conecte-se conosco

ARTIGOS

Ômar Souki – Meditação e longevidade

Publicado

Gary Small, no livro A ciência da longevidade (Editora Equilíbrio), sugere que a prática da meditação tem influência positiva na saúde e, conseqüentemente, na longevidade. As pessoas que param para respirar fundo, e contemplar, conseguem aumentar a sua atenção aos pensamentos, sentimentos e estados físicos. Com isso podem perceber quando já comeram o suficiente, por exemplo, e podem controlar o peso com mais facilidade. Quem tem o hábito de praticar o silêncio tem também mais facilidade de escutar os outros com atenção plena, o que melhora os relacionamentos. Se fossem somente esses os resultados da meditação, ela já seria altamente recomendável. Mas, os frutos dessa prática vão além.

Facilita a cura de doenças. Uma pesquisa mostrou que pacientes que ouviram uma fita de meditação durante um tratamento curaram-se quatro vezes mais rápido do que os pacientes que não meditaram. Small afirma que a meditação regular pode prolongar a vida. Mais de duzentos voluntários de meia-idade e idosos foram acompanhados durante oito anos. Todos apresentavam níveis moderados de hipertensão, doença que tende a se agravar com o estresse do dia-a-dia. Os que meditavam regularmente apresentaram uma taxa de mortalidade 23% menor que os demais. Mortes por doença cardiovascular foram 30% menos freqüentes, e as taxas de mortalidade de câncer foram 49% mais baixas naqueles que meditavam, em comparação com os que não adotavam essa prática. A meditação, ou oração silenciosa, conduz a estados de profundo relaxamento físico e mental. Ela não só nos traz uma sensação de tranqüilidade, como também altera a nossa fisiologia: taxas de respiração e batimentos cardíacos diminuem, a pressão sanguínea abaixa e os músculos se relaxam.

Leia mais:  Paiva Netto - Reflexão de Boa Vontade: Espírito, cérebro e comando

Em 2003 fui apresentado a uma forma de meditação chamada oração centrante. Fiz um retiro espiritual com Thomas Keating, um monge beneditino. Ele era o próprio resultado da prática da meditação, pois estava com mais de 80 anos e apresentava invejável vigor físico e disposição. Durante um fim de semana, Keating nos ensinou como silenciar a mente. O objetivo principal dessa prática era nos aproximar de Deus. Só conseguiríamos isso através do silêncio do coração. Um estado em que não prestamos mais atenção aos pensamentos. Deixamos que eles passem. Não os desenvolvemos. Não importa qual seja a natureza dos pensamentos. Sejam eles bons ou nem tão bons assim, a meta é não nos apegarmos a eles. Para isso usamos alguns recursos, entre eles a respiração. Ao esvaziarmos os pulmões imaginamos que estamos soprando uma vela. Com esse sopro também buscamos nos esvaziar de nossos medos, preocupações e culpas. Inspiramos a paz. Se os pensamentos insistirem, podemos recorrer à repetição de uma palavrinha: paz, luz, amor, etc. (a escolha é nossa). Quando a mente silencia paramos de recitar a palavra.

Quando iniciamos essa disciplina podemos nos frustrar porque, em geral, nossa mente está acostumada a ser dominada pelos pensamentos. São as culpas, mágoas e remorsos do passado e as preocupações, medos e ansiedades relativas ao futuro. É comum ver pessoas se consumindo devido a coisas que aconteceram a anos, ou se estressando por coisas que ainda não aconteceram. Não conseguiremos aumentar a nossa intimidade com Deus, nem no passado, nem no futuro, porque Deus vive no Presente. Deus é o Presente! Você já tentou respirar no passado? E no futuro? Apenas respiramos no presente, por isso podemos iniciar nossa rotina de meditação nos utilizando da respiração profunda. Soltando as mágoas, as culpas, as preocupações e os medos e inspirando a paz. Por mais frustrante que possa ser no início, essa disciplina trará resultados maravilhosos. O melhor de todos é o aumento de nossa intimidade com Deus. Ele, o Nosso Criador, sabe exatamente de que precisamos.

Leia mais:  Ômar Souki - A conquista da prosperidade

No momento da contemplação não é preciso fazer pedidos, pedir perdão ou fazer agradecimentos. A única necessidade que temos é a de escutar. Escutar a Deus! Essa escuta plena irá nos indicar o melhor caminho. Nas Sagradas Escrituras, antes de passar os seus mandamentos, Deus disse: “Escuta, Israel!”. Ao meditarmos estamos obedecendo a esse mandamento, ao mandamento da escuta. Nessa atitude contemplativa nos colocamos à disposição do Criador. Ele então nos orienta sobre qual é o melhor caminho a seguir. As orientações aparecem através de sentimentos, intuições, sonhos e até mesmo do encontro com pessoas que nos falam aquilo que precisávamos ouvir. Com essa prática, aumentamos o número de “coincidências” positivas. Vamos aos lugares certos, nos encontramos com as pessoas certas e realizamos as tarefas que realmente precisávamos realizar para o nosso bem e para o bem de todos.

Comentários Facebook
publicidade

ARTIGOS

Ômar Souki – Por que persistir?

Publicado

Ao pensarmos em persistência, em geral contemplamos algo relacionado a uma tarefa, empreendimento ou missão. Vamos persistir até conseguir. Raramente pensamos em persistência com relação à própria vida, isto é, não desistir de viver. Apesar de tudo—dos desafios familiares, das crises financeiras, das doenças incuráveis, das mudanças políticas, dos acidentes de percurso, dos desastres naturais—continuar a viver.  Mas muitos estão jogando a toalha. Esta é uma questão urgente: Por quê tantos estão desistindo da luta?

Oitocentas mil pessoas se mataram em 2017 no mundo. A projeção para 2019 é que esse número salte para 1 milhão! A cada 40 segundos uma pessoa se suicida no planeta. Só no Brasil foram 13 mil casos em 2017, sendo que 30 por cento não são notificados. O centro de valorização da vida (CVV) no Brasil irá fechar o ano de 2019 com cerca de 3 milhões de atendimentos de pessoas que entraram em depressão. Isso representa um aumento de 17 por cento com relação ao ano anterior.

A pessoa se vê em situação complicada e não consegue enxergar uma saída. Fica deprimida e se isola. Se não receber apoio, a ideia do suicídio se avoluma. A maioria das pessoas que se suicidam apresentam sintomas de depressão, que podem se originar devido a problemas financeiros, estresse social, crises familiares, perdas pessoais, abuso sexual, consumo de drogas, dor física (e ou emocional) e acontecimentos desastrosos (tais como guerras ou desastres naturais).

Leia mais:  Ômar Souki - Por que persistir?

Uma pesquisa realizada pela professora Jane Fruehwirth, da Universidade da Carolina do Norte, mostrou que um aumento na religiosidade de jovens diminui o risco de depressão. Observou que os efeitos da atividade religiosa são maiores para os indivíduos que apresentam os sintomas mais graves de depressão—os mais difíceis de tratar. Afirma que “há crescente corpo de evidências apoiando uma associação positiva entre religião e saúde mental”.

Para a psicóloga Judith Dipp, “a espiritualidade é uma dimensão estruturante da vida humana que precisa ser trabalhada desde a infância. A criança que cresce em sua dimensão espiritual, através de uma religião, de uma crença ou da fé em algo que a transcende, certamente terá uma vida mais repleta de sentido e mais consistente, o que pode lhe dar subsídios para enfrentar as crises de identidade e os vazios existenciais da adolescência”.  O padre Waldir Zanon Jr., de Curitiba, relata que já lidou com casos de jovens que superaram tendências suicidas pela fé: “Já atendi jovens que pensaram no suicídio… Com a experiência da fé, conseguiram realcançar o sentido da vida a partir da esperança de superar o problema pelo qual passavam”.

Leia mais:  Paiva Netto - Reflexão de Boa Vontade: Espírito, cérebro e comando

Um vídeo recente mostra o caso de Annelise Schulz, engenheira de software, de Brasília DF, que pensou em suicidar-se por três vezes e foi salva pela mãe. Eram períodos em que estava deprimida, sentindo profunda angústia. Relata que—apesar de saber que se matar não era a coisa certa—não via outra saída para o mal que lhe acometia. Sentia dificuldade em externar sua dor para os outros. Diz que, felizmente, todas as três vezes conseguiu lutar contra aquele desejo de morte e pedir socorro à mãe que a acolheu e buscou ajuda médica.

Resultados de pesquisas e relatos de experiências mostram que, quando a pessoa encontra um sentido para a vida, ela consegue encarar os desafios do dia-a-dia. Esse sentido é muitas vezes encontrado no apoio de uma pessoa ou no aprofundamento espiritual. Portanto, a persistência neste campo de batalha chamado vida vai depender dos companheiros de viagem e de nossa conexão com Alguém que é maior que nós: o Criador!

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana