conecte-se conosco


POLÍTICA

Hotel onde Ludhmila Hajjar ficou diz que não houve tentativa de invasão a quarto

Publicado em

POLÍTICA

source
Ludhmila Hajjar foi cogitada para assumir o lugar de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde
Wanezza Soares/Divulgação

Ludhmila Hajjar foi cogitada para assumir o lugar de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde

O hotel onde a médica cardiologista Ludhmila Hajjar ficou hospedada em Brasília disse que não houve nenhum “incidente” enquanto ela esteve hospedada. A intensivista ficou de domingo (14) para esta segunda-feira (15) B Hotel, um dos mais frequentados por clientes de elite. As informações são do portal Metrópoles .

Ao dar entrevistas à CNN Brasil e à GloboNews , disse que houve tentativa de invasão ao ser quarto, além de ter sido vítima de outras intimidações nas redes sociais depois que começou a ser cotada para assumir o Ministério da Saúde.

A gerência do B Hotel afirmou ao Metrópoles não ter havido qualquer comunicado de incidente com a hóspede. O gerente-geral George Durante disse ter checado o circuito interno de imagens para verificar alguma movimentação estranha.

“De fato, ficamos surpresos com a declaração da médica. Pelo que vimos, aparentemente não houve nenhum incidente. A não ser que ela tenha se hospedado em outro hotel antes de dar entrada aqui”, disse.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Queiroga deve ser o primeiro ouvido pela CPI da Covid, diz senador

Publicados

em

Por

source
Senador Humberto Costa (PT-PE)
Agência Brasil

Senador Humberto Costa (PT-PE)

Humberto Costa (PT-PE), um dos senadores indicados para compor a CPI da Covid, disse em entrevista à CNN Brasil que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve ser o primeiro convidado a prestar esclarecimentos sobre as ações do governo federal durante a pandemia. 

Segundo o senador da oposição, a escolha pelo atual titular da Saúde se dá pelo motivo de que a CPI, em um primeiro momento, deve buscar respostas sobre as medidas de combate à Covid-19 que devem ser adotadas imediatamente.

“Acho que o primeiro convidado deve ser o próprio ministro da Saúde, para que ele possa nos dizer o que o governo pretende fazer daqui para frente para o controle da pandemia, como eles estão enfrentando e procurando resolver os problemas emergenciais, como a escassez de vacinas, como a crise de abastecimento de medicamentos para procedimentos complexos como as entubações. A CPI tem que exercer o papel de investigar, mas também exercer o papel para que o governo cumpra a sua missão, e nós vamos cobrar”, afirmou o senador, que foi ministro da Saúde por pouco mais de dois anos durante o primeiro mandato do governo Lula.

Leia mais:  Juíza absolve dirigentes da Universal por lavagem de dinheiro

O senador disse que a CPI deve começar o “mais urgente possível” e que a agilidade para o início dos trabalhos deveria ser um interesse também do governo federal, já que a investigação pode se alongar até próximo das eleições de 2022.

“Defendo que a CPI comece de imediato, temos que apresentar a proposta de um funcionamento misto, ouvir pessoas, fazer reuniões onde tenhamos um debate mais conceitual, ouvindo cientistas e professores, pode ser feito de forma remota. As audiências onde vamos escutar testemunhas e debater quebra de sigilos ou acesso a documentos sigilosos, essa podemos fazer de modo presencial ou semi presencial, um pouco mais para frente, dentro de 1 mês e meio, quando melhorar a situação da pandemia”, afirmou Costa. 

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana