conecte-se conosco

CIÊNCIA E SAÚDE

Minas sediará fundo de US$ 1 bi para investimentos em saneamento no estado e no país

Publicado

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, participou, nesta quinta-feira (7/11), do anúncio da criação de um Fundo de Impacto Social Brasil-China, sediado em Belo Horizonte. O fundo será composto pelas empresas ONE Comprador LLC, dos Estados Unidos, e a Comprador Limited, localizada em Hong Kong. O objetivo é combinar negócios e recursos chineses e brasileiros para investimentos em infraestrutura, por meio do licenciamento de tecnologia avançada e exportação de equipamentos da China. Uma carta de intenção, definindo a criação do fundo, foi assinada durante a realização do Pré BRICS Summit – Minas Gerais, na sede do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG).

O fundo, que será lançado no início de 2020, financiará cerca de US$ 1 bilhão em projetos de saneamento, oferecendo sistemas de tratamento de águas residuais de fornecedores chineses que poderão alugar equipamentos para empresas de água em Minas Gerais e outros estados brasileiros. O fundo pretende gerar investimentos estratégicos de capital para viabilizar os projetos, incluindo participações em privatizações e aquisição de empresas privadas.

Leia mais:  Prefeito Anderson participa de reunião de lançamento oficial do Projeto de Castração de Cães e Gatos de Iturama

Durante encontro com os investidores e também com empresas chinesas que estão na capital mineira, o governador ressaltou a importância da medida para o Estado e salientou a combinação benéfica entre o uso da tecnologia chinesa e a mão de obra local.

Já o presidente do BDMG, Sérgio Gusmão, ressaltou que o banco é uma plataforma de mobilização de recursos e que apoiou a articulação para a criação desse fundo.

O cofundador da ONE Comprador LLC, Rodrigo Veloso, afirmou que os problemas de infraestrutura, mobilidade e saúde pública, enfrentados pelo Estado e pelo país nos últimos anos, podem ser corrigidos com o uso dessa tecnologia internacional.

“Observei que o governador Romeu Zema pensava de maneira arrojada, preocupado em melhorar a vida dos cidadãos. Com a boa tecnologia é possível solucionar deficiências de infraestrutura e social. Animado com o pensamento do governador e do presidente do BDMG, abracei a ideia de criar um fundo de impacto social. A ONE Comprador trouxe para o evento várias empresas de tecnologia industrial chinesa para apresentar inovadoras técnicas de saneamento de água, energia solar e construção. Com essas empresas pretendemos manter parcerias”, pontuou Veloso, ao lado do fundador e CEO da Comprador Limited, Anthony Steains.

Leia mais:  Jararaca é capturada pelo Bombeiros em cozinha de residência em Ituiutaba

Mercado

O Brasil representou mais de 50% do PIB da América do Sul em 2018. No entanto, seu desenvolvimento econômico tem sido dificultado por deficiências significativas de infraestrutura na higienização da água, no transporte urbano e interurbano e na energia limpa. A China desenvolveu uma classe mundial de infraestrutura, desde o início de sua reforma econômica em 1978. Esta transformação criou inúmeras empresas estatais e privadas que têm capacidades líderes em Engenharia, Tecnologia e execução no tratamento de água, geração de energia limpa e transporte.

Também participaram da assinatura o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Otto Levy; e o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe.

Por Agência Minas

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

Primeira morte em investigação por dengue de 2020 no Triângulo Mineiro é registrada em Iturama

Publicado

O Triângulo Mineiro registrou os primeiros casos de dengue com sinais de alerta e grave em 2020. A região tem ainda a primeira morte investigada por dengue em 2020. As informações são do Boletim Epidemiológico divulgado nesta terça-feira (28) pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG).

O primeiro óbito em investigação por dengue na região ocorreu em Iturama. O município também registrou o primeiro caso grave da doença no Triângulo em 2020. A cidade tem 18 casos prováveis de dengue, com incidência baixa, conforme o relatório da SES-MG.

G1 tentou contato com a assessoria de imprensa da Prefeitura de Iturama, mas as ligações não foram atendidas. Segundo a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Uberaba, que gerencia Iturama, os casos são distintos, ou seja, a morte investigada não se refere ao paciente que teve registro de dengue grave.

A região tem três casos de dengue com sinais de alerta. Dois estão em Uberlândia e o outro em Uberaba. O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Uberlândia e aguarda retorno.

Já a prefeitura de Uberaba informou que, frente aos resultados do primeiro Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020, a Secretaria Municipal de Saúde segue com o Mutirão de Limpeza pelos bairros de Uberaba. A pasta também afirmou que já solicitou ao Estado a liberação e a aplicação de inseticida (fumacê).

Segundo o diretor de Vigilância em Saúde de Uberaba, Robert Boaventura, apesar de ainda não aparecer no boletim da SES-MG, a cidade investiga um caso de morte suspeita por dengue. Ele esclareceu que, independente do resultado, os agentes de endemias da Zoonoses já fizeram o bloqueio na residência da paciente.

Sinais de alarme

Segundo a SES-MG, é classificado como dengue com sinais de alarme todo caso de dengue que, no período após a febre, apresenta um ou mais sinais de alarme, que são dor abdominal intensa e contínua, ou dor a palpação do abdômen; vômitos persistentes; acumulação de líquidos (ascites, derrame pleural, pericárdico); sangramento de mucosas; letargia ou irritabilidade; hipotensão postural (lipotímia); hepatomegalia maior do que 2 cm; e aumento progressivo do hematócrito.

Leia mais:  Jararaca é capturada pelo Bombeiros em cozinha de residência em Ituiutaba

Incidência

As cidades das regiões Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste têm incidência silenciosa, baixa ou média, segundo o boletim da SES-MG. Os municípios que já registram incidência média são Carneirinho, Centralina, Grupiara, Ipiaçu, Monte Alegre de Minas, Pirajuba e Veríssimo.

Uberlândia

Uberlândia é a cidade com maior número de casos prováveis de dengue da região. São 196. São quase 80 novos casos, já que no último boletim o município estava com 119 casos da doença. Apesar disso, a incidência é considerada baixa.

Uberaba

Já Uberaba, com 97 casos prováveis, tem a terceira maior quantidade da área. São 75 novos casos no município, que apresentava 22 casos no último boletim divulgada. A cidade também está com incidência baixa.

Ituiutaba

Ituiutaba apresenta 41 casos prováveis de dengue. São 34 novos registros, já que a cidade tinha sete casos na última semana. A incidência da doença é baixa.

Patos de Minas

A cidade do Alto Paranaíba é a segundo com maior casos prováveis da doença entre as regiões: 112. São 14 casos novos em relação ao último boletim, quando Patos de Minas registrou 98 casos. O município também apresenta incidência baixa de dengue.

Araxá

Em Araxá, no Alto Paranaíba, há 15 casos prováveis de dengue, três novos em relação à última semana. A cidade está com incidência baixa da doença.

Paracatu

O município do Noroeste de Minas registou 12 casos prováveis de dengue a incidência é baixa. Na última semana, a cidade não tinha nenhum caso e a incidência era silenciosa.

Leia mais:  Após temporal, BH entra em alerta de risco geológico

Óbitos por dengue

Em 2020, nenhuma morte por dengue foi confirmada no Triângulo, Alto Paranaíba e Noroeste de MG. Já ao logo do ano passado, 17 cidades tiveram óbitos pela doença confirmados, totalizando 56 ocorrências.

As cidades são: Uberlândia (21), Patos de Minas (6), João Pinheiro (6), Uberaba (2), Araguari (3), Patrocínio (3), Frutal (2), São Gotardo (2), Vazante (2), Estrela do Sul (1), Ibiá (1), Ituiutaba (1), Monte Carmelo (1), Rio Paranaíba (1), Sacramento (1), Tupaciguara (1), Carneirinho (1) e Paracatu (1).

Minas Gerais

Até o momento, os dados da SES-MG indicam que Minas Gerais tem 4671 casos prováveis de dengue em 2020. No estado, neste ano, há quatro óbitos por dengue em investigação: um em Iturama, no Triângulo Mineiro; um em Campo Belo, no Sul de Minas; um em Além Paraíba, na Zona da Mata; e um em Medina, no Vale do Jequitinhonha. Nenhuma morte foi registrada neste ano em MG.

Chikungunya e zika

Sobre a Febre Chikungunya, foram registrados no estado 82 casos prováveis de chikungunya em 2020, sendo um caso em gestante. No ano passado, 2.823 casos prováveis de chikungunya foram registrados e houve um óbito pela doença em Patos de Minas.

Com relação à Zika, neste ano, registrados 34 casos, sendo três em gestantes. Em 2019, foram 705 casos prováveis, sendo 163 em gestantes.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana