conecte-se conosco

Economia

Dólar comercial fecha abaixo de R$ 5 pela primeira vez em duas semanas

Publicado

.

Em meio ao clima de alívio nos mercados globais, o mercado financeiro teve mais um dia de recuperação. A bolsa de valores subiu pela terceira sessão seguida e voltou a aproximar-se dos 80 mil pontos. O dólar fechou abaixo de R$ 5 pela primeira vez em quase duas semanas.

O índice Ibovespa, da B3, a Bolsa de Valores brasileira, fechou esta quinta-feira (26) aos 77.709 pontos. O índice, que chegou a operar com alta de 5% por volta das 12h30, desacelerou durante a tarde, mas fechou com valorização de 3,67%.

O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 4,996, com recuo de R$ 0,038 (-0,75%). A última vez em que a moeda norte-americana tinha fechado abaixo de R$ 5 tinha sido no último dia 13 (R$ 4,81). A cotação operou em baixa durante praticamente todo o dia. Na mínima do dia, por volta das 11h30, a moeda chegou a ser vendida a R$ 4,97.

A divisa acumula alta de 24,49% em 2020. O Banco Central (BC) não interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais nem fez operações de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Leia mais:  Firjan aponta necessidade de reforma da Previdência para municípios

Estados Unidos

A aprovação no Senado norte-americano de um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões para reativar a economia dos Estados Unidos ajudou o mercado em todo o mundo. Paralelamente, o Federal Reserve, Banco Central norte-americano, está comprando indefinidamente dívidas corporativas e emprestando recursos diretamente a empresas pelo tempo necessário.

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, voltou a fechar em alta, tendo subido 6,38%. Esse foi o terceiro dia seguido de valorização da bolsa norte-americana. Hoje, os países do G20, grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo, inclusive o Brasil, comprometeram-se a injetar US$ 5 trilhões na economia global.

Pacote de medidas

No Brasil, o mercado continua a reagir às medidas para aliviar o impacto da crise do coronavírus. No momento, a Câmara dos Deputados está votando uma ajuda temporária de R$ 500 para trabalhadores autônomos.

Nos últimos dias, o governo brasileiro anunciou uma ajuda emergencial de R$ 88,2 bilhões para estados e municípios. O Banco Central (BC) liberou R$ 1,2 trilhão na economia, principalmente por meio da redução de compulsórios, dinheiro que os bancos são obrigados a reter no BC. A edição de medidas provisórias para flexibilizar a legislação trabalhista durante a crise aliviam a perda do valor de ações de diversas empresas.

Leia mais:  Simples Nacional: termina dia 31 o prazo para empresas saldarem dívida

Petróleo

A intensificação da guerra de preços do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia continua a interferir no mercado. Os dois países estão aumentando a produção de barris, o que tem provocado uma redução na cotação do produto.

O barril do tipo Brent, que na semana passada atingiu o menor nível em 18 anos, voltou a cair depois de vários dias de alta. Por volta das 18h, a cotação estava em US$ 26,97, com recuo de 1,53%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, operaram em queda durante quase todo o dia, mas conseguiram se recuperar no fim da tarde. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 0,34% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) subiram 0,49%.

Edição: Bruna Saniele

Comentários Facebook
publicidade

Economia

GM propõe redução de salários em São José dos Campos, São Paulo

Publicado

por

.

Após quatro rodadas de negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP), a General Motors propôs, no último sábado (4), a suspensão dos contratos de trabalho com redução de salários, por meio da Medida Provisória 936, no complexo industrial da montadora na cidade.

A proposta final será submetida à votação eletrônica dos metalúrgicos, em data a ser divulgada nos próximos dias. Se aprovada, a medida irá atingir 90% dos trabalhadores do complexo industrial de São José dos Campos. Apenas 100 ficarão na fábrica e não serão impactados pela medida; outros 42 trabalharão em regime de home office. A planta possui cerca de 3.800 funcionários.

A liberação dos trabalhadores neste momento é necessária para a prevenção ao coronavírus. Por enquanto, todos estão em férias coletivas, que terminam no dia 12.

O Sindicato defendeu, na mesa, a estabilidade no emprego por um ano e licença remunerada ou layoff sem redução salarial. A empresa não aceitou. “A MP 936 está muito aquém do que os trabalhadores precisam, e mais atrapalha do que ajuda. A GM não tem por que cortar salários, mas foi irredutível na mesa de negociação. Como o sindicato é uma entidade que segue a democracia operária, vai submeter a proposta à decisão dos trabalhadores. Eles decidirão se aceitam ou não a proposta”, afirma o vice-presidente do sindicato, Renato Almeida.

Leia mais:  Turismo gera quase 25 mil empregos formais em 12 meses

Edição: Graça Adjuto

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana