conecte-se conosco

POLÍTICA

Joice Hasselmann chora ao relatar reação dos filhos a ameaças

Publicado

source
Joice Hasselmann arrow-options
Reprodução/ Twitter

Após discurso, parlamentares da oposição apoiaram a deputada do PSL.

A deputada federal Joice Hasselamann (PSL-SP) fez um discurso emocionado nesta terça-feira, na tribuna da Câmara dos Deputados, sobre os ataques e ameaças que têm recebido nas redes sociais. Ao receber a solidariedade de parlamentares de vários partidos, até mesmo da oposição, ela disse que reagiria e identificaria “um por um” para que respondam pelos seus atos na Justiça. A deputada também chorou ao relatar os xingamentos e a reação de seus filhos às ameaças.

Leia também: Lindbergh Farias tem direitos políticos suspensos por improbidade

Joice Hasselmann passou a ser qualificada como “porca”, “gorda” e outros termos ofensivos após decidir apoiar a manutenção de Delegado Waldir (PSL-GO) na liderança do PSL na Câmara. Com isso, foi destituída do cargo de líder do governo no Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro, que queria seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), no posto ocupado por Waldir.

“Foi a primeira vez que eu me senti vítima do mais sujo machismo”, disse Joice sobre os xingamentos nas redes sociais. Na tribuna, ela disse que o pior momento ocorreu quando seus dois filhos, adolescentes, perguntaram por que perfis nas redes sociais insistiam em chamá-la de “porca”.  “Não quero uma direita estúpida que odeie as pessoas”, disse a deputada .

Leia mais:  PT processa dono da Havan por faixas chamando Lula de "cachaceiro"

Joice disse ainda que Jair Bolsonaro precisa reconhecer seus erros e que a República não pode ser uma “filhocracia”. Ela afirmou que vai apresentar uma representação contra Eduardo Bolsonaro no Conselho de Ética da Câmara e acioná-lo na Procuradoria-Geral da República por ataques a sua honra. “Eu acumulei mais de 700 páginas de provas”, pontuou.

Leia também: Novo AI-5: Partidos denunciam Eduardo Bolsonaro ao Conselho de Ética

Além de ter sido xingada, a deputada do PSL diz ter sofrido ameaças de morte. Segundo ela, antes de dar uma entrevista ao programa Roda Viva, recebeu um e-mail com o alerta de que “não sairia viva” da TV Cultura se participasse do programa. “Qual foi o meu crime? Discordar uma única vez. Discordar de um golpe, do meu presidente. Eu discordei por ele se apequenar (…) Ele não é Deus, é um homem. E homem falha”, disse Joice.

Ex-líder do PSL , Delegado Waldir elogiou a conduta de Joice e atacou o governo. “Ninguém sabe quanto foi pago para essa reforma da Previdência passar. Muita coisa foi omitida. O tempo vai dizer quem fala a verdade” disse Waldir, que acrescentou: “Hoje, eu e você somos hienas”. 

Leia mais:  Por divergências com Aras, coordenador da Lava Jato na PGR pede demissão

Alice Portugal (BA), do PCdoB, também prestou solidariedade. “Ninguém tem o direito de te atingir por ser mulher” disse. Apesar de ter sido alvo três vezes da Lei Maria da Penha, Julian Lemos (PSL-PB), adversário de Bolsonaro na disputa interna do partido, também se pronunciou:  “Nunca houve tamanho machismo”.

Leia também: Gilmar Mendes será relator de ação contra Eduardo por “novo AI-5” 

Após receber apoio de diversos parlamentares, Joice terminou o discurso afirmando que recorrerá à Justiça.  “Aqueles que usam esse expediente são bandidos. Buscarei a retratação de todos, um por um”, afirmou a deputada.

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Feliciano chama Bebianno de político Big Brother, que rebate: “Explorador de fé”

Publicado

por

source
Marco Feliciano (sem partido) e Gustavo Bebianno (PSDB) arrow-options
Montagem

Marco Feliciano (sem partido) e Gustavo Bebianno (PSDB)

O pastor e deputado federal, Marco Feliciano (sem partido), chamou o ex-Secretário-Geral Gustavo Bebianno (PSDB) de “político Big Brother”, na noite deste domingo (26).

Leia também: Passageiro “desaparece” em corrida e mensagem desesperada de motorista viraliza

O comentário de Feliciano, que é defensor de Bolsonaro, ocorreu após o tucano ter criticado o presidente pela forma que tratou o ministro Sérgio Moro nos últimos dias — com a possibilidade de separar o Ministério da Justiça e Segurança Pública. 

Bebianno rebateu ao comentário, afirmando que o pastor “é daqueles que exploram a fé alheia e misturam religião com política, apenas para se locupletar (enriquecer)”, disse ao colunista Chico Alves do UOL , nesta segunda-feira (27).

Bebianno foi demitido do governo Bolsonaro logo no início do ano passado, em fevereiro de 2019, participando da gestão por menos de dois meses. Após sair de seu cargo, ele passou a ter um posicionamento crítico ao presidente, desagradando à base bolsonarista, da qual Feliciano faz parte. 

Leia mais:  Moro vê como 'positiva' decisão de Toffoli de adiar medida do juiz de garantias

“Ele é político BigBrother. Começou achando que era o dono do pedaço, surtou com a fama, fez intriga com meio mundo, foi descoberto e mandado para fora da casa. Depois de um tempo, ninguém mais sabe quem é! Oh, vida cruel!”, publicou Marco Feliciano em sua conta de Twitter.

Leia também: Adolescente morre e outros quatro são internados após beberem “loló”

“Pastor Feliciano é aquele petista de carteirinha que vivia adulando a presidente Dilma, e que agora bajula os Bolsonaro? Aquele que buscou a aprovação do projeto da ‘cura gay’?”, afirmou Bebianno. “Vive envolvido em escândalos grotescos, tal como o tratamento odontológico de R$ 157 mil com dinheiro público e aquela história enrolada com a Patrícia Lelis”.

Leia mais:  Bolsonaro: Governo deve enviar proposta de excludente de ilicitude em GLO hoje

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana