois das eleições — o que seria, na prática, uma forma de fazer com que a CPI não aconteça, já que, na visão de senadores da oposição, ela perderia força tantos meses após a prisão de Ribeiro.

Há ainda na mesa a possibilidade de se instalar todas as comissões. A hipótese também é defendida por aliados do presidente Jair Bolsonaro, já que, caso sejam abertos todos os colegiados, não haverá quórum para nenhuma investigação.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Ciro diz que Lula e Bolsonaro não vão debater por “contradição moral”

Publicados

em

Por

Ciro Gomes usou o Twitter para criticar seus adversários
Divulgação

Ciro Gomes usou o Twitter para criticar seus adversários

Nesta sexta-feira (12), Ciro Gomes (PDT) usou seu perfil no Twitter para afirmar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não vão aos debates por “contradição moral”. O candidato também criticou o modelo econômico dos seus adversários.

“Bolsonaro e Lula não estão aceitando participar dos debates porque ambos não têm como explicar suas próprias contradições – nem a contradição moral da corrupção nem a contradição do mesmo modelo econômico que praticam, que só produz desigualdade”, declarou o presidenciável.

Ciro também acusou os dois primeiros colocados nas pesquisas de intenções de votos de se preocuparem em beneficiar mais os ricos do que os pobres. “Fiquem atentos: os dois candidatos que lideram as pesquisas estão comprometidos com o mesmo modelo econômico, que transformou nosso país numa máquina de transferir renda do povo para 10 mil famílias de barões do sistema financeiro”, publicou. “E com o mesmo modelo de governança política – o mesmo que botou a corrupção no centro da vida pública brasileira”.

Leia mais:  Moro afirma Bolsonaro é o culpado pela falta de autonomia da PF

Por fim, ele escreveu: “Minha irmã, meu irmão, não dê o seu voto precioso a quem não aceita sequer ir aos debates para apresentar propostas para o futuro do Brasil. Como disse Einstein, ‘Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes’”.

Leia mais:  Presidente do PL na Bahia deixa partido por aliança com ACM Neto

Ciro Gomes é o terceiro colocado nas pesquisas de intenções de votos, enquanto Lula aparece em primeiro lugar e Bolsonaro ocupa a segunda posição.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana