conecte-se conosco


CIÊNCIA E SAÚDE

Coronavírus: veja perguntas e respostas

Publicado em

CIÊNCIA E SAÚDE

O novo coronavírus surgiu em dezembro de 2019 na cidade de Wuhan, na China. Ele é chamado de “novo” porque é de uma família de coronavírus já conhecida dos cientistas, sendo que os primeiros foram identificados em meados da década de 1960, de acordo com o Ministério da Saúde. A epidemia atual foi batizada pela Organização Mundial da Saúde como Covid-19.

Abaixo, confira as principais perguntas e respostas sobre transmissão, cuidados e possível cura de coronavírus.

  1. Como é a transmissão?
  2. Quais são os sintomas?
  3. Como se prevenir?
  4. É possível se contaminar por meio de aperto de mãos?
  5. Que produtos de limpeza matam o coronavírus?
  6. É possível ser infectado mais um vez?
  7. Há vacina?
  8. Vitamina D protege contra coronavírus?
  9. Estou com suspeita. Como devo proceder?
  10. Coronavírus tem cura?
  11. Crianças ou adultos: quem corre mais risco ao ser infectado por coronavírus?
  12. Encomendas vindas da China podem chegar contaminadas?
  13. Animais de estimação podem transmitir o novo coronavírus?

1. Como é a transmissão?

Por meio de três formas:

  • Por vias respiratórias, como pelo ar e por gotículas provenientes de espirros e da fala de indivíduos infectados;
  • Por contato físico, como beijos e abraços;
  • Por meio do contato de superfícies contaminadas, como segurar em corrimão.

2. Quais são os sintomas da doença causada por coronavírus?

Tosse seca, febre e cansaço são os principais sintomas, mas alguns pacientes também podem sentir dores no corpo, congestionamento nasal, inflamação na garganta ou diarreia.

Nos casos mais graves, que geralmente ocorre em pessoas que já tenham outras doenças associadas, há síndrome respiratória aguda e insuficiência renal.

3. Como se prevenir contra coronavírus?

Higienizar as mãos e superfícies, como móveis e corrimão, são as principais formas de se prevenir contra o novo coronavírus. Mas atenção:

  • A higienização das mãos deve ser feita com água e sabão ou álcool gel, mas nunca apenas com água;
  • preciso lavar as mãos por pelo menos 20 segundos;
  • Mesmo com as mãos limpas, evite tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • É preciso limpar regularmente o ambiente e mantê-lo ventilado.

Já o uso de máscaras é mais recomendado para quem estiver em contato com alguém com sintoma gripal ou para quem for viajar para áreas de risco de contaminação pelo vírus. Vale lembrar que as máscaras descartáveis devem ser trocadas a cada duas horas.

Leia mais:  Com câncer no pulmão aos 23 anos, jovem de MT alerta sobre narguilé: 'usava aos finais de semana'

O Ministério da Saúde alerta também para que não seja feito o compartilhamento de itens pessoais, como talheres e toalhas. Também é recomendável manter a uma distância mínima de um metro de pessoas que estejam espirrando ou tossindo.

Ciclo do novo coronavírus — Foto: Arte/G1Ciclo do novo coronavírus — Foto: Arte/G1

Ciclo do novo coronavírus — Foto: Arte/G1

4. É possível se contaminar por meio de aperto de mãos?

Sim. Por isso, segundo os infectologistas, é hora de rever alguns hábitos sociais, como cumprimentar com beijos no rosto ou com um aperto de mãos.

“O costume latino-americano de abraçar, beijar, manter contato mais próximo pode vir a ser um risco maior para essas culturas”, disse Wladimir Queiroz, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. “É recomendável evitar esse tipo de contato físico.”

O novo coronavírus pode ser morto por produtos de limpeza desinfetantes de fácil acesso, como álcool 70%, água sanitária e até com a combinação de água e sabão.

“O vírus possui uma cápsula de gordura protetora, e a limpeza com estes produtos retira a cápsula e mata o vírus”, afirma Wladimir Queiroz, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, especialista em doenças infecciosas e parasitárias e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia.

A boa notícia é que o coronavírus “não é um vírus muito complicado de matar, pois ele não é resistente no ambiente”, afirma Rosana Richtmann, infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo.

Como é o diagnóstico de coronavírus pelo Ministério da Saúde. — Foto: Arte/G1Como é o diagnóstico de coronavírus pelo Ministério da Saúde. — Foto: Arte/G1

Como é o diagnóstico de coronavírus pelo Ministério da Saúde. — Foto: Arte/G1

Os cientistas ainda não têm essa resposta. Há notícia de um caso de reinfecção no Japão: uma mulher pegou o novo coronavírus por duas vezes.

Rosana Richtmann, infectologista do Emílio Ribas, o mais provável é que, após a infecção, a maioria das pessoas criem imunidade contra o coronavírus. “Grandes epidemias começam a diminuir na hora em que uma população grande já foi infectada e já está imune, e não adoece mais”, explica a infectologista. “Se virmos o número de casos [de infecção] na China, veremos que os números começam a cair, porque eu imagino que tenha muita gente que já esteja imune.”

Leia mais:  Ituiutaba: Bombeiros são acionados para transporte de paciente de Covid -19

7. Há vacina contra o coronavírus?

Ainda não, mas vários países, como Rússia, China e Estados Unidos, já pesquisam uma vacina contra coronavírus. A expectativa da comunidade científica é que os primeiros testes comecem nos próximos dois meses.

8. Vitamina D protege contra coronavírus?

Segundo o Ministério da Saúde, não. Até o momento, não há nenhum medicamento específico para prevenir a infecção pelo novo coronavírus.

9. Estou com suspeita de infecção por coronavírus. Como devo proceder?

O essencial, segundo a Organização Mundial da Saúde, é evitar sair de casa. Se precisar sair, deve-se evitar circular lugares fechados, com muitas pessoas e com pouco ventilação. Além disso, é preciso entender que ir ao trabalho ou à escola com sintomas de gripe implica expor potencialmente outras pessoas à doença. Além disso:

  • Ao espirrar, deve-se colocar o antebraço ou um lenço na frente do nariz e boca;
  • Utilize lenço descartável para higiene nasal;
  • Não compartilhe talheres, copos, toalhas e demais objetos pessoais;
  • Mantenha uma distância mínima de um metro de qualquer pessoa.

Segundo a OMS, ainda não há cura e não há um tratamento medicamentoso definido. Mas, segundo o infectologista Queiroz, existe a chamada “cura espontânea”, que ocorre quando o corpo reage à infecção.

11. Crianças ou adultos: quem corre mais risco ao ser infectado por coronavírus?

Segundo a Sociedade Brasileira de Infectologia, os grupos de maior risco são crianças menores de 2 anos, gestantes, adultos com 60 anos ou mais.

Rosana Richtmann, infectologista do Emílio Ribas, lembra que, entre as vítimas fatais por coronavírus, “de 0 a 9 anos, nenhuma criança morreu.”

A probabilidade de uma pessoa contaminar as mercadorias comerciais é pequena, segundo a OMS. E, mesmo se o item fosse infectado, o vírus não resistiria a movimentações e diferentes condições de temperatura enfrentadas durante a viagem.

Não há confirmação de transmissão do vírus entre animais – incluindo de estimação – e humanos. Segundo especialistas consultados pelo G1, não há provas ou evidências de que os pets podem transmitir a doença.

A única suspeita é que a carne de animais infectados pode contaminar humanos. Não há, porém, informações sobre a forma como os bichos se contaminam com o vírus.

Por: G1

Comentários Facebook
Propaganda

CIÊNCIA E SAÚDE

Capacitação para agentes de endemias em Carneirinho

Publicados

em

Na manhã de hoje (22), os Agentes de Endemias da Secretaria Municipal de Saúde de Carneirinho participaram de uma capacitação de como usar como usar veneno pra matar as larvas em reservatórios e recipientes.

De acordo com o Diretor de Vigilância Sanitária e Epidemiologia, Fábio Souza Ribeiro (Fabio Caixeta), antes o produto utilizado era em pó e agora é em comprimido.

Comentários Facebook
Leia mais:  Vacina de Oxford para Covid-19 é segura e induz resposta imune, indicam resultados preliminares
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana