conecte-se conosco


Economia

Dólar aproxima-se de R$ 5,40, mas cai na semana

Publicado

Num dia de tensões no mercado financeiro, o dólar teve a maior alta diária desde o fim de outubro, mas encerrou a semana em queda de 1,63%. A bolsa caiu, acompanhando a movimentação no exterior, mas fechou a semana com alta de 1,16%.

O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (20) vendido a R$ 5,386, com alta de R$ 0,072 (+1,35%). A moeda norte-americana chegou a abrir o dia em queda, mas passou a subir ainda durante a manhã, à medida que o pessimismo se consolidou no mercado internacional. Essa foi a maior valorização diária do dólar desde 28 de outubro, quando a divisa tinha subido 1,42%.

Apesar da alta desta sexta, a divisa acumula queda de 6,14% em novembro. No ano, o dólar valorizou-se 34,24%.

No mercado de ações, o índice Ibovespa, da B3, fechou a sexta-feira aos 106.042 pontos, com recuo de 0,59%. O indicador chegou a operar em leve alta durante a manhã, mas inverteu o movimento e passou a cair.

Tanto o dólar como a bolsa seguiram os mercados externos. O aumento de casos de covid-19 nos Estados Unidos e em países da Europa desanimaram os investidores internacionais, apesar dos avanços registrados nos últimos dias em diversas vacinas.

Leia mais:  Banco do Brasil recebe título de empresa brasileira mais sustentável

Outros dois fatores contribuíram para o pessimismo. A estagnação nas discussões sobre um novo pacote de estímulo nos Estados Unidos voltou a influenciar o mercado. Ontem, os líderes das bancadas democrata e republicana no Senado norte-americano tinham anunciado a disposição em retomar as conversas, mas as negociações não avançaram nesta sexta.

O segundo fator foi a decisão do secretário de Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, anunciar uma restrição de financiamentos para programas de socorro do Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano). A instituição financeira emitiu comunicado em que afirma que a medida não causará problemas porque o próprio Fed pode remanejar recursos internos.

No Brasil, o mercado também repercutiu uma declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o país pode vender uma pequena parcela das reservas internacionais para reduzir um pouco o endividamento público. Nesta tarde, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, confirmou que a proposta está em estudo, mas que a decisão final cabe ao Banco Central .

* Com informações da Reuters

Leia mais:  Produção de café cria alternativa ao desmatamento em Rondônia

Edição: Fábio Massalli

Comentários Facebook
publicidade

Economia

PIB paulista cresce 1,6% no 3º trimestre e cai no acumulado do ano

Publicado

por

O Produto Interno Bruto (PIB) do estado de São Paulo cresceu 1,6% no terceiro trimestre (de julho a setembro), na comparação com o mesmo período do ano passado, informou nesta segunda-feira (30) a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade). No segundo trimestre (abril a junho), houve queda de 7,6% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior.

No acumulado de 12 meses houve queda de 0,7% e, no acumulado de 2020, em relação ao mesmo período do ano anterior, a retração foi de 1,7%. No mês de setembro, o PIB do estado cresceu 1,2% em relação a agosto, descontada a sazonalidade, e 3,1% na comparação com setembro de 2019.

Em relação ao segundo trimestre deste ano, o PIB cresceu 9,4% no terceiro trimestre, feito o ajuste sazonal, depois de uma queda de 6,8% no segundo comparado ao primeiro. O primeiro semestre do ano também havia apresentado redução de 1,3% em relação ao anterior.

A Fundação Seade avalia que, em termos gerais, ficou caracterizada uma recuperação da economia paulista, após a queda acentuada em março e abril, período que coincide com o início da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

Leia mais:  Consumidor pagará R$ 70 por botijão de gás em São Paulo

Projeções

A entidade estima que o PIB paulista deve fechar o ano com retração entre 1,1% e 0,1%, com queda média de 0,6%. Para 2021, as projeções indicam que a economia paulista pode crescer 4,9%, com variação entre 4,3% e 5,6%.

Entre os fatores de incerteza no cenário atual para a economia paulista, apontados pela fundação, estão o crescimento de casos e óbitos de covid-19 no Brasil, que pode impor recuos na flexibilização das medidas restritivas; a redução do auxílio emergencial, que deve contribuir para a retração do consumo e causar impacto nas atividades associadas ao comércio e serviços pessoais; o recrudescimento da inflação; e a taxa de desocupação em setembro no estado, que ficou em 14,5%, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Sobre os recuos de medidas em relação à covid-19, o governo estadual paulista anunciou hoje (30) a regressão de todo o estado para a Fase Amarela do Plano São Paulo. A reclassificação acontece devido ao aumento das taxas de transmissão da doença e das internações no estado. 

Além disso, a Fundação Seade inclui como fator de incerteza o aumento do endividamento público, cujo patamar deve se aproximar de 100% do PIB no curto prazo. “Isso dificulta a manutenção dos gastos públicos e pressiona a política monetária, pelo lado da rolagem da dívida mobiliária, como também embute riscos consideráveis de ampliação do chamado risco Brasil, afetando negativamente a entrada de capital estrangeiro”, disse a entidade.

Leia mais:  Caixa paga hoje auxílio emergencial a 3,6 milhões de beneficiários

Edição: Graça Adjuto

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana