conecte-se conosco


EDUCAÇÃO

Ideb: desde 2013, ensino médio brasileiro não atinge nível esperado de qualidade

Publicado

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019, divulgado nesta terça-feira (15), mostra que o nível de qualidade do ensino médio brasileiro continua abaixo do esperado pelo Ministério da Educação (MEC). Embora tenha havido avanços em relação a 2017, o país não atinge a meta nessa etapa de ensino desde 2013.

O Ideb vai de 0 a 10 e leva em conta dois fatores: quantos alunos passam de ano e qual o desempenho deles em português e em matemática (entenda mais abaixo). Em 2019, a meta nacional a ser cumprida, somando escolas públicas e particulares, era 5 – mas o resultado ficou aquém do esperado. A média foi bem inferior a isso: 4,2.

Apesar de todos os estados, com exceção de Sergipe, terem aumentado o Ideb em relação à edição anterior, o resultado é insatisfatório. Uma “nota” de 4,2 não chega sequer ao patamar que era esperado para o país em 2015.

Ideb 2019 mostra que ensino médio brasileiro não atingiu a meta de qualidade definida pelo Inep. — Foto: Arte/G1

Brasil melhora nota do Ideb no ensino médio, mas fica longe da meta

Quais estados cumpriram suas metas?

As escolas, municípios e estados têm também suas metas individuais, calculadas a partir de cada realidade socioeconômica. Elas podem ser maiores ou menores do que o esperado para a média do país (nota 5). No Amazonas, por exemplo, era 4; em Santa Catarina, 5,4.

Em 2019, de todos os estados, apenas Goiás alcançou o índice proposto (4,8).

Mapa mostra que apenas Goiás atingiu a meta do Ideb do ensino médio. — Foto: Arte/G1

Ranking de estados

O Inep traça médias individuais para os estados, justamente porque são situações heterogêneas – há regiões com maior índice de pobreza, por exemplo, que terão obstáculos maiores para melhorar a qualidade da educação.

Por isso, ao analisar um ranking nacional do Ideb, é preciso ter em mente que cada estado tem desafios próprios. A listagem é apenas para fins didáticos – o critério ideal de comparação é analisar quanto a região evoluiu nos últimos anos, em seus próprios índices, além de verificar se atingiu a meta definida pelo Inep.

O Espírito Santo, por exemplo, está em primeiro lugar, mas não cumpriu o índice esperado para 2019:

Ranking do Ideb de estados – Ensino médio

Estado Ideb 2019 Meta 2019
1- Espírito Santo 4,8 5,3
2- Goiás 4,8 4,8
3- Paraná 4,7 5,2
4- São Paulo 4,6 5,2
5- Pernambuco 4,5 4,6
6- Distrito Federal 4,5 5,2
7- Ceará 4,4 4,9
8- Rondônia 4,3 4,8
9- Minas Gerais 4,2 5,3
10- Santa Catarina 4,2 5,4
11- Rio Grande do Sul 4,2 5,3
12- Mato Grosso do Sul 4,2 4,8
13- Rio de Janeiro 4,1 4,9
14- Tocantins 4 4,7
15- Piauí 4 4,5
16- Paraíba 4 4,6
17- Acre 3,9 4,8
18- Roraima 3,9 5,1
19- Alagoas 3,9 4,6
20- Maranhão 3,8 4,3
21- Sergipe 3,7 4,9
22- Amazonas 3,6 4
23- Mato Grosso 3,6 4,7
24- Rio Grande do Norte 3,5 4,5
25- Bahia 3,5 4,5
26- Pará 3,4 4,4
27- Amapá 3,4 4,5

Redes estaduais

Analisando apenas as escolas estaduais, responsáveis por mais de 97% das matrículas da rede pública no ensino médio, o resultado de 2019 foi 0,4 ponto maior que de 2017. Apesar do avanço, a meta estipulada para esses colégios não foi cumprida.

O Ideb nacional das escolas estaduais brasileiras foi de 3,9 – sendo que o objetivo era atingir 4,6. Nas metas individuais, apenas os colégios das redes de Pernambuco e de Goiás ultrapassaram o índice proposto.

Desigualdade social

Os números evidenciam a desigualdade entre as regiões. Ao fazer o recorte por município, 39,4% das cidades do Norte e 21,1% das do Nordeste têm Ideb muito baixo (menor que 3,1) nas escolas estaduais. No Sudeste, apenas 2% dos municípios apresentam um índice tão preocupante.

Porcentagem de municípios com Ideb 2019 muito baixo (escolas estaduais/ensino médio)

Regiões % de cidades com Ideb muito baixo (inferior a 3,1)
Norte 39,4
Nordeste 21,1
Sudeste 2,0
Sul 2,9
Centro-Oeste 11,4

O abismo é grande também na comparação entre escolas públicas e privadas. Na rede particular, responsável por 12,2% das matrículas de ensino médio do país, o Ideb foi de 6. Na rede estadual, um patamar muito mais baixo: 3,9.

Ideb 2019 no ensino médio – escolas públicas x privadas

Redes de ensino Ideb 2019
Escolas particulares 6,0
Escolas estaduais 3,9

Apesar do desempenho muito superior das escolas particulares, elas não atingiram suas metas – nem as nacionais, nem as estaduais.

Ideb 2019 das escolas particulares – ensino médio

Ideb 2019 Meta
6,0 6,8

Abaixo, entenda mais sobre o Ideb:

O que é Ideb?

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é um indicador de qualidade do ensino fundamental e do ensino médio.

Foi criado em 2005 pelo MEC, que o divulga, desde então, a cada dois anos.

Como o Ideb é calculado?

O Ideb é um índice de 0 a 10, calculado com base em dois fatores:

  • índices de aprovação/reprovação dos alunos e de abandono dos estudos, medidos no Censo Escolar;
  • notas em provas de português e de matemática no Saeb (Sistema de Avaliação da Educação Básica).

Para ter um bom Ideb, é preciso ter baixas taxas de reprovação e de abandono de estudos, além de resultados satisfatórios no Saeb. Essa avaliação é aplicada sempre no fim de cada etapa escolar: 5º e 9º ano do ensino fundamental, e 3º ano do ensino médio.

O que os alunos de ensino médio sabem de matemática e português?

Analisando as médias nacionais do Saeb (um dos componentes do Ideb), conclui-se que o Brasil está nos seguintes patamares de conhecimento:

Matemática: os alunos são capazes de resolver operações básicas, reconhecer proporções, associar uma tabela a um gráfico e fazer progressões aritméticas. Não conseguem, em geral, determinar probabilidade, calcular porcentagem, resolver uma expressão algébrica ou analisar formas geométricas.

Português: os estudantes têm habilidade para reconhecer uma opinião explícita em um artigo ou um tema de uma crônica, interpretar tirinhas e inferir o sentido de uma palavra em uma música. Apresentam dificuldade em identificar argumentos nos textos, reconhecer relações de causa e consequência, compreender ironia ou humor e detectar a informação principal em reportagens.

Como o Ideb é divulgado?

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulga o Ideb de cada escola, município e estado. Além de calcular as médias, o órgão detalha o desempenho das redes municipais, estaduais, públicas e privadas.

Os índices são sempre calculados em três etapas da educação básica:

  • anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano);
  • anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º ano);
  • ensino médio.

Quais são as metas do Ideb e como são calculadas?

O MEC definiu que a meta para o país é atingir nota 6 no Ideb. Segundo a pasta, essa pontuação corresponde ao desempenho médio dos estudantes de países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) no Pisa (sigla em inglês para “Programa Internacional de Avaliação de Estudantes”).

O Pisa é uma prova de matemática, português e ciências, feita por alunos de 15 anos. O Brasil costuma estar entre os piores colocados no ranking mundial dessa avaliação.

O prazo para atingir a meta de nível 6 no Ideb é diferente em cada etapa de ensino:

  • anos iniciais do ensino fundamental: 2021
  • anos finais do ensino fundamental: 2025
  • ensino médio: 2028

Para alcançar o Ideb desejado, o Inep traçou metas intermediárias. Em 2017, por exemplo, o objetivo era que a média nacional para alunos do 1º ao 5º ano fosse de 5,5. A nota exigida vai subindo a cada dois anos, até chegar a 6 em 2021.

Conforme já explicado nesta reportagem, as escolas, municípios e estados têm também suas metas individuais, calculadas a partir de cada realidade socioeconômica. Elas foram estabelecidas de modo que a média nacional atinja o patamar 6 nos prazos listados acima.

Veja quais as metas intermediárias para o Brasil no Ideb 2019, divulgado nesta terça (15):

  • 1º ao 5º ano do ensino fundamental: 5,7
  • 6º ao 9º ano do ensino fundamental: 5,2
  • Ensino médio: 5,0

Anos iniciais do ensino fundamental

A primeira etapa avaliada pelo Ideb vai do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Veja análise completa aqui.

Considerando a média nacional, que inclui escolas públicas e privadas, o Brasil atingiu todas as metas intermediárias desde o início da série histórica.

Em 2019, o objetivo era alcançar, no mínimo, o patamar 5,7. O país registrou média de 5,9. Entre as escolas públicas, a meta também foi atingida. Entretanto, na rede particular, o desempenho ficou abaixo do esperado:

Ideb 2019 – escolas nos anos iniciais do ensino fundamental

Rede de ensino Ideb 2019 Meta
Pública 5,7 5,5
Privada 7,1 7,4
Todas as redes 5,9 5,7

Estados que não alcançaram suas metas individuais (redes pública e privada): Amapá, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Anos finais do ensino fundamental

Desde 2013, a média nacional não atinge a meta no Ideb para os anos finais do ensino fundamental (6º ao 9º ano). Em 2019, o objetivo era alcançar 5,2 – mas a “nota” foi de 4,9.

Ideb 2019 – escolas nos anos finais do ensino fundamental

Redes de ensino Ideb 2019 Meta
Pública 4,6 5,0
Privada 6,4 7,1
Todas as redes 4,9 5,2

Nas metas individuais, apenas sete estados conseguiram atingir a meta: Amazonas, Piauí, Ceará, Pernambuco, Alagoas, Paraná e Goiás.

Por: G1.

Comentários Facebook
Leia mais:  Escola de Cultura e Arte de Uberaba tem inscrições abertas para educadores
publicidade

EDUCAÇÃO

Governo de SP confirma volta às aulas presenciais para 7 de outubro; rede estadual vai priorizar ensino médio

Publicado

O governo de São Paulo decidiu manter a previsão de volta às aulas presenciais no estado para o dia 7 de outubro para toda a rede de ensino, da educação infantil ao ensino superior nas redes públicas e privadas, desde que os prefeitos liberem o retorno das atividades.

Especificamente para rede estadual, que tem cerca de 5 mil escolas, a gestão João Doria (PSDB) decidiu nesta sexta-feira (18) que apenas alunos do ensino médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA) devem voltar em 7 de outubro. A volta dos estudantes do ensino fundamental da rede estadual só deve acontecer em 3 de novembro. As demais redes podem definir quais séries vão priorizar.

“O plano de volta às aulas em 7 de outubro para escolas estaduais, municipais e particulares está mantido. Evidentemente vamos respeitar a autonomia de prefeitos para a abertura em suas cidades. A rede estadual manteve a volta no ensino médio e da EJA. No ensino fundamental, a volta está programada para 3 de novembro. A decisão de começar pelo ensino médio é que essas etapas são as mais afetadas pela evasão escolar, que prejudica especialmente os estudantes mais pobres”, disse Doria nesta sexta-feira.

O governo estadual define as regras para a liberação das atividades escolares, mas os prefeitos têm autonomia para adotar medidas mais restritivas. Na cidade de São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu liberar apenas o ensino superior para voltar em outubro.

Leia mais:  MEC divulga diretrizes para volta às aulas presenciais, mas não estabelece data para o retorno
Plano de retorno na Educação de SP — Foto: Reprodução/Governo de SP

Cidade de São Paulo

Nesta quinta-feira (17), Bruno Covas (PSDB) autorizou volta das aulas presenciais só no ensino superior no dia 7 de outubro. O prefeito também liberou a reabertura das escolas de ensinos infantil, fundamental e médio apenas para atividades extracurriculares na mesma data. Essas atividades já haviam sido liberadas pelo governo estadual desde 8 de setembro, mas poucos municípios aderiram.

O prefeito, no entanto, adiou mais uma vez a decisão sobre a volta presencial das aulas regulares nas demais séries. A definição, agora, ficou para novembro. “Vamos continuar a realizar os inquéritos tanto de adultos quanto de crianças para poder avaliar e manter essa mesma linha ou de ter outra posição a partir de 3 de novembro”, complementou o prefeito.

Segundo o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, embora ainda sem data, o retorno na cidade deverá priorizar alunos dos anos finais: terceiro ano ensino fundamental, sexto ano do ensino fundamental, nono ano do ensino fundamental e terceiro ano do ensino médio.

Prefeitura de SP autoriza retorno das aulas presenciais no ensino superior

Atividades opcionais

O governo estadual já havia autorizado escolas públicas e privadas de regiões que estão há pelo menos 28 dias na fase amarela do plano de flexibilização econômica a reabrir para reforço escolar e atividades complementares a partir do dia 8 de setembro, mas as prefeituras têm autonomia para permitir ou vetar a medida.

Leia mais:  Docentes da FEF participam de capacitação on-line

As regras para a reabertura foram publicadas no Diário Oficial no dia 1º de setembro e governo anunciou que pagará adicional aos professores da rede pública que voltarem a trabalhar presencialmente. As aulas regulares devem continuar pela internet, no ensino à distância.

Em setembro, só foram liberadas atividades de reforço e extracurriculares como orientação de estudos, plantão de dúvidas, avaliações, acolhimento emocional e atividades culturais. Atividades de educação física podem ser feitas – mas respeitando o distanciamento de 1,5 m – e de preferência, ao ar livre.

Estão proibidos: feiras, palestras, reuniões e campeonatos esportivos.

Além dos protocolos de distanciamento, uso obrigatório de máscaras, disponibilização de álcool em gel, entradas e saídas escalonadas, as escolas poderão receber presencialmente, por dia, até 20% do total de alunos em todas as séries.

Na merenda, será dada preferência a alimentos que não exigem manipulação ou preparo, a chamada merenda seca.

A participação dos alunos nas atividades presenciais não é obrigatória. Os estudantes do grupo de risco pra Covid-19 não podem voltar e professores e servidores só voltam se assinarem um termo de responsabilidade.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana