conecte-se conosco


ITURAMA E REGIÃO

Operação Arinna combate adulteração de combustível no Estado

Publicado em

ITURAMA E REGIÃO

Foi deflagrada, na manhã desta segunda-feira (15), a segunda fase da Operação Arinna, para desarticular uma organização criminosa especializada em adulterar combustível e um tipo de reagente utilizado em veículos movidos a diesel para a redução de poluentes, conhecido como Aro 32. Os crimes teriam possibilitado à organização sonegar tributos federais estimados em R$ 270 milhões. A Operação Arinna é coordenada pela Receita Federal, Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público do Estado de São Paulo, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco Piracicaba/SP).

Esta etapa decorre da análise dos dados fiscais e bancários, cujos afastamentos dos sigilos foram deferidos judicialmente. Essa análise permitiu identificar o caminho percorrido pelo dinheiro, desde os financiadores do esquema investigado até os principais beneficiários finais desses recursos.

Em coletiva realizada na manhã de hoje, a auditora-fiscal Mirela Batista, explicou que na primeira fase da operação, deflagrada em outubro de 2020, foi feita a coleta de várias provas. “Na primeira fase, já tínhamos chegado a um principal financiador do esquema, que foi preso. Agora, identificamos um segundo financiador, que estava acima do primeiro. Ele é objeto desta segunda fase, junto com empresas que vinham sendo usadas para ocultar patrimônio”, disse.

Leia mais:  Auxílios emergenciais são furtados de 2 pessoas em Rio Preto

Segundo a auditora, esse financiador é um dos grandes devedores da Fazenda Nacional e a do Estado de São Paulo. O investigado viabilizou o crédito de R$ 490 milhões nas contas usadas pela quadrilha.

Dos cruzamentos realizados, foi possível chegar aos mentores do “esquema”. Para permanecerem ocultos nas operações de importação e comercialização dos produtos citados, foram utilizadas contas de terceiros, que acolheram créditos superiores a R$ 490 milhões no transcorrer de três anos. De todos investigados na segunda fase, os recursos financeiros movimentados estão estimados em R$ 4,8 bilhões.

Segundo os promotores, a estimativa é de que centenas de postos estejam envolvidos no esquema, mas ainda ainda não há um levantamento exato.

Ainda segundo a auditora, é possível que este esquema esteja sendo replicado por outras quadrilhas, por isso é importante que os consumidores utilizem postos de combustíveis que sejam confiáveis, “e de valores de combustíveis que estejam condizentes com o mercado, que não utilizem de valores que estejam abaixo, porque provavelmente pode ter algum problema”.

Leia mais:  Uberlândia: Dmae conclui instalação de nova caixa d’água na UAI Martins

Mirela destaca ainda que a operação visa a diminuir prejuízos tanto para a arrecadação de impostos e para o consumidor final: “quando a Receita Federal participa de uma operação dessa é para coibir prática fraudulenta e promover a livre concorrência e o livre mercado do comércio de combustíveis, porque tem empresários honestos que estão pagando seus impostos e tributos regularmente, enquanto tem crime organizado promovendo essas adulterações nos combustíveis. E também no Aro 32, um reagente feito para diminuir os poluentes de gases tóxicos, ou seja a adulteração pode danificar o motor do carro e ainda jogar agentes tóxicos no meio ambiente. É um duplo prejuízo, tanto para o meio ambiente quanto para o consumidor final”.

Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão nas cidades paulistas de Valinhos, Ibaté, Paulínia, Ribeirão Bonito, Araraquara, Indaiatuba e Jundiaí, além de Cuiabá e Cocalzinho (MT). O nome da operação é uma referência à deusa do sol da extinta civilização hitita.

Por: Agência Brasil

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Patos de Minas: Casos de Covid-19 diminuem, mas número elevado de mortes e reinfecções ainda preocupam

Publicados

em

A presença de uma nova cepa do Coronavírus circulando pela cidade é dada como certa.

O setor de Vigilância Epidemiológica de Patos de Minas investiga pelo menos duas mortes causadas por reinfecção por Covid-19. Essa é uma das preocupações do órgão, que vê o número de casos diminuir, mas que ainda registra um número elevado de mortes. A presença de uma nova cepa do Coronavírus circulando pela cidade é dada como certa.

De acordo com o encarregado de informações e estatísticas da Secretaria Municipal de Saúde, Erivaldo Rodrigues Soares, Patos de Minas não foi elegível para investigação de novas cepas do Coronavírus. Ele explica, no entanto, que os dados da Covid-19 no município apontam para a presença de novas variantes circulando na cidade.

Os casos de reinfecção são um indicativo da circulação de variantes do novo Coronavirus. As duas mortes por reinfecção que estão sendo investigadas na cidade são de um jovem de 27 anos e de um homem de 50 anos. Erivaldo explicou que os casos de reinfecção preocupam, uma vez que podem causar complicações maiores para o paciente e maior risco de morte.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana