conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Hospital de Rio Preto coleta plasma para tratamento da Covid

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

O hospital Beneficência Portuguesa de Rio Preto começou a coletar sangue de homens curados da Covid-19 para hemoterapia com plasma convalescente em pacientes que testaram positivo para o coronavírus. O objetivo é estocar o material com anticorpos contra a doença e apresentar a possibilidade de tratamento para médicos e hospitais da cidade. O tratamento alternativo é mais uma aposta no combate a doença – pesquisa mostra que pode reduzir em até 50% a taxa de mortalidade e o tempo de internação de pacientes infectados.

A busca dos doadores em potencial está sendo realizada pelo banco de sangue da Beneficência. “Se você é do sexo masculino, teve Covid-19 e já se recuperou há 30 dias, precisamos da sua doação!”, afirma o comunicado compartilhado nas redes sociais do hospital. “Podemos salvar vidas de pacientes que estão em tratamento Covid-19. Nos ajude nesse momento difícil. Faça sua parte!”.

O médico hemoterapeuta responsável pela iniciativa, Manoel Cavalcanti, explica que a hemoterapia com plasma de pacientes curados que apresentam anticorpos da doença é um tratamento antigo, já utilizado pela ciência contra outros vírus e doenças graves e fatais, como a febre hemorrágica ebola, uma das doenças mais importantes na África subsaariana. “Não é algo milagroso, mas é uma outra alternativa num momento em que buscam uma cura para a Covid”, afirma.

Segundo Cavalcanti, a hemoterapia não deve ser usada em pacientes com quadro clínico leve ou grave. “Só para casos moderados. Para esses pacientes, estudos mostram redução de até 50% na taxa de mortalidade, redução de 50% na taxa do vírus no organismo e também diminui em 50% o tempo de internação do paciente”, afirmou. Se encaixam como pacientes moderados aqueles que precisaram de internação em enfermaria, por exemplo.

Para a coleta do plasma, o banco de sangue do hospital coleta o sangue de pacientes homens, entre 18 e 70 anos, que tiveram Covid-19 e estão curados há pelo menos 30 dias. O paciente precisa ter o exame positivo da doença e seguir os critérios da doação de sangue.

Depois de coletado, o material passará por todos os exames de rotina de um banco de sangue para descartar HIV, Chagas, entre outras doenças, e constatar que tem anticorpos contra o coronavírus. “Estamos com as coletas há dez dias, já tivemos alguns doadores, mas nem todo mundo que doa tem o plasma bom para o tratamento. Quatro unidades eu consegui aproveitar até aqui”, afirmou o médico.

Leia mais:  Ex-prefeito de Monte Aprazível de 80 anos morre com Covid-19

O plasma das mulheres não será usado. O hemoterapeuta explica que, pelo fato delas poderem ter tido um aborto ou uma gravidez, podem ter anticorpos contra glóbulos branco, o que na transfusão do plasma poderia gerar lesão pulmonar aguda associada à transfusão (do inglês, transfusion-related acute lung injury, Trali). Isso porque, quando a mulher engravida, pelo menos metade da carga genética do bebê é do pai, o que leva a mãe a desenvolver os anticorpos. “Essa reação transfusional grave pode ocorrer em qualquer paciente, então a gente evita para qualquer doença e não só para Covid, uma vez que essa lesão é como se fosse deixar o pulmão encharcado de líquido”, detalhou Cavalcanti.

O plasma coletado pode ficar até um ano armazenado, desde que dentro das normas corretas. A expectativa do banco de sangue da Beneficência é estocar até 15 bolsas e começar a disponibilização. “Estamos iniciando o projeto. Depois vamos apresentar e ficará a cargo dos médicos assistentes optar pelo tratamento. Estamos nos adiantando em relação ao estoque”, finalizou o médico.

Mais uma alternativa

O médico do Instituto Naoum de Hematologia e professor da Faceres de Rio Preto Flávio Naoum afirma que o tratamento da Covid-19 com plasma convalescente está em fase de experimento em diversos lugares no mundo. “São vários os centros no mundo e também no Brasil que estão envolvidos em pesquisas relacionadas a este tratamento”, disse o médico.

Próximo a Rio Preto, o Hemocentro de Ribeirão Preto, por exemplo, lançou uma campanha para convencer homens que podem doar a ir até o local para a coleta. No informativo, o hemocentro do município afirma que a doação, realizada por meio de uma máquina que utiliza somente materiais descartáveis, é segura. Outras cidades brasileiras, como Recife, também já utilizam a terapia.

“Os resultados têm sido bons, especialmente se aplicados antes da fase mais crítica da doença, desde que sejam respeitados os protocolos de segurança para a seleção, coleta e infusão do plasma do doador”, disse Naoum. O hematologista também acredita que o tratamento com plasma seria uma alternativa a mais aos demais tratamentos já rotineiramente utilizados na Covid-19.

Leia mais:  Patos de Minas: Casos de Covid-19 diminuem, mas número elevado de mortes e reinfecções ainda preocupam

“Pode ser uma boa opção para se obter imunidade passiva de curto a médio prazo contra o vírus. Seria muito conveniente se pudéssemos dispor dessa opção terapêutica aqui em nossa cidade”, finalizou. (FP)

Tratamento

Como funciona

  • Após a doação, sangue é dividido entre plasma, hemácias, plaquetas e crioprecipitado
  • O plasma corresponde a 55% do sangue e tem como função fazer o transporte de substâncias pelo corpo, como nutrientes e gases
  • Por transportar anticorpos, o plasma também participa ativamente da defesa do organismo
  • Pensando nisso, ele tem sido testado para combater o coronavírus

Funciona assim:

  • quem tem contato com qualquer vírus, desenvolve anticorpos – e eles circulam pela corrente sanguínea
  • Ao coletar o plasma de alguém já recuperado (convalescente) e aplicá-lo em alguém doente, a expectativa é que o paciente crie anticorpos mais rapidamente
  • Os testes de eficácia da técnica ainda estão em desenvolvimento
  • O plasma apresentou bons resultados em pacientes moderados – ou seja, sem gravidade a ponto de ir para a UTI e não tem leve a ponto de se tratar em casa

Quem pode doar para ter o plasma utilizado no projeto

  • Homens que já tiveram Covid e se recuperaram há 30 dias
  • Esses pacientes precisam atender ainda aos requisitos básicos para doação de sangue:
  • Idade a partir de 18 até 69 anos, 11 meses e 29 dias
  • O doador deve estar em boas condições de saúde (sem gripe, resfriado, diarreia ou alergias), sem feridas e/ou machucados pelo corpo ou na boca
  • Ter mais do que 50 quilos
  • Estar bem alimentado (o doador não deve estar em jejum nem ter ingerido alimentos gordurosos)
  • Não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas que antecedem a doação
  • Não fumar nas 2 horas que antecedem a doação
Por: Diário da Região

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Capacitação para agentes de endemias em Carneirinho

Publicados

em

Na manhã de hoje (22), os Agentes de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Carneirinho participaram de uma capacitação de como usar como usar veneno pra matar as larvas em reservatórios e recipientes.

De acordo com o Diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiologia, Fábio Souza Ribeiro (Fabio Caixeta), antes o produto utilizado era em pó e agora é em comprimido.

Comentários Facebook
Leia mais:  Patos de Minas: Casos de Covid-19 diminuem, mas número elevado de mortes e reinfecções ainda preocupam
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana