Menu

Ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado é preso em operação da Polícia Federal

Ex-prefeito de Uberlândia Gilmar Machado é preso em operação da Polícia Federal

O ex-prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado, foi preso na manhã desta quinta-feira (12) durante a Operação “Encilhamento” da Polícia Federal (PF). De acordo com as informações preliminares, as investigações apuram irregularidades envolvendo a aplicação de recursos de institutos previdenciários em fundos de investimento. Na cidade, além do ex-prefeito, outras três pessoas foram presas incluindo o ex-superintendente do Instituto de Previdência Municipal de Uberlândia (Ipremu), Marcos Botelho.

As investigações, que contaram com o apoio da Secretaria de Previdência (SPREV), levam em consideração desvios bilionários em diversos municípios. Ao todo são cumpridos 60 mandados de busca e apreensão e 20 mandados de prisão temporária. São investigados 13 fundos de investimento em São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso, Santa Catarina e Goiás.

O G1 tenta contato nesta manhã com a defesa dos envolvidos.

A apuração começou em Uberlândia e, de acordo com a PF, há a indicação de envolvimento de uma empresa de consultoria contratada pelos institutos de Previdência e elementos que apontam para corrupção de servidores ligados a alguns deles.

No 2º semestre de 2016 foi constatada a existência de R$ 827 milhões em apenas oito destes fundos. O dinheiro, ainda segundo a PF, seria destinado ao pagamento das aposentadorias dos servidores municipais.

Os investigados vão responder por crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, fraude a licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro, com penas que variam de dois a 12 anos de prisão, de acordo com a PF em Uberlândia.

 Marcos Botelho, ex-superintendente do Ipremu, foi ouvido durante CPI na Câmara de Uberlândia (Foto: Valéria Almeida/G1)

Marcos Botelho, ex-superintendente do Ipremu, foi ouvido durante CPI na Câmara de Uberlândia (Foto: Valéria Almeida/G1)

 

Irregularidades no Ipremu

O instituto de Uberlândia já foi alvo de outras investigações do Ministério Público Estadual (MPE) e da Câmara Municipal, que instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito no ano passado.

Ainda não há informações se a operação da Polícia Federal tem ligação com essas denúncias anteriores. A CPI dos vereadores concluiu que houve ilegalidade em diversos investimentos feitos em fundos considerados de alto risco, durante a gestão de 2013 a 2016, uma vez que as aplicações foram feitas sem a devida qualificação de "investidor qualificado ou profissional" conforme previsto em lei.

Do total das aplicações efetuadas, cerca de R$ 348,6 milhões estavam alocados em mais de 20 fundos de investimento e, desses, já houve perda total ou parcial dos recursos. Ao final, a comissão enviou um relatório para a Polícia Federal e a Promotoria de Justiça para que analisassem todos os documentos e tomassem as devidas providências.

Gilmar e o ex-secretário de Finanças do Município, Carlos Diniz, respondem por um processo de improbidade administrativa devido aos problemas envolvendo o Ipremu.

voltar ao topo
Info for bonus Review bet365 here.