conecte-se conosco


Economia

Dólar sobe pela terceira sessão seguida e fecha a R$ 5,34

Publicado

Num dia em que o Brasil se descolou do mercado internacional, o dólar subiu e a bolsa caiu. A moeda norte-americana fechou em alta pela terceira sessão seguida. A bolsa caiu, mas o clima no exterior amenizou as perdas.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (19) vendido a R$ 5,345, com alta de R$ 0,041 (+0,77%). A divisa começou o dia em queda. Na mínima do dia, por volta das 9h20, a cotação chegou a R$ 5,24, mas inverteu o movimento e passou a operar em alta por volta as 11h30.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 120.636 pontos, com queda de 0,9%. O índice operou em alta durante a manhã, chegando a superar os 122 mil pontos, mas passou a cair no fim da manhã. No início da tarde, o indicador chegou aos 119 mil pontos, mas uma leve entrada de fluxos externos, decorrente do otimismo no mercado internacional, conteve o recuo.

Declarações dos candidatos à presidência da Câmara de que o auxílio emergencial pode ser reativado provocaram instabilidade no mercado. Para os investidores, a despesa extra precisa vir acompanhada de um corte de gastos em outra área para não gerar preocupações com as contas públicas. O mercado também está em compasso de espera com a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que amanhã (21) anunciará a taxa Selic – juros básicos da economia.

Leia mais:  Balança comercial tem superávit de US$ 4,71 bilhões em março

O clima do mercado doméstico contrastou com o cenário internacional. O dólar caiu perante as principais moedas do mundo por causa das expectativas em torno do governo do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden. A promessa de aprovação de um pacote de estímulos de US$ 1,9 trilhão para a maior economia do planeta reduz a pressão sobre a maior parte dos mercados emergentes.

* Com informações da Reuters

Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Anatel destina toda a faixa de 6 GHz para super Wi-Fi

Publicado

por

A faixa de 6 gigahertz (GHz) será totalmente usada para a melhoria dos equipamentos de internet de banda larga sem fio (Wi-Fi) no Brasil, decidiu hoje (25) a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A decisão contrariou pedido das operadoras de telefonia, que queriam usar parte da frequência para expandir a oferta do serviço 5G, que deve ser licitado neste ano.

No total, uma faixa de 1,2 GHz, entre 5,925 GHz e 7,125 GHz, poderá ser usada para o novo Wi-Fi 6E. A tecnologia permite o desenvolvimento de roteadores mais eficientes, que oferecem sinal de Wi-Fi mais rápido e estável para consumidores domésticos e empresariais. O novo sistema permitirá a expansão dos recursos de realidade virtual e realidade aumentada nos computadores e smartphones.

Segundo o diretor da Anatel Carlos Baigorri, relator do processo, a destinação integral da faixa 6 GHz para a evolução da tecnologia de internet fixa sem fio permitirá que o usuário de redes não licenciadas, como o Wi-Fi, tenha uma experiência mais completa.

O presidente da agência reguladora, Leonardo Euler de Morais, disse que a decisão mostrou a autonomia e transparência do órgão. “Esse processo é fundamental para que a agência conquiste respeito por sua postura técnica e transparente na gestão do espectro radioelétrico”, declarou.

Leia mais:  Indicador aponta impactos da covid-19 na economia brasileira

Em dezembro, as operadoras de telefonia tinham pedido à Anatel que reservasse um pedaço da faixa de 6 GHz para uma nova opção para o serviço 5G, chamada de 5G NR1. Em consulta pública aberta pela agência, as companhias telefônicas argumentaram que a decisão só deveria ser tomada depois que a União Internacional de Telecomunicações (UIT) indicasse para que esse intervalo de frequência deveria servir.

Edição: Nádia Franco

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana