conecte-se conosco


Tecnologia

Microsoft lançará smartphone de tela dupla a US$ 1.399

Publicado em

Tecnologia

Microsoft disse nesta quarta-feira que o Surface Duo, seu smartphone de tela dupla e com sistema operacional Android, terá preço inicial de US$ 1.399 e chegará às lojas a partir de 10 de setembro.

O Surface Duo é dobrável como um livro. Ao contrário de dispositivos como o Galaxy Z Fold 2, da Samsung, que usa vidro especial flexível para criar uma única tela, o Duo tem duas telas tradicionais separadas por uma dobradiça, mas conectadas para funcionarem juntas.

Em entrevista a jornalistas antes do anúncio do Surface Duo, executivos da Microsoft descreveram o telefone como uma ferramenta para trabalhar com seus aplicativos de produtividade, de maneira semelhante ao uso de dois monitores em computadores de uso corporativo.

Microsoft Surface Duo — Foto: Divulgação

Microsoft Surface Duo — Foto: Divulgação

No aplicativo de mensagens Teams, por exemplo, um chat de vídeo ocupa uma tela enquanto a outra exibe as mensagens. No Outlook, clicar em um link no corpo de um email abre o link na tela oposta, para que o usuário possa continuar lendo ou respondendo ao email.

Leia mais:  Instagram remove filtros de 'cirurgia plástica' da rede social

“Não estou tentando reinventar o telefone”, disse Panos Panay, diretor de produtos da Microsoft, a repórteres. “Mas acredito que esta é a melhor maneira de fazer as coisas.”

A tela dupla também permite uso simultâneo de aplicativos que não são da Microsoft, como a execução das redes sociais Twitter e Instagram lado a lado. Panay disse que uma das combinações favoritas do presidente-executivo da Microsoft, Satya Nadella, era usar o aplicativo Kindle, da Amazon, para ler livros enquanto fazia anotações com uma caneta no aplicativo OneNote na outra tela.

Microsoft Surface Duo — Foto: Divulgação

Microsoft Surface Duo — Foto: Divulgação

Panay disse que a Microsoft escolheu o sistema operacional do Google porque ele dá aos usuários acesso ao grande ecossistema de aplicativos móveis do Android. “Ter a Play Store é fundamental”, disse ele.

O dispositivo não tem conectividade 5G e só está disponível nos Estados Unidos no lançamento. A Microsoft não deu prazo para outros mercados.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Banco do Brasil libera uso do PIX em seu bot para WhatsApp

Publicados

em

Aproveitando a boa recepção do público, o Banco do Brasil se tornou a primeira instituição financeira do país a liberar o uso do PIX pelo WhatsApp. A novidade foi anunciada nesta semana e funciona de forma relativamente simples.

O usuário só precisa chamar o Banco do Brasil no WhatsApp (61 4004-0001), cadastrar sua conta e escrever a palavra PIX. Após isso, o mensageiro deve exibir um menu com as opções de pagar, receber ou cadastrar chave PIX.

Imagem/Reprodução: mobiletime

O bot usado pelo Banco do Brasil foi anunciado no ano passado e já faz uma série de outras operações. Caso o usuário já tenha se cadastrado no PIX, o uso da ferramenta no WhatsApp é ainda mais fácil:

Em casos de pagamento, o assistente virtual deve solicitar a chave PIX do recebedor e o valor. O banco deve informar o nome e a instituição de destino para confirmar a transação. Caso tudo esteja certo, basta apenas responder “sim” para receber um link seguro onde será necessário digitar a senha. Após essa etapa, o comprovante é exibido no mensageiro e pode ser compartilhado.

Caso o usuário queira receber, basta apenas escolher a opção no menu e informar a chave de recebimento, valor e descrição. Assim, o WhatsApp deve exibir um QR Code para ser compartilhado com o pagador. Vale lembrar que o Banco do Brasil é parceiro do sistema de pagamentos do WhatsApp, que ainda não foi liberado pelo Banco Central.

Leia mais:  Inspirada no pai, pesquisadora da UFU desenvolve dispositivo para treinamento de usuários de cadeiras de rodas motorizadas

FONTE: https://www.tudocelular.com/mercado/noticias/n166485/banco-do-brasil-pix-whatsapp-bot-pagamentos.html

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana