conecte-se conosco


Economia

Covid-19 derruba atividade industrial após nove meses

Publicado em

Economia

A segunda onda da pandemia de covid-19 interrompeu uma sequência de nove altas na atividade industrial. Segundo a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada hoje (8) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), o número de horas trabalhadas no setor caiu 0,5% em fevereiro na comparação com janeiro.

Apesar do recuo, o número de horas trabalhadas na indústria acumula alta de 3,5% em fevereiro na comparação com fevereiro do ano passado, antes do início da pandemia do novo coronavírus. Nos dois primeiros meses de 2021, o indicador acumula alta de 4% em relação ao mesmo período de 2020.

O agravamento da pandemia, no entanto, começa a ser sentido em outros indicadores, que recuaram mais que o total de horas trabalhadas. O faturamento da indústria caiu 3,3% em fevereiro, desfazendo os ganhos de dezembro e janeiro e retornando aos níveis de novembro do ano passado.

A massa salarial real (soma dos salários pagos corrigida pela inflação) encolheu 1,1% em fevereiro. O indicador continua abaixo do nível pré-crise, acumulando queda de 1,3% em relação a março de 2020. O rendimento médio real dos trabalhadores da indústria caiu 1,8% em relação a janeiro e está no menor nível desde julho do ano passado.

Leia mais:  Resgates superam compras do Tesouro Direito em fevereiro

A utilização da capacidade instalada atingiu 80,2% em fevereiro, com queda de 0,4 ponto percentual na comparação com janeiro. Apesar da retração, o indicador permanece acima dos 78,8% registrados em fevereiro de 2020. Todos os indicadores estão com ajuste sazonal, desconsiderando oscilações típicas de determinadas épocas do ano, como número de feriados e datas comemorativas.

Emprego

O único indicador que manteve a sequência de altas foi o emprego, que subiu 0,4% em fevereiro. Em alta pelo sétimo mês consecutivo, o indicador ultrapassou o nível pré-pandemia e está 1,1% acima do registrado em fevereiro de 2020. Segundo a CNI, o emprego continua influenciado pela forte recuperação da atividade industrial em meses anteriores, mas os números sugerem que essa tendência pode ser interrompida mais à frente, caso a atividade industrial continue em queda.

Edição: Kleber Sampaio

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Bares e casas noturnas de SP fazem vaquinha para sobreviver à pandemia

Publicados

em

Por

As casas noturnas tradicionais de São Paulo estão sendo impactadas diretamente pela falta de público devido ao isolamento social por causa da pandemia da covid-19. Muitos restaurantes se dedicaram à entrega de comida, mas no caso de bares e casas noturnas, que tinham os drinks e a pista de dança – que gera aglomeração de pessoas – como atrações principais, entregar comida e bebida não paga as contas. Alguns estabelecimentos criaram vaquinhas virtuais [modo online de arrecadar fundos] em troca de vouchers ou prêmios, e contam com a fidelidade dos clientes que frequentavam os locais para tentar sobreviver, e talvez abrir as portas quando a pandemia amenizar.

Um dos bares paulistanos que aderiu à vaquinha virtual é o Alberta #3, onde funciona, há mais de uma década, uma das pistas subterrâneas mais conhecidas do centro de São Paulo. No início de abril, o local lançou uma campanha para arrecadar R$ 93 mil. Quem ajudar com a vaquinha tem, como recompensa, vouchers em sorteios de itens que decoram o mezanino e outros presentes, que serão entregues na casa dos doadores.

Leia mais:  Governo zera impostos de produtos usados no combate ao coronavírus

Após anunciar o fechamento das portas, o bar de samba e de choro da Vila Madalena Ó do Borogodó, na zona oeste de São Paulo, lançou uma vaquinha online para manter o espaço aberto. 

Em funcionamento há cerca de 52 anos no município de São Paulo, o Bar do Alemão encara a pandemia entregando comida. Mas também lançou seu pedido de ajuda financeira na internet.

A Casa de Francisca é um espaço sócio-cultural que desde 2006 cultiva curadoria voltada ao comprometimento artístico e a diversidade musical. Funciona no Palacete Teresa, patrimônio histórico no centro de São Paulo. O estabelecimento anunciou seu fechamento em março, mas por meio do financiamento coletivo no site Apoia.se vai tentar se reerguer após a fase emergencial em São Paulo. 

Não é somente as casas noturnas paulistas que clamam por ajuda dos clientes e amigos. A reportagem da Agência Brasil verificou que só no site vakinha.com.br centenas de bares por todo o Brasil criaram vaquinhas para poder ajudar a amenizar as contas dos locais. O site de financiamento coletivo Abaca$hi também tem espaço para os bares lançarem seus pedidos de contribuição aos clientes. Com a hastag  #AjudeoSeuBarLocal, os estabelecimentos oferecem brindes aos clientes quando os bares abrirem as portas novamente.

Leia mais:  Resgates superam compras do Tesouro Direito em fevereiro

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana