Menu

USP testa uso de bactéria que pode ampliar produção de soja e milho com menos fertilizantes

USP testa uso de bactéria que pode ampliar produção de soja e milho com menos fertilizantes

Um estudo desenvolvido pela Universidade de São Paulo (USP) em Piracicaba (SP) mostra que a aplicação de uma bactéria no plantio de milho e soja pode aumentar a produção desses grãos e reduzir o uso de fertilizante para produzi-los.

“Nós conseguimos melhorar a biomassa tanto do milho quanto da soja e observamos que a bactéria tem um potencial de incremento de produtividade nesses grãos ”, diz a doutora em Genética de Micro-Organismos, Bruna Durante Batista, que realizou a pesquisa sob orientação dos professores João Lucio de Azevedo e Maria Carolina Quecine Verdi.

bruna-usp.jpg

No primeiro teste feito fora do ambiente de laboratório, a aplicação da bactéria, isolada de um guaranazeiro, planta originária da Amazônia, resultou, de acordo com Bruna, em um aumento de 16 sacas de milho por hectare, o que representa um incremento de 8% na produção. Em relação a soja houve um aumento de 11 sacas por hectare, representando uma elevação de 11%.

Ainda de acordo com a pesquisadora, esses resultados obtidos pelo experimento foram conquistados com a redução de 30% na quantidade de fertilizante utilizado no plantio.

Apesar dos resultados positivos alcançados, Bruna diz que é necessário ter cautela ao se analisar esses primeiros testes, pois há outros fatores que interferem na produtividade desses grãos.

“Nós temos outros variáveis que influenciam no resultado [da produtividade] como clima , solo e o tipo de grão utilizado. Por isso agora a gente terá que testar [o uso da bacteria] em diferentes condições ”, explica.

Mas não é só apenas nos grãos que a bactéria pode causar aumento na produtividade. Segundo a pesquisadora, outras culturas também apresentaram bons resultados. “Nós temos evidencias que essa bactéria também trabalha bem em cana de açúcar e tomate”, conta.

A doutora explica que a aplicação desse tipo de micro-organismo pode reduzir custos de produção e estimular a realização de uma agricultura mais sustentável.

“O fertilizante nitrogenada é o mais caros hoje em dia no Brasil, porque o país é importador desse fertilizante. Hoje em dia, 70 % desse do adubo nitrogenado usado na agricultura brasileira é importado. Mas além do impacto econômico, o uso dele causa impactos ambientais graves”, ressalta.

Atualmente, o Brasil é um dos maiores produtores de milho e soja do mundo, sendo que a previsão para a safra deste ano é que sejam colhidas 30 milhões de toneladas de milho e 113 milhões de toneladas de soja, de acordo com informações Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

 soja.jpg

Por Hildeberto Jr., G1 Piracicaba e região

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

voltar ao topo
Info for bonus Review bet365 here.