conecte-se conosco


POLÍTICA

Líder do governo na Câmara resiste a possível convite para Saúde, diz jornalista

Publicado

source
Deputado federal Ricardo Barros (PP-PR)%2C líder do governo na Câmara
Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, resiste a um possível convite para substituir o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello . O parlamentar é um dos principais cotados para substituir o militar à frente da pasta. A informação é do colunista Chico Alves, do portal UOL .

Barros é visto com bons olhos principalmente pela ala militar do Palácio do Planalto. Ao ser questionado sobre a possibilidade de assumir o cargo, o deputado disse: “Mas eu não”.

Nos últimos meses Pazuello tem sofrido uma série de desgastes em meio à pandemia da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Por isso, há expectativa de que ele seja demitido após o início da aplicação das vacinas .

Um dos primeiros foi quando ele foi desmentido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a garantia de que o governo federal compraria qualquer imunizante contra a doença.

Leia mais:  Zambelli rebate Doria: "menos marketing e mais trabalho"

Na ocasião, Bolsonaro ficou descontente com a possibilidade de compra da CoronaVac , vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan , que é ligado ao governo estadual de João Doria (PSDB), principal adversário político do presidente para as eleições de 2022.

Em um episódio mais recente, Pazuello foi alvo de críticas por testes da Covid-19 que estavam represados em um galpão no aeroporto de Guarulhos. Os itens, que estão em falta nos estados e municípios,  perderiam a validade entre dezembro do ano passado e janeiro deste ano, mas tiveram o prazo estendido .

Por último, o general tem sido criticado pelo fracasso na compra de agulhas e seringas para garantir a imunização da populaçã o quando uma vacina da Covid-19 for aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Leia mais:  STF pede que PGR se manifeste sobre foro privilegiado de Flávio Bolsonaro

No dia 29 de dezembro, o Ministério da Saúde conseguir comprar garantir apenas 7,9 milhões desses itens, o que corresponde a 2,4% do total previsto no contrato de aquisição. A quantidade total era de 331 milhões de unidades.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Mandetta ironiza decisão do governo comprar vacinas: “Antes tarde do que nunca”

Publicado

por

source
Ex-ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM)
Reprodução: iG Minas Gerais

Ex-ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM)

Luiz Henrique Mandetta , ex-ministro da Saúde, demitido do cargo em abril de 2020, ironizou nesta quarta-feira (3) a situação do governo federal, que anunciou que irá adquirir doses das vacinas da Pfizer e da Jansen.

Seis meses depois de oferecer cerca de 70 milhões de doses de imunizantes, o governo federal deve, enfim, adquirir as vacinas da Pfizer contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2). A informação foi confirmada pelo ministro da saúde, Eduardo Pazuello.

Poucos minutos depois, Mandetta usou as redes sociais para ironizar a compra das vacinas, em um momento onde os resultados econômicos e referentes à pandemia são negativos.

Citando “recessão e falsos dilemas econômicos”, Mandetta se pronunciou. Confira o tuíte:

Desde que foi demitido da pasta, por discordâncias ideológicas com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Mandetta vem se manifestando contra ações governamentais. 

Na última terça, quando o Brasil registrou mais de 1700 mortes em decorrência da Covid-19 , o médico alertou que  “Se voltar tudo ao normal, acontece uma Manaus generalizada no Brasil”, e que a falta de ação do governo “não é solidário com as famílias”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana