conecte-se conosco


EDUCAÇÃO

Enem para privados de liberdade registra mais de 40 mil inscritos

Publicado

O Exame Nacional do Ensino Médio para adultos que cumprem Penas Privativas de Liberdade e jovens sob medida socioeducativa (Enem PPL) teve 46.163 inscritos. As provas serão feitas nos dias 10 e 11 de dezembro. 

Detentos fazem prova do Enem - Arquivo/Agência Brasil

Detentos fazem prova do Enem – Arquivo/Agência Brasil – Arquivo Agência Brasil

Os participantes do Enem PPL que já concluíram ou concluirão o ensino médio ainda este ano, poderão utilizar o desempenho no exame como mecanismo único, alternativo ou complementar para acesso à educação superior. Já os participantes que não estejam cursando ou não concluirão o ensino médio no ano letivo de 2019 só poderão utilizar os resultados individuais no exame para autoavaliação de conhecimentos. 

Cada unidade prisional ou socioeducativa tem um responsável pedagógico com a função de de realizar e acompanhar as inscrições, além de determinar a sala de provas dos participantes, transferir participantes entre as unidades, quando necessário, e excluir participantes que tiverem sua liberdade decretada.

Enem PPL  

Leia mais:  MEC diz a deputados que não sabe quantos alunos da rede pública estão assistindo a aulas virtuais

O exame é constituído de redação e de quatro provas objetivas com 45 questões de múltipla escolha. No primeiro dia do exame, serão aplicadas as provas de linguagens, códigos e suas tecnologias, redação e ciências humanas e suas tecnologias. A aplicação terá cinco horas e meia de duração, contadas a partir da autorização do aplicador para o início das provas. No segundo dia, serão aplicadas as provas de ciências da natureza e matemática. A aplicação terá cinco horas de duração.

Nesta edição, além do público com baixa visão, que já era atendido pelo Enem PPL, o exame também atenderá pessoas com cegueira, visão monocular, surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo, discalculia, deficiência física, deficiência auditiva, surdez e deficiência intelectual.

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
publicidade

EDUCAÇÃO

Governo de SP confirma volta às aulas presenciais para 7 de outubro; rede estadual vai priorizar ensino médio

Publicado

O governo de São Paulo decidiu manter a previsão de volta às aulas presenciais no estado para o dia 7 de outubro para toda a rede de ensino, da educação infantil ao ensino superior nas redes públicas e privadas, desde que os prefeitos liberem o retorno das atividades.

Especificamente para rede estadual, que tem cerca de 5 mil escolas, a gestão João Doria (PSDB) decidiu nesta sexta-feira (18) que apenas alunos do ensino médio e de Educação de Jovens e Adultos (EJA) devem voltar em 7 de outubro. A volta dos estudantes do ensino fundamental da rede estadual só deve acontecer em 3 de novembro. As demais redes podem definir quais séries vão priorizar.

“O plano de volta às aulas em 7 de outubro para escolas estaduais, municipais e particulares está mantido. Evidentemente vamos respeitar a autonomia de prefeitos para a abertura em suas cidades. A rede estadual manteve a volta no ensino médio e da EJA. No ensino fundamental, a volta está programada para 3 de novembro. A decisão de começar pelo ensino médio é que essas etapas são as mais afetadas pela evasão escolar, que prejudica especialmente os estudantes mais pobres”, disse Doria nesta sexta-feira.

O governo estadual define as regras para a liberação das atividades escolares, mas os prefeitos têm autonomia para adotar medidas mais restritivas. Na cidade de São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu liberar apenas o ensino superior para voltar em outubro.

Leia mais:  Escolas particulares em 4 capitais planejam reabertura em julho e outras 3, em agosto; SP reabre em setembro
Plano de retorno na Educação de SP — Foto: Reprodução/Governo de SP

Cidade de São Paulo

Nesta quinta-feira (17), Bruno Covas (PSDB) autorizou volta das aulas presenciais só no ensino superior no dia 7 de outubro. O prefeito também liberou a reabertura das escolas de ensinos infantil, fundamental e médio apenas para atividades extracurriculares na mesma data. Essas atividades já haviam sido liberadas pelo governo estadual desde 8 de setembro, mas poucos municípios aderiram.

O prefeito, no entanto, adiou mais uma vez a decisão sobre a volta presencial das aulas regulares nas demais séries. A definição, agora, ficou para novembro. “Vamos continuar a realizar os inquéritos tanto de adultos quanto de crianças para poder avaliar e manter essa mesma linha ou de ter outra posição a partir de 3 de novembro”, complementou o prefeito.

Segundo o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, embora ainda sem data, o retorno na cidade deverá priorizar alunos dos anos finais: terceiro ano ensino fundamental, sexto ano do ensino fundamental, nono ano do ensino fundamental e terceiro ano do ensino médio.

Prefeitura de SP autoriza retorno das aulas presenciais no ensino superior

Atividades opcionais

O governo estadual já havia autorizado escolas públicas e privadas de regiões que estão há pelo menos 28 dias na fase amarela do plano de flexibilização econômica a reabrir para reforço escolar e atividades complementares a partir do dia 8 de setembro, mas as prefeituras têm autonomia para permitir ou vetar a medida.

Leia mais:  Presidente do Inep diz que está tudo pronto para o Enem 2019

As regras para a reabertura foram publicadas no Diário Oficial no dia 1º de setembro e governo anunciou que pagará adicional aos professores da rede pública que voltarem a trabalhar presencialmente. As aulas regulares devem continuar pela internet, no ensino à distância.

Em setembro, só foram liberadas atividades de reforço e extracurriculares como orientação de estudos, plantão de dúvidas, avaliações, acolhimento emocional e atividades culturais. Atividades de educação física podem ser feitas – mas respeitando o distanciamento de 1,5 m – e de preferência, ao ar livre.

Estão proibidos: feiras, palestras, reuniões e campeonatos esportivos.

Além dos protocolos de distanciamento, uso obrigatório de máscaras, disponibilização de álcool em gel, entradas e saídas escalonadas, as escolas poderão receber presencialmente, por dia, até 20% do total de alunos em todas as séries.

Na merenda, será dada preferência a alimentos que não exigem manipulação ou preparo, a chamada merenda seca.

A participação dos alunos nas atividades presenciais não é obrigatória. Os estudantes do grupo de risco pra Covid-19 não podem voltar e professores e servidores só voltam se assinarem um termo de responsabilidade.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana