conecte-se conosco

Economia

Grupo Caoa desiste de comprar fábrica da Ford em São Bernardo do Campo

Publicado

O grupo Caoa desistiu de comprar a fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, São Paulo. A informação foi dada nesta segunda-feira (13) pelo governador João Doria e, posteriormente, confirmada pela companhia.

Segundo Doria, a Caoa, apesar de não concretizar a compra da planta da montadora norte-americana, deverá anunciar importantes investimentos no setor automobilístico no estado em 2020. “Não foi possível viabilizar [a venda da fábrica da Ford para a Caoa] neste caso específico, mas a Caoa deve anunciar, agora em 2020, um novo e forte investimento com fabricante chinês na indústria automobilística aqui em São Paulo”, disse Doria em entrevista coletiva.

“Não é fácil você vender uma fábrica instalada, é difícil, sob certos os aspectos. É mais fácil você motivar a implantação de uma fábrica do que a venda de uma fábrica porque ela tem que ser muito ajustada. Uma coisa é você fazer um terno, e outra é você vender o terno pronto para um número muito pequeno de potenciais usuários”, acrescentou o governador.

Leia mais:  Estudo da FGV aponta para a baixa produtividade no país

Em nota, o grupo Caoa confirmou a informação do governador. “A Caoa confirma que as negociações devam seguir o encaminhamento informado pelo governador Doria.”

O governador disse que a compra da fábrica da Ford está sendo estudada por dois grupos de investidores chineses. Doria não identificou os dois grupos empresariais. “Há um entendimento novo com dois fabricantes chineses, entendimentos que estão em curso, mas não temos propagado, até para que eles possam seguir com tranquilidade, sem a pressão do tempo.”

A Ford anunciou em 20 de outubro do ano passado o encerramento da produção de caminhões na fábrica de São Bernardo, após de 52 anos de funcionamento. O anúncio havia sido previamente divulgado em fevereiro e, segundo nota da montadora, está “em linha com a decisão de sair do segmento de caminhões na América do Sul”.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou, na época, que cerca de 650 funcionários da produção seriam desligados da fábrica. Aproximadamente mil trabalhadores, da parte administrativa, continuariam na fábrica de São Bernardo e seriam transferidos para uma nova sede, na capital paulista, a partir de abril deste ano.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Brasil não precisará mudar legislação para governo comprar do exterior

Publicado

por

A adesão do Brasil ao Acordo de Compras Públicas (GPA, na sigla em inglês) da Organização Mundial do Comércio (OMC) não exigirá, a princípio, mudanças na legislação. O esclarecimento foi feito pela Secretaria Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia.

A intenção do país de aderir ao GPA foi anunciada nesta semana pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Com 48 países integrantes até agora, o GPA tem como objetivo promover a abertura mútua das compras governamentais (realizadas pelo setor público), sem distinção de origem, imposição de barreiras para itens importados ou margem de preferência para produtos domésticos.

Ao anunciar o compromisso de aderir ao GPA, o ministro Paulo Guedes disse que a medida resultará em economia para o governo e na redução da corrupção, além de ampliar a integração comercial do Brasil. Segundo o Ministério da Economia, as negociações com os 48 membros do GPA começarão logo após a notificação formal do pedido do Brasil para integrar o acordo e envolverão órgãos federais, estaduais e municipais, em parceria com o setor privado.

Leia mais:  Micro e pequenas empresas geraram mais de 73 mil empregos em outubro

Apesar de não haver necessidade de alterar a legislação sobre compras governamentais em um primeiro momento, a Secretaria Especial de Comércio Exterior informou que as negociações podem identificar eventuais mudanças nas normas ou no mecanismo de licitações, caso os países do GPA peçam condições mais abrangentes que os acordos de compras do setor público já negociados pelo Brasil.

Atualmente, o país tem acordos de compras governamentais com o Chile, o Peru e o Mercosul. Os acordos comerciais recentemente fechados pelo Mercosul com a União Europeia e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) têm capítulos sobre o tema.

Conforme o Ministério da Economia, a decisão de pedir a adesão ao GPA havia sido tomada na reunião da Câmara de Comércio Exterior (Camex) realizada em dezembro. O anúncio, no entanto, só foi realizado pelo ministro Paulo Guedes na última terça-feira (21), no Fórum Econômico Mundial.

Compromissos

Além de eliminar as barreiras e reduzir a discriminação nas compras governamentais de produtos e serviços entre os países integrantes, o GPA tem compromissos que visam a aumentar a eficiência. Segundo o Ministério da Economia, o tratado fomenta boas práticas de governança nas licitações e contribui para o aumento da concorrência entre os fornecedores, tanto de bens como de serviços.

Leia mais:  Estudo da FGV aponta para a baixa produtividade no país

Na avaliação da pasta, a adesão do Brasil aperfeiçoa a relação custo-benefício das compras governamentais, resultando em economia e contribuindo para o ajuste fiscal. Uma das razões são as cláusulas de transparência que reduzem a corrupção.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana