conecte-se conosco

Tecnologia

Hackers tentaram invadir sistemas da OMS em meio à pandemia de Covid-19

Publicado

Hackers tentaram invadir sistemas da Organização Mundial de Saúde(OMS) no início deste mês, disseram fontes à Reuters — parte de um aumento de mais de duas vezes nos ataques cibernéticos contra a entidade, segundo um importante funcionário da entidade.

Coronavírus: perguntas e respostas

O vice-presidente de segurança da informação da OMS, Flavio Aggio, disse que a identidade dos hackers não está clara, mas a tentativa de invasão não obteve sucesso. Ele alertou que as ações de hackers contra a organização e seus parceiros dispararam em meio à campanha do órgão global para combate ao coronavírus, que já matou mais de 15 mil pessoas no mundo.

A tentativa de invasão da OMS foi revelada por Alexander Urbelis, especialista em segurança cibernética e advogado do Blackstone Law Group de Nova York, que monitora atividades suspeitas em registros de domínios da internet.

Fraudes na internet usando coronavírus se intensificam

Urbelis disse que notou a atividade por volta de 13 de março, quando um grupo de hackers que ele monitorava ativou um site malicioso que imita o sistema de e-mail interno da OMS.

Leia mais:  Dados armazenados pelo governo de SP vazam; mais de 28 mil pessoas são expostas

“Percebi rapidamente que se tratava de um ataque à Organização Mundial da Saúde”, afirmou.

Urbelis disse que não sabia quem era o responsável, mas duas outras fontes suspeitam de um grupo avançado de hackers conhecido como DarkHotel, que realiza operações de espionagem cibernética desde pelo menos 2007.

Quando perguntado pela Reuters sobre o incidente, Aggio, da OMS, confirmou que o site descoberto por Urbelis havia sido usado na tentativa de roubar senhas de vários funcionários da organização.

Grande órgãos são alvos comuns

Os motivos do ataque não são claros. Agências das Nações Unidas, entre elas a OMS, são alvo regular de campanhas de espionagem digital e Aggio se recusou a dizer quem exatamente na entidade os hackers estavam tentando atacar.

Empresas de segurança cibernética, incluindo a Bitdefender, da Romênia, e a Kaspersky, com sede em Moscou, disseram ter localizado muitas das operações do DarkHotel no leste da Ásia — uma área que foi particularmente afetada pelo coronavírus. Alvos específicos incluíram funcionários governamentais e executivos de empresas de países como China, Coreia do Norte, Japão e Estados Unidos.

Leia mais:  Como será o PlayStation 5? Imagens vazadas revelam design

Costin Raiu, chefe de pesquisa e análise global da Kaspersky, não pôde confirmar que o DarkHotel era responsável pelo ataque contra a OMS, mas disse que a mesma infraestrutura maliciosa foi usada para atacar outras organizações humanitárias e de saúde nas últimas semanas.

“Em momentos como este, qualquer informação sobre curas, testes ou vacinas relacionadas ao coronavírus não tem preço e é a prioridade de qualquer organização de inteligência de um país afetado”, afirmou.

Por G1

Comentários Facebook
publicidade

CIÊNCIA E SAÚDE

Pesquisadores e empresas anunciam testes experimentais de vacinas contra a Covid-19

Publicado

Empresas e centros de pesquisas anunciam que estão preparando testes experimentais de vacinas contra a Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus.

Até esta segunda-feira (30), ao menos 35 mil pessoas haviam morrido da doença em todo o mundo. A Covid-19 ainda não tem tratamento ou medicação específica para conter a doença – por isso, o avanço das pesquisas é tão importante para imunizar a população mundial.

Nesta segunda-feira, a Universidade de Oxford, na Inglaterra, anunciou a convocação de voluntários para testar uma vacina; e a empresa Johnson & Johnson divulgou que começará testes em humanos até setembro deste ano – e afirmou que quer colocar 1 bilhão de doses no mercado no início de 2021 (leia mais abaixo).

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), até agora ao menos 54 pesquisas de vacinas estão em andamento em todo o mundo – 52 em fase pré-clínica e 2 em fase clínica.

Leia mais:  Pesquisadores e empresas anunciam testes experimentais de vacinas contra a Covid-19

Para chegar a uma vacina efetiva, os pesquisadores precisam percorrer diversas etapas. Entre elas está a pesquisa básica – que é o levantamento do tipo de vacina que pode ser feita. Depois, passam para os testes pré-clínicos, que podem ser in vitro ou em animais, para demonstrar a segurança do produto; e depois para os ensaios clínicos, que podem se desdobrar em outras quatro fases:

  • Fase 1: feita em seres humanos, para verificar a segurança da vacina nestes organismos
  • Fase 2: onde se estabelece qual a resposta imunológica do organismo (imunogenicidade)
  • Fase 3: última fase de estudo, para obter o registro sanitário
  • Fase 4: distribuição para a população

Na China, pesquisadores tiveram o aval de desenvolver testes em humanos para uma vacina experimental contra a Covid-19.

Nos Estados Unidos, voluntários de Seattle, um dos estados mais afetados pela doença, também começaram a receber doses da vacina experimental. Segundo o Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH) o teste faz parte de um estudo que vai acompanhar 45 voluntários adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos, e deve durar ao menos seis semanas.

Leia mais:  Homem cai de penhasco e é salvo por Apple Watch

Universidade de Oxford convoca voluntários

Nesta segunda-feira (30), a Universidade Britânica de Oxford anunciou que está convocando 510 voluntários para receber doses de uma vacina experimental contra a Covid-19. A instituição procura pessoas saudáveis, de 18 a 55 anos, para participar do estudo.

Empresa quer entregar 1 bilhão de doses até 2021

A empresa Johnson & Johnson anunciou nesta segunda-feira (30) que irá testar até setembro deste ano uma vacina experimental contra a Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus. Os testes serão feitos em humanos. O objetivo é fornecer mais de 1 bilhão de doses até o início de 2021.

Empresa afirmou que irá destinar mais de US$ 1 bilhão para financiar a pesquisa de vacinas, ao lado da agência norte-americana Biomedical Advanced Research and Development Authority (Barda).

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana