conecte-se conosco


Economia

Era dos bônus bilionários está chegando ao fim, prevê ANP

Publicado em

Economia

A 6ª Rodada de Licitações de Partilha de Produção marca o fim dos “bônus bilionários” e a chegada ao momento em que os investimentos das petroleiras licitantes passarão a produzir, contratar e arrecadar. A avaliação foi feita hoje (7) pelo diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, que discursou na abertura do leilão, nesta manhã, no Rio de Janeiro.

“Estamos deixando para trás a era dos bônus bilionários para entrar na fase de produção e arrecadação elevadas”, afirmou o diretor, que prevê um leilão bem sucedido, uma vez que a Petrobras manifestou preferência por três dos cinco blocos ofertados. 

O leilão de hoje oferece, na Bacia de Santos, os blocos de Aram, Bumerangue, Cruzeiro do Sul e Sudoeste de Sagitário.Também será leiloado o bloco Norte de Brava, o único da lista que fica no pré-sal da Bacia de Campos.

Oddone avaliou que o ciclo de leilões, iniciado em 2017, permitiu uma grande formação de portf[ólio por petroleiras, o que se deu de forma mais diversificada do que antes, já que a Petrobras passou a concorrer sem ser a operadora única do polígono do pré-sal. Como resultado desse processo, a produção nacional deve aumentar e a participação da Petrobras no total deve cair.

Leia mais:  Commodities e China dominam exportações do Brasil em maio, indica FGV

“Isso é exatamente o que se buscava quando começou esse novo ciclo e é extremamente saudável essa diversificação”, disse,

Oddone disse que avaliou que, a partir de agora, as ofertas trarão blocos de maior risco exploratório, ou seja, onde a presença de petróleo em quantidades comerciais é menos garantida. “A fase de construção de portfólio exploratório no pré-sal pelas companhias se aproxima do fim. A maior parte das áreas mais conhecidas, mais prospectadas, já foi oferecida ou já esta sendo oferecida nas próximas rodadas, a 7a e a 8a, ou já foi contratada.”

Segundo a ANP, os leilões realizados desde 2017 vão gerar até R$ 1,5 trilhão em investimentos por parte da indústria do petróleo, o que pode inserir o Brasil entre os cinco maiores produtores da commodity no mundo, com uma produção diária de 7 milhões de barris em 2030. Para tal, 60 novas plataformas devem ser instaladas.

Quando atingir esse pico da produção, a atividade deve gerar uma arrecadação fiscal de R$ 300 bilhões.

Leia mais:  TCU autoriza leilões para concessão de rodovias e aeroportos no país

O ministro de Minas Energia, Bento Albuquerque, fez uma avaliação do leilão realizado ontem pela ANP para licitar o direito de extrair reservas excedentes dos blocos cedidos à Petrobras no contrato de cessão onerosa. “Foi um grande sucesso, destravou investimentos vultosos e alcançou o maior bônus de assinatura da história das rodadas”, disse o ministro.

Albuquerque afirmou ainda que já foi iniciada a discussão sobre como se dará a licitação dos dois blocos da cessão onerosa, que não foram contratados. “Iniciamos ontem mesmo o processo de análise, de modo que a retomada dos leilões dessas áreas ocorra o mais rápido possível.”

Edição: Maria Claudia

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Bares e casas noturnas de SP fazem vaquinha para sobreviver à pandemia

Publicados

em

Por

As casas noturnas tradicionais de São Paulo estão sendo impactadas diretamente pela falta de público devido ao isolamento social por causa da pandemia da covid-19. Muitos restaurantes se dedicaram à entrega de comida, mas no caso de bares e casas noturnas, que tinham os drinks e a pista de dança – que gera aglomeração de pessoas – como atrações principais, entregar comida e bebida não paga as contas. Alguns estabelecimentos criaram vaquinhas virtuais [modo online de arrecadar fundos] em troca de vouchers ou prêmios, e contam com a fidelidade dos clientes que frequentavam os locais para tentar sobreviver, e talvez abrir as portas quando a pandemia amenizar.

Um dos bares paulistanos que aderiu à vaquinha virtual é o Alberta #3, onde funciona, há mais de uma década, uma das pistas subterrâneas mais conhecidas do centro de São Paulo. No início de abril, o local lançou uma campanha para arrecadar R$ 93 mil. Quem ajudar com a vaquinha tem, como recompensa, vouchers em sorteios de itens que decoram o mezanino e outros presentes, que serão entregues na casa dos doadores.

Leia mais:  Municípios com ganho no PIB têm economia ancorada em commodities

Após anunciar o fechamento das portas, o bar de samba e de choro da Vila Madalena Ó do Borogodó, na zona oeste de São Paulo, lançou uma vaquinha online para manter o espaço aberto. 

Em funcionamento há cerca de 52 anos no município de São Paulo, o Bar do Alemão encara a pandemia entregando comida. Mas também lançou seu pedido de ajuda financeira na internet.

A Casa de Francisca é um espaço sócio-cultural que desde 2006 cultiva curadoria voltada ao comprometimento artístico e a diversidade musical. Funciona no Palacete Teresa, patrimônio histórico no centro de São Paulo. O estabelecimento anunciou seu fechamento em março, mas por meio do financiamento coletivo no site Apoia.se vai tentar se reerguer após a fase emergencial em São Paulo. 

Não é somente as casas noturnas paulistas que clamam por ajuda dos clientes e amigos. A reportagem da Agência Brasil verificou que só no site vakinha.com.br centenas de bares por todo o Brasil criaram vaquinhas para poder ajudar a amenizar as contas dos locais. O site de financiamento coletivo Abaca$hi também tem espaço para os bares lançarem seus pedidos de contribuição aos clientes. Com a hastag  #AjudeoSeuBarLocal, os estabelecimentos oferecem brindes aos clientes quando os bares abrirem as portas novamente.

Leia mais:  Déficit primário do Governo Central somou R$ 95,1 bilhões em 2019

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana