conecte-se conosco


POLÍTICA

Deputados suspensos do PSL vão ao STF contra desligamento

Publicado em

POLÍTICA

source
Deputada Carla Zambelli arrow-options
Câmara dos Deputados

A deputada Carla Zambelli foi uma das suspensas do PSL

Os cincos deputados que foram suspensos do PSL entraram com um pedido no Supremo Tribunal Federal (STF) para que o presidente da Câmara dos Deputados , Rodrigo Maia , se abstenha de registrar o desligamento temporário deles. O documento é assinado pelo advogado Admar Gonzaga .

O grupo de deputados é composto por Carla Zambelli (SP), Filipe Barros (PR), Bibo Nunes (RS), Alê Silva (MG) e Carlos Jordy (RJ) e a suspensão se deu como estratégia da ala bolsonarista do PSL para aumentar as chances do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) se tornar líder da legenda na Câmara.

Leia também: Delegado Waldir admite derrota e Eduardo Bolsonaro é o novo líder do PSL

Nesta segunda-feira (21), no entanto, o Delegado Waldir (PSL-GO), agora ex-líder do PSL na Câmara, divulgou um vídeo em que admitiu a derrota e reconheceu Eduardo Bolsonaro como novo líder do partido na Câmara. O deputado de Goiás disse estar à disposição do novo líder.

Leia mais:  Governo indica mais um general como novo diretor-geral de Itaipu

“Já estarei a disposição do novo líder para de forma transparente passar para ele toda a liderança do PSL”, afirmou Delegado Waldir .

Mais cedo, o líder do governo na Câmara, deputado Vitor Hugo (PSL-GO) protocolou mais uma lista pedindo a alteração da liderança do partido na Casa . 29 deputados assinaram a nova lista que pedia que Eduardo Bolsonaro se torne líder da legenda. Horas depois, a oficialização foi confirmada pela Secretaria-Geral da Mesa.

Comentários Facebook
Propaganda

POLÍTICA

“Vou tomar por último, tem muita gente apavorada”, diz Bolsonaro sobre vacina

Publicados

em

Por

source
Presidente Jair Bolsonaro
Foto: Agência Brasil

Presidente Jair Bolsonaro

Na sexta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não pretende tomar a vacina da Covid-19 agora. Em conversa com apoiadores que o esperavam em frente ao Palácio da Alvorada, o presidente justificou que a decisão é pelo fato de ter “muita gente apavorada” esperando pela vacina.

“O que acontece, tem muita gente apavorada aí aguardando a vacina, então deixa as pessoas tomarem na minha frente. Vou tomar por último. Eu acho que essa é uma atitude louvável. Porque tem gente que não sai de casa, está apavorado dentro de casa”, disse Bolsonaro. O presidente chegou a se queixar que a imprensa teria criticado a sua decisão de se vacinar por último. “Em vez da imprensa me elogiar, me critica”, afirmou.

Bolsonaro está apto a receber a vacina no Distrito Federal desde o dia 3 de abril. Antes, ele explicava que não ia se vacinar porque já teria contraído o vírus em julho do ano passado.

De acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa da quinta-feira (15), 25.460.098 pessoas já receberam a primeira dose de vacina contra a Covid-19. O número representa 12,02% da população brasileira. A segunda dose já foi aplicada em 8.558.567 pessoas (4,04% da população do país) em todos os estados e no Distrito Federal.

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana