conecte-se conosco


POLÍTICA

“Fecharam pra quê?”, diz Bolsonaro sobre medidas de restrição em Niterói e RJ

Publicado em

POLÍTICA

source
Presidente Jair Bolsonaro
O Antagonista

Presidente Jair Bolsonaro

Nesta terça-feira (23), o presidente Jair Bolsonaro , falou sobre as medidas de restrição adotadas pelos prefeitos do Rio de Janeiro , Eduardo Paes (DEM) e de Niterói , Axel Grael (PDT) para frear o número de contaminações do novo coronavírus. As informações foram apuradas pelo Metrópoles. 

Os prefeitos seguiram as recomendações dos comitês científicos dos dois municípios e tomaram a decisão de deixar em funcionamento somente os serviços essenciais. Nas novas regras, bares, shoppings, restaurantes, universidades, escolas, creches públicas e particulares deverão ser permanecer fechados a partir desta sexta-feira (26) até o dia 4 de abril. 

“Fecharam tudo em Niterói ontem? Fecharam pra quê?”, disse Bolsonaro aos seus apoiadores na saída do Palácio da Alvorada. Fala de Bolsonaro se veio através de um relato de um morador da cidade que afirmou que estão “dificultando um pouco mais as coisas”. 

Presidente ainda citou uma reportagem do Jornal Record sobre o aumento da fome no país, ele falou a respeito das consequências econômicas  para quem fica em casa, cumprindo o isolamento social. Bolsonaro, desde o início da pandemia, não esconde suas críticas em relação às medidas de restrição impostas pelas cidades do país.  

“Tem uma matéria, acho que é Record, de ontem à noite. Quero parabenizar, né? Cinco minutos mostrando quem está em casa, o que está acontecendo. O pessoal mais pobre, né?” .

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Queiroga deve ser o primeiro ouvido pela CPI da Covid, diz senador

Publicados

em

Por

source
Senador Humberto Costa (PT-PE)
Agência Brasil

Senador Humberto Costa (PT-PE)

Humberto Costa (PT-PE), um dos senadores indicados para compor a CPI da Covid, disse em entrevista à CNN Brasil que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve ser o primeiro convidado a prestar esclarecimentos sobre as ações do governo federal durante a pandemia. 

Segundo o senador da oposição, a escolha pelo atual titular da Saúde se dá pelo motivo de que a CPI, em um primeiro momento, deve buscar respostas sobre as medidas de combate à Covid-19 que devem ser adotadas imediatamente.

“Acho que o primeiro convidado deve ser o próprio ministro da Saúde, para que ele possa nos dizer o que o governo pretende fazer daqui para frente para o controle da pandemia, como eles estão enfrentando e procurando resolver os problemas emergenciais, como a escassez de vacinas, como a crise de abastecimento de medicamentos para procedimentos complexos como as entubações. A CPI tem que exercer o papel de investigar, mas também exercer o papel para que o governo cumpra a sua missão, e nós vamos cobrar”, afirmou o senador, que foi ministro da Saúde por pouco mais de dois anos durante o primeiro mandato do governo Lula.

Leia mais:  Eleições em SP: veja as propostas de Boulos e Covas de enfrentamento ao racismo

O senador disse que a CPI deve começar o “mais urgente possível” e que a agilidade para o início dos trabalhos deveria ser um interesse também do governo federal, já que a investigação pode se alongar até próximo das eleições de 2022.

“Defendo que a CPI comece de imediato, temos que apresentar a proposta de um funcionamento misto, ouvir pessoas, fazer reuniões onde tenhamos um debate mais conceitual, ouvindo cientistas e professores, pode ser feito de forma remota. As audiências onde vamos escutar testemunhas e debater quebra de sigilos ou acesso a documentos sigilosos, essa podemos fazer de modo presencial ou semi presencial, um pouco mais para frente, dentro de 1 mês e meio, quando melhorar a situação da pandemia”, afirmou Costa. 

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana