conecte-se conosco


POLÍTICA

Em vídeo, Bebianno diz que Bolsonaro pediu para que ele processasse Carlos; veja

Publicado

source
A declaração foi revelada por André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, no programa Flow Podcast
Reprodução

A declaração foi revelada por André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, no programa Flow Podcast

Em vídeo, o ex-ministro Gustavo Bebianno afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu que ele processasse seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) , e ainda disse que Bolsonaro prometeu a ele o ministério da Justiça. A declaração foi gravada seis dias antes da morte de Bebianno, em março de 2020, por André Marinho, filho do empresário Paulo Marinho, no programa Flow Podcast .

“Num dia anterior, o Carlos tinha irritado muito a todos nós por conta de ataques infundados, gratuitos, que ele tinha feito nas redes sociais em relação a uma série de pessoas, inclusive da equipe de comunicação, que trabalhavam muito aqui para que o projeto fosse bem sucedido”, disse Bebianno .

O ex-ministro segue: “Nesse dia, o Jair virou pra mim e falou assim: ‘Gustavo, processa ele! Processa ele!’ E eu disse: ‘Capitão, os seus filhos, não’. E ele disse: “Mas o moleque tem que aprender. Tá na hora de ele aprender'”. O ex-ministro afirmou que isso talvez pudesse fazer o vereador amadurecer.

Na ocasião,  Bebianno ainda disse que o presidente o prometeu o ministério da Justiça, mas disse ao ex-ministro que ele precisava “alongar o seu pavio, porque no mundo político tem que ter muita tolerância”, porém confiava nele. Bebianno, no entanto, disse que recusou o convite e afirmou não estar preparado para assumir o cargo.

A declaração de Bebianno começa a partir do minuto 57

Comentários Facebook
publicidade

POLÍTICA

Comissão de Educação da Câmara pode ficar com deputados bolsonaristas

Publicado

por

source
Deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR)
Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Deputada federal Aline Sleutjes (PSL-PR)

Com o adiamento das definições dos presidentes das comissões da Câmara para a semana que vem , deputados bolsonaristas começaram a negociar para que eles sejam os escolhidos para o comando da comissão de Educação da Casa. A informação é do jornal Folha de S.Paulo

Os nomes mais fortes para assumir o órgão colegiado são os dos deputados Carlos Jordy (RJ) e Aline Sleutjes (PR). Os dois são da ala bolsonarista do PSL e têm forte apelo nos posicionamentos ideológicas de apreço do governo Jair Bolsonaro (sem partido), sendo alguns dos principais aliados do presidente na Câmara .

Sleutjes ainda é investigada no inquérito que apura financiamento a atos antidemocráticos, que é conduzido sob relatoria do ministro Alexandre de Moares, do Supremo Tribunal Federal (STF). A definição é prevista para os próximos dias.

Desde o início das negociações, o grupo bolsonarista da legenda manteve como alvo principal a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), considerada a mais importante da Câmara. Já é quase certo que a CCJ fica com a deputada bolsonarista Bia Kicis  (PSL-DF), também investigada no inquérito que apura atos antidemocráticos e ​​no das fake news.

Leia mais:  Kassio Nunes paralisa julgamento sobre Bolsonaro bloquear usuários nas redes

No caso da Comissão de Educação, no entanto, ela também é considerada estratégica para o grupo. Assim como Bolsonaro, seus apoiadores veem o tema como o campo de batalha para pautas ideológicas no governo, que guarda pouca conexão com os problemas reais do Brasil.

O objetivo da conquista do comando da comissão seria a suposta proeminência da esquerda no setor e o fortalecimento de pautas de fundo religioso.

Nas últimas semanas, a comissão de Educação chegou a ser prometida para o DEM durante negociações tocadas pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). A legenda ainda mantém articulação para ficar com o colegiado.

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana