conecte-se conosco


POLÍTICA

General Ramos chama Bolsonaro de “grande articulador” das vitórias no Congresso

Publicado

source
Arthur Lira, novo presidente da Câmara dos Deputados e Rodrigo Pacheco, novo presidente do Senado
Marcelo Carmargo/ Agência Brasil e Jefferson Rudy/ Agência Senado

Arthur Lira, novo presidente da Câmara dos Deputados e Rodrigo Pacheco, novo presidente do Senado

O ministro-chefe da Secretaria de Governo, General Ramos, afirmou nesta terça-feira (2), em entrevista à Rádio Bandeirantes, que as  vitórias de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) nas eleições do Congresso Nacional representam uma grande vitória do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ramos reconheceu Bolsonaro como o grande articulador responsável pela vitória dos aliados nas duas casas legislativas.

“Muita gente às vezes não sabe, mas o grande articulador é o presidente Bolsonaro, eu sou o auxiliar técnico. O vencedor e o articulador, e às vezes a imprensa esquece, ele tem 28 anos de parlamento. Ele me oriente e me conduz. Aprendo muito todos os dias. Nós vamos dar sequência em uma conversa franca com os presidentes eleitos senador Rodrigo Pacheco e na Câmara com o deputado Arthur Lira. Estamos com muita esperança de renovação e poder destravar as pautas importantes para o país”, afirmou.

Leia mais:  Lula se emociona e agradece a aliados em discurso no PT

Você viu?

O general negou que o Palácio do Planalto tenha negociado cargos no governo e a liberação de mais de R$ 500 milhões em emendas parlamentares para deputados, como forma de garantir a vitória de Arthur Lira na Câmara. 

“Até considerei ofensivo que eu estaria sentado e ‘você vai votar em fulano e vai receber tanto’, mas isso não aconteceu.  O governo Bolsonaro, em seus dois anos, é reconhecido pelos parlamentares que é o governo que mais distribuiu recursos. Seria uma incoerência eu distribuir recursos para prefeitos [de partidos que apoiaram Baleia Rossi] não houve isso”, disse.

Com a resolução dos novos presidentes da Câmara e do Senado, Brasília vive a expectativa de uma reforma ministerial que venha para alocar políticos do centrão em cargos do primeiro escalão do governo e em estatais, como pagamento pelos votos nos aliados do presidente. Bolsonaro já desmentiu a  possibilidade de trocar ministros e chegou a afirmar que “só tem uma vaga” disponível, a da Secretaria-Geral, que é ocupada por um ministro interino.

Leia mais:  Em meio à pandemia, Bolsonaro diz que vai fazer churrasco para 30 pessoas

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Piora na pandemia faz Bolsonaro planejar pronunciamento para rebater críticas

Publicado

por

source
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante pronunciamento em rede nacional de rádio e TV
Carolina Antunes/PR

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante pronunciamento em rede nacional de rádio e TV

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) planeja fazer um novo pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão para rebater as críticas que o governo federal tem recebido em relação às medidas de combate ao novo coronavírus (Sars-CoV-2). A fala de Bolsonaro já fio cancelada duas vezes .

Na última semana, o Brasil tem batido sucessivos recordes de mortes diárias pela Covid-19 . O maior número registrado em 24 horas desde o começo da pandemia foi na quarta-feira (3), quando as ocorrências foram 1.910 .

Na manhã desta sexta-feira (5), um dia após dizer que não é mais hora para “frescura” e “mimimi”, o presidente convocou integrantes da equipe ministerial para uma reunião no Palácio do Planalto .

Leia mais:  PF investiga compra de votos nas eleições municipais no Acre

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello , que cumpre agenda de viagem, não participou do encontro. E o vice-presidente Hamilton Mourão , que tem não tem sido convidado para encontros da cúpula do governo, mais uma vez não foi chamado.

Você viu?

O objetivo da reunião, segundo assessores presidenciais, foi avaliar estratégias de reação à piora da pandemia. O receio de integrantes do governo é o de que a média diária de mortes aumente nas próximas semanas. O encontro também serviu para discutir dados e números que possam ser utilizados pelo presidente em um discurso em rede nacional, que ele avalia gravar no final de semana. 

Nas duas vezes que seus pronunciamentos foram cancelados, Bolsonaro foi convencido de que não era hora de fazer um embate com prefeitos e governadores, que adotaram medidas de restrição para tentar diminuir o número de internações pela Covid-19.

O aumento das críticas nos últimos dias em relação à postura do presidente, no entanto, pressionou o Palácio do Planalto a reagir com um discurso público.

Segundo assessores presidenciais, uma estrutura de gravação foi montada durante a manhã no Palácio da Alvorada. A ideia inicial era a de que ele gravasse nesta sexta-feira (5), quando seria exibido à noite em cadeia nacional. Após a reunião, no entanto, o presidente foi novamente convencido a deixar a gravação para o final de semana.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana