conecte-se conosco


POLÍTICA

Embaixadores criticam fala de Bolsonaro: “Prejuízos para o pais”

Publicado em

POLÍTICA

Embaixadores desaprovaram fala de Bolsonaro
Reprodução/TV Brasil

Embaixadores desaprovaram fala de Bolsonaro


Pessoas que integraram o governo em momentos diferentes, como ex-ministros e ex-embaixadores, criticaram fortemente o comportamento do presidente Jair Bolsonaro durante a reunião de segunda-feira com cerca de 70 embaixadores. A conclusão é que, ao colocar novamente sob suspeita o sistema eleitoral brasileiro, Bolsonaro deu mais um passo para piorar ainda mais tanto a sua imagem, como a do Brasil no exterior

Para Sérgio Amaral, ex-embaixador nos EUA e ex-ministro de Indústria e Comércio, a imagem do Brasil no exterior já estava bastante ruim pelas reiteradas violações das políticas ambientais e do combate às mudanças climáticas, com o aumento significativo do desmatamento na Amazônia. Segundo ele, a forma como o mundo vê o Brasil ficou ainda pior, com o assassinato de dois defensores da causa indígena, o jornalista britânico Dom Phillips e o indigenista Bruno Pereira.

“Agora, o presidente convoca dezenas de embaixadores estrangeiros para assistir a uma apresentação de acusações infundadas de uma possível fraude nas próximas eleições, o que apena corrobora as suspeitas da opinião publica interna e internacional de que, na linha de Trump [Donald Trump, ex-presidente americano que perdeu a eleição para Joe Biden], Bolsonaro prepara uma farsa na contestação do resultado das eleições e da própria democracia. A imagem vai piorar, com grandes prejuízos para o pais”, alertou Amaral.

Leia mais:  Bolsonaro é condenado em ação de jornalista por insinuação sexual

O ex-chanceler Celso Amorim lamentou o envolvimento do Ministério das Relações Exteriores no que ele chamou de “farsa”.

“Um espetáculo vergonhoso, na forma e no conteúdo. Triste ver o Itamaraty se prestar a fazer o papel de coadjuvante nessa farsa”, afirmou.

Marcos Caramuru, ex-secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda e ex-embaixador na China e na Malásia, afirmou não acreditar que o mundo se surpreenda com mais uma ação insensata de Bolsonaro, “na linha do trumpismo e da cartilha da direita norte-americana”. Para Caramuru, a imagem do governo e, por extensão, do país apenas ganha um novo aspecto mais risível.

“A reunião foi algo entre o ridículo e o desastroso. O melhor que podemos esperar é que as reações negativas no Brasil também mereçam alguma consideração pelos que acompanham a nossa realidade”.

Aloysio Nunes, ex-ministro das Relações Exteriores, disse que, com a reunião de segunda-feira, Bolsonaro contribuiu para consolidar sua condição de pária internacional.

“As pessoas razoavelmente informadas sabem distinguir o Brasil do político tosco, demagogo e extremista chamado Bolsonaro. Sua imagem dificilmente poderia ficar pior, mas a patacoada delirante de ontem deu uma poderosa contribuição para consolidar sua condição de pária internacional”.

Leia mais:  Aliados querem rifar Tebet para ter Temer como candidato do MDB

Ex-embaixador do Brasil nos EUA, Rubens Barbosa afirmou que a reunião de ontem foi algo inusitado. Nunca aconteceu algo parecido neste país.

“Não dá para piorar mais do que já está”


Hussein Kalout, ex-secretário de Assuntos Estratégicos e atualmente pesquisador em Havard e membro do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), destacou que Bolsonaro, basicamente, disse que o processo que o elegeu presidente da República, em 2018, é fraudulento. E, se o presidente não for reeleito pelo próprio processo que o elegeu, ele não aceitará o resultado e, portanto, pode romper com a ordem constitucional.

“Achei lamentável e degradante o discurso de Bolsonaro. De fazer tremer de vergonha o hino nacional brasileiro”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o perfil geral do Portal IG .

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

Ciro diz que Lula e Bolsonaro não vão debater por “contradição moral”

Publicados

em

Por

Ciro Gomes usou o Twitter para criticar seus adversários
Divulgação

Ciro Gomes usou o Twitter para criticar seus adversários

Nesta sexta-feira (12), Ciro Gomes (PDT) usou seu perfil no Twitter para afirmar que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não vão aos debates por “contradição moral”. O candidato também criticou o modelo econômico dos seus adversários.

“Bolsonaro e Lula não estão aceitando participar dos debates porque ambos não têm como explicar suas próprias contradições – nem a contradição moral da corrupção nem a contradição do mesmo modelo econômico que praticam, que só produz desigualdade”, declarou o presidenciável.

Ciro também acusou os dois primeiros colocados nas pesquisas de intenções de votos de se preocuparem em beneficiar mais os ricos do que os pobres. “Fiquem atentos: os dois candidatos que lideram as pesquisas estão comprometidos com o mesmo modelo econômico, que transformou nosso país numa máquina de transferir renda do povo para 10 mil famílias de barões do sistema financeiro”, publicou. “E com o mesmo modelo de governança política – o mesmo que botou a corrupção no centro da vida pública brasileira”.

Leia mais:  Bolsonaro diz que 'contato com Putin é excelente'

Por fim, ele escreveu: “Minha irmã, meu irmão, não dê o seu voto precioso a quem não aceita sequer ir aos debates para apresentar propostas para o futuro do Brasil. Como disse Einstein, ‘Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes’”.

Leia mais:  Esquerda x direita: título eleitoral de jovens expõe nova disputa

Ciro Gomes é o terceiro colocado nas pesquisas de intenções de votos, enquanto Lula aparece em primeiro lugar e Bolsonaro ocupa a segunda posição.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana