conecte-se conosco


POLÍTICA

Mourão considera reprovação como “normal” e acredita em mudança de cenário

Publicado em

POLÍTICA

source
Vice-presidente, Hamilton Mourão
Agência Brasil

Vice-presidente, Hamilton Mourão

Nesta quinta-feira (18), o vice-presidente Hamilton Mourão , disse que a avaliação do governo do atual presidente Jair Bolsonaro é “normal”, considerando o momento complicado em que o Brasil passa e também a questão psicológica devido ao “abre e fecha” das atividades econômicas. As informações foram apuradas pelo Metrópoles. 

De acordo com o general, a situação pode ser revertida na medida que a vacinação vai avançando no país e também pelas novas parcelas do auxílio emergencial

“Isso é normal, nós estamos vivendo um momento difícil, a população sem poder trabalhar, dificuldades para a pessoa viver, especificamente, a questão psicológica pelo abre e fecha das atividades. Eu acho que isso reflete na popularidade do governo, mas pode ser revertida à medida que a gente avançar na vacinação, à medida que tiver agora esse auxílio emergencial. Então, pode ser revertido tudo isso”, ressaltou. 

O Brasil vive seu pior momento em ações voltadas para o enfrentamento do novo coronavírus. Segundo uma pesquisa liberada pelo Datafolha recentemente, o recrudescimento da pandemia teve impacto direto na avaliação de Bolsonaro e da gestão de seu governo na saúde. O desempenho do presidente é visto como péssimo ou ruim por 54% dos entrevistados. Outros 43% o culpam pelo estágio em que país se encontra na pandemia. 

Leia mais:  Assédio na Alesp: Cury é salvo de punição severa pelo Conselho de Ética

“Tudo é uma questão de momento. Vamos lembrar que na eleição anterior o presidente perdia no 2º turno até para o pato Donald se ele aparecesse para competir”, disse Mourão sobre as pesquisas. 

O vice-presidente ainda foi questionado sobre a questão do auxílio emergencial, ele disse não ter informações sobre quando o anúncio será formalmente feito e declarou que “esse assunto não passa por mim”.  A volta do auxílio é uma das apostas do governo federal para reverter essa má avaliação da população. É esperado que o presidente entregue pessoalmente documento que explica as medidas provisórias e detalhamentos do pagamento. 

A medida provisória irá pagar somente um integrante por família, segundo informações do Ministério da Cidadania . Famílias com mais de uma pessoa e que não são chefiados por uma mulher, tem direito a um auxílio de R$ 250. Já as mulheres chefes de família monoparental receberão um valor de R$ 375. De acordo com o governo, o pagamento das quatro parcelas deve começar em abril. 

Leia mais:  Kassio Nunes afirma que há "pacificação social" sobre direitos LGBT no STF

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Arthur do Val pede o impeachment de Bolsonaro por falta de kit intubação

Publicados

em

Por

source
Deputado federal Arthur do Val
Divulgação/Assembleia Legislativa de São Paulo

Deputado federal Arthur do Val

O deputado estadual Arthur do Val (Patriotas), conhecido como Mamãe Falei , protocolou nesta sexta-feira (16) um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por conta da falta de kit intubação no estado de São Paulo. O pedido se sustenta nos requerimentos do governo solicitando medicamentos ao Ministério da Saúde , que não foram entregues.

“Desde o começo do ano de 2021, quando começou a faltar medicamentos do kit intubação, o Estado de São Paulo enviou diversos ofícios ao Ministério da Saúde pedindo ajuda. Tais ofícios não foram sequer respondidos. Quando finalmente o Estado de São Paulo estava em vias de conseguir os kits, a União, a mando do presidente da República, age de forma desleal, desafiando a decisão do STF e induzindo o sistema de saúde paulista ao colapso, tudo com o único propósito de satisfazer os delírios do presidente da República”, diz trecho do documento apresentado à Câmara.

No texto, o deputado sustenta que e “é crime de responsabilidade ‘intervir em negócios peculiares aos Estados ou aos Municípios com desobediência às normas constitucionais’. Evidentemente, houve uma intervenção na administração paulista, cujos esforços e planejamento na área da saúde ficaram totalmente desestruturados”.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana