conecte-se conosco

POLÍTICA

Feminismo quer “tirar direito da mulher de ser assediada”, diz deputado do PSL

Publicado

source

IstoÉ

Deputado Jessé Lopes arrow-options
Rodolfo Espínola / Agência AL

Deputado fez posts durante o final de semana

O deputado do PSL de Santa Catarina Jessé Lopes escreveu, em uma publicação nas redes sociais, que o movimento feminista está tirando “o direito da mulher poder ser ‘assediada’”. Na postagem, o parlamentar crítica a campanha “Não é Não” do Coletivo Feminista de Santa Catarina para o Carnaval deste ano, afirmando que homens e mulheres gostam de ser assediados. “Massageia o ego, mesmo que não se tenha interesse na pessoa que tomou a atitude”, disse.

Em outro trecho da publicação, Jessé Lopes compara o movimento feminista ao MST. “Sempre que conquistam algo, irão procurar outra causa para defender, pois o movimento não pode parar, já que ele é um braço da revolução cultural socialista. É igual ao MST, sempre ganham terras, mas estão sempre sem terras”, escreveu.

Leia também: Juíza diz que feminismo colaborou para degradação da sociedade

O deputado afirma ainda que “toda mulher sabe lidar com assédio”. “Obviamente estou falando do assédio no sentido que o próprio movimento generaliza (dar em cima), e não de atos agressivos e perturbantes. Crime não se previne e nem se combate com tatuagens!”, opinou o deputado.

Leia mais:  Autor de mural de balas da Aliança pelo Brasil vai expor obra nos Estados Unidos

Mais tarde, em outra publicação, o parlamentar voltou a fazer criticas ao movimento feminista. “O feminismo, ao contrário do que muitos pensam, só tirou direitos das mulheres: deixou-as menos cuidadosas com a aparência e imbecilizou o comportamento. Ou seja, legalmente estão menos favorecidas, pois hoje, se uma mulher é deixada pelo marido, esse não tem mais a obrigação de honrar o compromisso assumido inicialmente com ela”, afirmou.

Lopes também justificou o uso da palavra “assédio” na publicação anterior. “. A palavra “assédio” em aspas, não tem essa intenção nem proporção. Mas, o intuito de falar sobre ser cantada ou paquerada, nada mais que isso. Para essa turma, validade só tem a narrativa fria de que eu sou apologeta do assédio.”

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Bolsonaro diz que deportação de brasileiros é direito dos EUA

Publicado

por

source
Bolsonaro falando com a imprensa arrow-options
Alan Santos/PR

Bolsonaro falou com a imprensa na Índia

O presidente Jair Bolsonaro comentou neste sábado a autorização dada pelo Brasil para que os EUA executem a deportação de brasileiros que tentaram entrar sem documentos no país. É a primeira vez que o governo brasileiro dá luz verde para a deportação em massa de brasileiros, segundo diplomatas, indicando a mudança de diretriz implementada por Bolsonaro, que se orgulha de manter relações próximas com o presidente americano, Donald Trump.

Leia também: ‘Eu não preciso fritar ministro para demitir’, diz Bolsonaro sobre Moro

Em Nova Délhi, onde faz uma visita de Estado de três dias à Índia, Bolsonaro indicou que entende a política americana e que não irá se esforçar para evitar as deportações de brasileiros que tentam entrar de forma irregular nos EUA.

“O que eu falar aqui vai dar polêmica: eu acho que qualquer país, as suas leis têm que ser respeitadas. Qualquer país do mundo onde pessoas estão lá de forma clandestina é um direito daquele chefe de Estado, usando da lei, devolver esses nacionais”, afirmou

Leia mais:  Reforma administrativa vai ficar para 2020, diz porta-voz do governo

Bolsonaro disse que não conversou com o presidente Trump sobre o tema, que está sendo tratado pelo Itamaraty.

“De vez em quando converso com ele, outros assuntos, esse não foi tratado em uma conversa pessoal com ele. Lamento que brasileiros que foram buscar novas oportunidades lá fora voltem deportados. Lamento, mas é a política e temos que respeitar a soberania de outros países”.

Questionado se o governo ajudaria países estrangeiros a identificar brasileiros que estão em situação irregular, Bolsonaro disse que não, “quem tem que identificar é o país de destino”. O presidente aproveitou para voltar a criticar a Lei de Migração sancionada em 2017, em substituição ao antigo Estatuto do Estrangeiro, que havia sido estabelecido durante a ditadura militar.

Os EUA iniciaram a deportação em massa de brasileiros em outubro, com 70 brasileiros enviados de El Paso, no Texas, para Belo Horizonte. No início da madrugada deste sábado, desembarcou em Belo Horizonte um voo fretado do governo americano com uma nova leva de 80 a cem brasileiros.

Leia mais:  Bolsonaro é contra federalizar investigação do assassinato de Marielle

Leia também: Em aniversário da cidade, Mourão inaugura estátua de D. Pedro I em São Paulo

“Se você for ler a nossa lei de imigração, nenhum país do mundo tem isso que nós temos lá. É uma vergonha a nossa lei de imigração. Eu fui o único a votar contra, foi simbólico, e o único a discursar contra quando ela foi elaborada e votada. Fui muito criticado pela mídia. O pessoal chega no Brasil com mais direitos do que nós. Então isso não pode acontecer. Afinal de contas, nós devemos preservar o nosso país. E se abrir as portas, como está previsto na lei de imigração, o país pode receber um fluxo de gente muito grande e com muitos direitos”.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana