conecte-se conosco


POLÍTICA

Lira x Rossi: relembre fatos que marcaram a eleição para presidência da Câmara

Publicado

source

Com o  apoio do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Arthur Lira (PP-AL) chega a disputa para a presidência da Câmara com o maior bloco na composição partidária. Seu bloco reúne 11 siglas e 255 deputados. Já o de  Baleia Rossi (MDB-SP) tem 10 legendas, totalizando 209 parlamentares.

Lira, no entanto, começou a corrida pela presidência com um bloco bem menor. Ao longo do tempo, mostrou habilidade para conquistar novos apoios e minar o grupo adversário.

A última cartada foi na Executiva Nacional do DEM, partido do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ). Na noite de domingo, a legenda anunciou a ruptura com o bloco de Rossi (MDB-SP) na Casa. Maia é o principal fiador da candidatura do emedebista.

Relembra abaixo as disputas e brigas dos últimos meses:

Lira articula candidatura

O desejo de Arthur Lira (PP-AL) de ser o representante do presidente Jair Bolsonaro e do centrão à presidência da Câmara veio bem antes das definições no grupo de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Em novembro, Lira já era chamado por “candidato do Planalto” por deputados e aliados do presidente. O deputado contava com o trunfo de influenciar na liberação e destinação de verbas dos pares no Congresso.

Veto à reeleição de Maia

A decisão do STF em rejeitar a possibilidade de reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP), em dezembro de 2020, deixou a disputa aberta nas duas casas. Com a recondução barrada, as siglas ganharam poder de negociação para escolher um outro nome. Enquanto o grupo de Arthur Maia (PP-AL) tentava ampliar o leque de apoios, o grupo do presidente da Câmara buscava um representante para a disputa.

Lira negocia no varejo

Arthur Lira (PP-AL) se lança oficialmente candidato com o PL, PP (seu próprio partido), PSD, Solidariedade e Avante. Depois, ganhou também o apoio do Republicanos. Ao todo, eram 166 deputados. Mas, durante o processo, ganhou não apenas o apoio formal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como também espaço para barganhar votos indevidamente com os deputados em troca de emendas e cargos no Executivo.

A escolha por Rossi

Com a impossibilidade de Maia disputar a reeleição, restou ao seu grupo a escolha de um candidato. Agnaldo Ribero (PP-PB), Luciano Bivar (PSL-PE), Elmar Nascimento (DEM-BA) e Baleia Rossi (MDB-SP) lutaram pela indicação, mas Baleia foi o escolhido pelo bloco, até aquele momento com 11 partidos, o equivalente a 240 votos. Um deles era o PSL que viria a rachar semanas depois.

Leia mais:  "Tá com medinho do vírus?", diz Jair Bolsonaro ao debochar de governadores

PSL abandona Rossi

A divisão do PSL indicou o que viria a ser a disputa entre Lira e Rossi por apoios. Apesar de integrar oficialmente o bloco de Rossi, um grupo de deputados da legenda já articulavam apoiar Lira, contra a orientação do partido. Mas, em 21 de janeiro, a sigla passou a integrar oficialmente o bloco do deputado do PP na disputa pela presidência da Câmara. A reviravolta foi possível graças à adesão de mais quatro parlamentares a um grupo inicial de 15 deputados dissidentes do PSL favoráveis à candidatura de Lira.

Com isso, essa ala conseguiu 19 assinaturas, o que formou maioria em relação à bancada atual da legenda na Câmara, que tem 36 parlamentares.

Lira passa a ter maior bloco

A mudança de lado oficialmente do PSL e o apoio do Podemos ao grupo de Lira fez com que ele tivesse o maior bloco na disputa da Câmara, superando pela primeira vez seu adversário, Baleia Rossi (MDB-SP). Protocolado na Câmara, o bloco de Lira superava o do adversário e passou a contar com o apoio de 11 partidos, que somam 259 deputados: PSL, PL, PP, PSD, Republicanos, PTB, PROS, Podemos, PSC, Avante e Patriota.

Você viu?

Governo tira cargos

Na reta final da campanha para a presidência da Câmara, o governo federal deu início a retaliações e retirou cargos de deputados aliados a Baleia Rossi (MDB-SP), candidato com discurso de independência do Planalto. A ideia era pressionar para que parlamentares votem em Arthur Lira (PP-AL), aliado do presidente Jair Bolsonaro. Deputados relataram ao GLOBO terem sido informados que indicados seus em postos na administração federal foram exonerados nos últimos dias.

Ramos interfere na disputa

Com a disputa cada vez mais apertada e avanço das negociações do grupo de Lira, Rodrigo Maia (DEM-RJ) chegou a ligar para o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, para reclamar da atuação do governo. Maia se queixa de que o Palácio do Planalto está interferindo para garantir a eleição do deputado governista Arthur Lira (PP-AL).

O ministro tentava criar um racha dentro do DEM, partido de Maia. Ao GLOBO, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) afirmou que recebeu uma ligação do ministro para que concedesse sua assinatura aos dissidentes da legenda. Segundo um outro parlamentar do DEM ouvido pelo GLOBO, o governo está empenhado em “desmoralizar” Maia ao montar uma força-tarefa para rachar o partido.

DEM libera bancada

A um dia da eleição, o DEM, partido do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ), decidiu abandonar o bloco do candidato apoiado por ele , deputado Baleia Rossi (MDB-SP), na disputa pelo comando da Casa. Em nota, a sigla anunciou que vai liberar a bancada na votação. A definição foi tomada “pela unanimidade dos membros da Executiva, visando a preservação da unidade partidária”.

Ao GLOBO, o líder da bancada, Efraim Filho (PB), afirmou que ele e o presidente da sigla, ACM Neto, fizeram uma “avaliação de cenário” e concluíram que a independência seria o melhor encaminhamento neste momento. O movimento foi visto como um enfraquecimento do bloco de Rossi, avalizado por Maia.

Maia ameaça impeachment

Ao ser informado que o seu partido, o DEM, deixaria o bloco de Baleia Rossi (MDB-SP) na disputa pelo comando da Câmara, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (RJ), disse no domingo que poderia abrir um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro .

Segundo um deputado que estava na reunião, em um momento tenso, Maia disse que não aceitaria a interferência do governo no próprio partido. Ele chegou a dizer que não teria outra opção, a não ser abrir um dos processos de impeachment que estão em sua mesa contra Bolsonaro.

De acordo com outro deputado, Maia argumentou que não veria o governo “comprar” colegas de partido, ao oferecer fatias do orçamento e verba às bases de deputados, sem fazer nada. Indicou que isso seria crime de responsabilidade.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Advogados tentam suspender decisão que afastou Flordelis do cargo de deputada

Publicado

por

source
Defesa tenta evitar a perda do mandato de deputada federal
Reprodução/Câmara dos Deputados

Defesa tenta evitar a perda do mandato de deputada federal



A defesa de Flordelis dos Santos de Souza entrou com recurso na 2aª Câmara Criminal do Rio, na tarde dessa terça-feira, contra decisão que determinou o afastamento da pastora do cargo de deputada federal . Os advogados solicitaram, ainda, que a determinação de afastamento seja suspensa até o julgamento do recurso. Flordelis é ré, acusada de ser mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo.

Os advogados Anderson Rollemberg e Maurício Mayr entraram com um Recurso Especial, endereçado do Superior Tribunal de Justiça, no qual argumentam que a atribuição para afastar Flordelis do cargo deveria ser da Câmara dos Deputados, e não do Poder Judiciário. Eles ainda frisam que a parlamentar já responde a um processo disciplinar no Conselho de Ética e Disciplina da câmara, que pode culminar com a perda de seu mandato.

Leia mais:  "Tá com medinho do vírus?", diz Jair Bolsonaro ao debochar de governadores

Você viu?

A petição foi apresentada à 2ª Câmara Criminal, que decidirá se o recurso satisfaz as condições necessárias para ser encaminhado ao STJ . Em seguida, o julgamento do mérito caberá ao tribunal superior.

A defesa também entrou, nessa terça-feira, com um Recurso Extraordinário que também deverá ser encaminhado ao Supremo Tribunal Federal. Esse recurso, no entanto, só será julgado após a decisão do STJ e caso o tribunal negue o pedido feito pelos advogados.

No último dia 23, os desembargadores da 2ª Camara Criminal do Rio decidiram afastar Flordelis de qualquer função pública, incluindo o cargo de deputada federal. O pedido foi feito pelo Ministério Público estadual do Rio, sob argumentação de que a parlamentar poderia interferir em seu julgamento no processo criminal na qual é acusada de ser mandante da morte do marido.

O desembargadores decidiram pelo afastamento até que Flordelis seja julgada no processo criminal respondido por ela na 3ª Vara Criminal de Niterói. O afastamento não poderá durar mais de um ano. Os magistrados ainda determinaram que a decisão seja submetida ao plenário da Câmara dos Deputados para que os parlamentares decidam se mantém a suspensão das funções públicas.

No dia seguinte ao julgamento, a Justiça do Rio notificou a Câmara dos Deputados sobre a decisão de afastamento, mas ainda não há previsão para que seja julgada a manutenção do afastamento de Flordelis .

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana