conecte-se conosco

Economia

EDP anuncia rede de recarga ultrarrápida de veículos elétricos

Publicado

A EDP, empresa privada que atua no setor de geração, distribuição, transmissão, comercialização e serviços de energia, anunciou hoje (22) a instalação de 30 novas estações de recarga de veículos elétricos no estado de São Paulo. Com investimento de R$ 32,9 milhões, o empreendimento conectará 64 pontos de carregamento entre São Paulo, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba e Florianópolis, formando um corredor de abastecimento de automóveis elétricos com mais de 2.500 quilômetros de extensão.

Segundo a EDP, o objetivo é incentivar a transição energética do Brasil e promover soluções de mobilidade baseadas em fontes não poluentes. O projeto foi aprovado na chamada pública da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para o tema Mobilidade Elétrica Eficiente e é o primeiro e maior projeto da América do Sul de instalação de carregadores ultrarrápidos (150kw e 350kw). A implementação da rede será iniciada ainda neste ano, e as primeiras inaugurações estão programadas para 2020, com a conclusão em três anos.

Os postos de carregamento ultrarrápido são capazes de reabastecer 80% da bateria de um carro entre 25 e 30 minutos. Serão 29 postos de 150kW e um posto de 350 kW, e mais 30 equipamentos de 22kW (AC). Assim, cada ponto de recarga terá uma estação ultrarrápida e uma semirrápida. As empresas ABB, Electric Mobility Brasil e Siemens serão as fornecedoras de soluções de recarga.

Leia mais:  Faturamento da indústria sobe 1,3% em outubro, diz CNI

As estações estarão posicionadas a uma distância máxima de 150 quilômetros, garantindo total autonomia aos motoristas de veículos elétricos. AS novas estações de recarga serão instaladas nas rodovias Tamoios, Imigrantes, Carvalho Pinto, Governador Mário Covas (conexão com o litoral paulista e o Espírito Santo), Dom Pedro, Washington Luís e Régis Bittencourt (conexão com corredores do Paraná e de Santa Catarina).

“A EDP acredita que a oferta de infraestrutura adequada e de soluções inovadoras é fundamental para a expansão sustentável da mobilidade elétrica no Brasil. Com a criação desta nova rede de eletropostos cobrindo todo o estado de São Paulo e conectando os principais corredores elétricos do país, a EDP se posiciona mais uma vez de forma pioneira para liderar a transição para uma economia de baixo carbono”, disse o presidente da EDP no Brasil, Miguel Setas. 

No último ano, a EDP inaugurou um corredor de abastecimento de veículos elétricos entre São Paulo e Rio de Janeiro, abrangendo 430 quilômetros da Rodovia Presidente Dutra. “A rede de estações de recarga tornou possível fazer uma viagem completa de veículo elétrico entre as duas capitais mais populosas do país”, diz a EDP. Recentemente foi iniciada a instalação da maior rede de recarga de veículos elétricos do Espírito Santo, com sete pontos de recarga no estado. 

Leia mais:  Inflação para famílias de renda mais baixa fecha ano em 4,60%, diz FGV

As marcas Audi, Porsche e Volkswagen serão parceiras da EDP, realizando os testes com seus veículos para a homologação da infraestrutura. As empresas ABB, Electric Mobility Brasil e Siemens fornecerão as soluções em carregamento.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Receita recupera R$ 5,2 bilhões em dívidas de empresas com o Simples

Publicado

por

Mais de 230 mil micro e pequenas empresas quitaram  débitos com o Simples Nacional no segundo semestre de 2019 e foram mantidas no regime especial de tributação em 2020. A regularização das pendências permitiu ao governo recuperar R$ 5,2 bilhões aos cofres públicos.

O balanço da regularização foi divulgado pela Receita Federal. Em setembro do ano passado, o governo tinha notificado 738.605 contribuintes de débitos previdenciários e não previdenciários com a Receita Federal e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). No total, as micro e pequenas empresas deviam R$ 21,5 bilhões ao Simples Nacional.

Dos R$ 5,2 bilhões recuperados, R$ 3,6 bilhões referem-se a dívidas com a Receita Federal, e R$ 1,6 bilhão a débitos cobrados pela PGFN.

Só foram mantidos no Simples Nacional, regime tributário que unifica a cobrança de tributos federais, estaduais e municipais e tem alíquotas especiais, os contribuintes que quitaram os débitos até 30 dias depois da data de ciência da notificação. Em caso de discordância, micro e pequenos empresários poderiam pedir a impugnação do ato de exclusão.

Leia mais:  Conselho inclui leilão do 5G em lista de concessões

Quem não pagou os débitos foi retirado do Simples Nacional em 1º de janeiro deste ano. As empresas excluídas, no entanto, têm até 31 de janeiro para pedir o regresso ao Simples Nacional, desde que resolvam as pendências até essa data.

Regularização

O processo de regularização deve ser feito por meio do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da Receita Federal, requerendo certificado digital ou código de acesso.

O devedor pode pagar à vista, abater parte da dívida com créditos tributários (recursos que a empresa tem direito a receber do Fisco) ou parcelar os débitos em até cinco anos com o pagamento de juros e multa.

Criado em 2007, o Simples Nacional é um regime tributário especial que reúne o pagamento de seis tributos federais, além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado por estados e pelo Distrito Federal, e do Imposto Sobre Serviços (ISS), arrecadado pelos municípios.

Em vez de pagar uma alíquota para cada tributo, o micro e pequeno empresário recolhem, numa única guia, um percentual sobre o faturamento que é repassado para os três níveis de governo. Somente as empresas que faturam até R$ 4,8 milhões por ano podem optar pelo regime.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana