conecte-se conosco

Tecnologia

Consumo de novas tecnologias ajuda a manter inflação baixa

Publicado

A mudança no hábito do consumo das famílias provocada pela popularização dos aplicativos de transporte e compras em geral está contribuindo para um comportamento mais favorável dos preços dos serviços no país e ajudando a manter a inflação mais baixa.

As principais consequências da incorporação dos aplicativos no consumo diário são o aumento da concorrência em vários setores e a possibilidade de comparar valores, o que leva a uma tendência de queda dos preços.

Os benefícios dessa onda tecnológica ficam evidentes na inflação de serviços: em 2019, ela marcou 3,5%, abaixo da inflação geral, que ficou em 4,31%. No acumulado dos últimos 12 meses encerrados em janeiro, o IPCA ficou em 4,19%, enquanto a inflação de serviços atingiu 3,3%.

Até o fim de 2020, mesmo com a expectativa de aceleração da atividade econômica, a inflação de serviços deve seguir comportada: entre 3,5% e 4,6%, segundo analistas consultados pelo G1.

Preços controlados — Foto: Arte/G1Preços controlados — Foto: Arte/G1

Preços controlados — Foto: Arte/G1

“Essa discussão tem sido muito forte, de quanto a tecnologia pode ajudar a reduzir os preços na economia, de como esses ganhos tecnológicos ajudaram as empresas a reduzir custo e aumentar a produtividade”, diz economista-chefe da Claritas, Marcela Rocha.

A inflação de serviços sempre foi um entrave para a economia brasileira porque, historicamente, rodou acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do Brasil. No cálculo de serviços entram, por exemplo, gastos com cuidados pessoais, como manicure, despesas com hotéis, transporte e alimentação fora de casa, entre outros.

Nas economias mais avançadas, o impacto da tecnologia na inflação tem sido chamado de “efeito Amazon”. A gigante de tecnologia se tornou símbolo desse movimento porque criou um modelo de distribuição de produtos que reduziu os custos de operação e, consequentemente, os preços – e que passou a ser copiado mundo afora.

“Essas novidades tecnológicas produzem 2 efeitos relevantes. O primeiro é a comparação de preços: Amazon, Buscapé, Rappi e outras empresas, colocam todas as lojas disponíveis em uma mesma plataforma e [o consumidor] consegue comparar. Isso traz um grau de competitividade maior e faz com que haja um reajuste de preços de forma mais coordenada”, diz Júlia Passabom, economista do Itaú-Unibanco.

“O segundo é a própria competição. Novos competidores às vezes chegam com políticas de preços mais agressivas”, completa.

Leia mais:  Não é só em Harry Potter: capa de invisibilidade já é real; veja o vídeo

Os efeitos do impacto da tecnologia da inflação devem começar a ficar mais evidentes nas próximas divulgações do IPCA. Com as mudanças de comportamento do consumidor apontadas na Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) alterou a lista de itens que serão apurados para calcular a inflação.

Saem da conta itens que caíram em desuso e cujo peso ficou menor no orçamento das famílias, como aparelhos de DVD, máquinas fotográficas, microondas e liquidificadores; e entram serviços e produtos que ganharam importância na última década, como transporte por aplicativos e serviços de streaming, por exemplo.

“O que os modelos mostram é que a inflação de serviços deve seguir muito baixa em 2020, também em 3,5%. O PIB está acelerando, tem alguma retomada da atividade, mas a inflação segue num ritmo comportado e, talvez, isso não seja só pelo nível do emprego”, diz Marcela.

Mudança de hábito do brasileiro altera cálculo do IPCA

Mudança de hábito do brasileiro altera cálculo do IPCA

Novos hábitos

Levantamento realizado pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) revela bem como a tecnologia mudou o hábito de consumo do brasileiro.

Em 2018, de acordo com o Cetic.br, 70% dos brasileiros (126,9 milhões de pessoas) utilizavam a internet. Desses, 60% realizaram algum tipo de pesquisa de preço, 34% compraram ou encomendaram produtos ou serviços, e 19% divulgaram ou venderam produtos ou serviços.

O estudo também mostrou que 32% dos usuários de internet pediram táxis ou motoristas por aplicativos. Além dos aplicativos de transporte, outros serviços foram realizados online:

  • 28% pagaram por serviços de filme ou série pela internet;
  • 12% fizeram pedidos refeições em sites ou aplicativos;
  • 8% pagaram por serviços de música pela internet
  • 5% fizeram reservas quartos ou acomodações pela internet em site e aplicativos

“O mercado de compras via internet é um mercado que está crescendo”, afirma o analista de pesquisas do Cetic.br, Winston Oyadomari. “Quem oferece algum serviço pela internet está lidando com um mercado consumidor em expansão.”

Em 2018, 12% fizeram pedidos refeições em sites ou aplicativos — Foto: Carlos Jasso/ReutersEm 2018, 12% fizeram pedidos refeições em sites ou aplicativos — Foto: Carlos Jasso/Reuters

Em 2018, 12% fizeram pedidos refeições em sites ou aplicativos — Foto: Carlos Jasso/Reuters

Leia mais:  Samsung apresenta Ballie, robô assistente para casas conectadas

Depois que a estação Moema, do Metrô, foi inaugurada, o designer Celso Soares, de 30 anos, decidiu vender o carro em 2018. Para se locomover em São Paulo, começou a utilizar um aplicativo que mostra as rotas de transporte público.

“Sou de Brasília e lá a maioria das pessoas utiliza carro. Antes, até a inauguração da estação do Metrô do lado da minha casa, não tinha o costume de usar transporte público”, afirma.

Celso ainda não fez as contas de quanto economizou com a troca do carro pelo transporte público, mas lembra que passou a não ter gastos com estacionamento e gasolina.

Inflação de serviços, velho problema

A mudança tecnológica ajuda a explicar apenas uma parte da fraqueza da inflação de serviços no IPCA. Os analistas também ponderam que a lenta retomada da atividade econômica tem sido responsável pelo comportamento desse grupo de preços.

“A inflação de serviços fica mais baixa porque o produto [economia] não está crescendo perto de seu potencial”, diz Júlia Passabom, do Itaú.

A inflação de serviços costuma responder ao desempenho da economia. Se a atividade acelera e a taxa de desemprego cai, os preços de serviços costumam subir. O oposto também ocorre: se há aumento do desemprego, os custos dos serviços tendem a desacelerar, já que há menos gente disposta a consumir. No trimestre encerrado em fevereiro, o desemprego seguia elevado.

Essa dinâmica se dá porque, quando a economia está aquecida, há mais margem para o repasse de preços. “Não vemos pressão na inflação vindo da atividade econômica”, afirma Lais Carvalho, economista do banco Santander. “A recuperação da economia já era gradual, e ela tende a ser ainda mais”, afirmou.

Por anos, a economia brasileira lidou com uma inflação de serviços bastante elevada. Em 2011, por exemplo, subiu 9,6%. Naquele momento, a economia brasileira ainda mantinha um certo ritmo de crescimento e o país tinha pleno emprego. Ao longo dos últimos anos, a inflação de serviços só cedeu em 2017, quando o encerrou o ano em 4,5%.

“A redução da inflação dos últimos anos não teria acontecido se a inflação de serviços não tivesse caído também”, afirma Marcel Balassiano, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Por: G1

Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Empresa ‘bombardeia’ nuvens com água para barrar chuvas em São Paulo durante o carnaval

Publicado

Uma empresa promete deslocar as chuvas previstas para atingir a capital paulista para outras regiões, como, por exemplo, o Sistema Cantareira, no interior do estado, durante o carnaval de São Paulo.

“A ideia é fazer chover no lugar certo, como no reservatório Cantareira, por exemplo, e liberar os foliões para apreciar o carnaval de forma mais completa”, disse o vice-presidente de Sustentabilidade e Suprimentos da Cervejaria Ambev, Rodrigo Figueiredo, em entrevista ao G1. A Skol, da Ambev, é patrocinadora oficial do carnaval de São Paulo.

De acordo com a Modclima, que realiza o serviço, a ação consiste em depositar gotículas de água potável nas nuvens da região em que se deseja que chova. Segundo a empresa, a ação aumenta o tamanho das nuvens e, consequentemente, a chance de chover dentro da área do projeto.

Um radar meteorológico capta nuvens carregadas de água, com potencial de chuva, que se deslocam em direção a São Paulo. Antes disso, as nuvens recebem as gotículas e podem desaguar antes de chegar na cidade.

“O principal objetivo não é evitar as chuvas e sim interceptá-las para que elas aconteçam no lugar certo, como no reservatório da Cantareira. Há o monitoramento da chegada de nuvens com grande potencial de água e, quando as mesmas se aproximam são pulverizadas e assim a chuva acontece”, disse Majory Imai, Ceo da Modclima.

A empresa defende que o método é natural e que não traz danos ao meio ambiente. “Este é um método livre de químicos e se utiliza apenas água potável aplicada em forma de gotículas de diâmetro controlado. Dessa forma, “imita-se” o processo natural de crescimento vertical da nuvem e precipitação, resultando na indução da chuva. Sem efeitos colaterais ou danos ao meio ambiente”, completa Majory.

Leia mais:  Samsung apresenta Ballie, robô assistente para casas conectadas

Cada aeronave despeja cerca de 300 litros de água na atmosfera que é depositada em nuvens que possuem de 1 a 6 quilômetros de diâmetro. A empresa que realiza o serviço defende que a eficácia do processo é alta.

“A cada 10 chuvas semeadas, 7 chuvas ocorrem. A ação é localizada, trabalhando em nuvens de 1 a 6 km de diâmetro que, após o período de 15 a 20 minutos, induz a chuva no local”, afirma a CEO da Modclima.

Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira.  — Foto: Arte/G1Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira.  — Foto: Arte/G1

Método utilizado para estimular chuvas no reservatório da Cantareira. — Foto: Arte/G1

Esta é a primeira vez que a empresa realiza uma ação como essa para garantir o sol durante o carnaval. A empresa atua no mercado há 12 anos e já realizou projetos desse tipo para outros fins, como, por exemplo, na época da crise hídrica em que foi contratada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Para o professor de física atmosférica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Theotonio Pauliquevis, não há como garantir que não irá chover durante o carnaval. “Esse método vai conseguir alguns ajustes, mas não vai conseguir fazer o carnaval dos sonhos. Há indicações que ele funciona em um determinado limite, mas ele não consegue evitar uma grande tempestade”, disse ele em entrevista ao G1.

“É muito controverso no meio científico a real funcionalidade disso. O método pode fazer apenas pequenos ajustes em nuvens. Se for uma nuvem muito carregada, por exemplo, ele pode fazer ela chover, mas ela vai chover na Cantareira, e provavelmente atingirá São Paulo. Por outro lado, tem nuvens que podem nem chover. Então, tem que ser uma nuvem que já ia chover um pouco”, completa o professor.

Leia mais:  Com qual celebridade você se parece: aplicativo Gradient é realmente seguro?

Aplicação

Em 1998, quando o projeto começou a sair do papel, a técnica foi implementada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que contratou a empresa dos Imai para provocar chuvas artificiais na cabeceira dos sistemas Cantareira e Alto Tietê, responsáveis pelo abastecimento de 18 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Foram mais de 500 voos, com ocorrências positivas de chuva em 50% deles.

As chuvas também foram empregadas no Nordeste a pedido de prefeituras da Bahia. Os municípios de Mirorós e Gentio do Ouro, localizados no semiárido brasileiro, sofriam com a seca intensa entre 2008 e 2009 e com a redução do nível da represa que abastecia esta região.

A técnica foi apresentada em 2010 na Convenção de Combate à Desertificação das Nações Unidas (UNCCD), realizada na Alemanha.

Chuvas durante o carnaval

Os aviões já estão realizando o trabalho desde a véspera do pré-carnaval na sexta-feira (14) e, na capital paulista, houve só chuvas esparsas.

De acordo com o Climatempo, não há previsão para temporais durante o carnaval na capital paulista. Na noite de sexta-feira (21) é esperada chuva fraca a moderada, assim como durante todo sábado (22). No domingo (23), a previsão é que o tempo fique nublado com chuva fraca.

Na segunda (24) e na terça-feira (25), ainda segundo o Climatempo, o sol deve aparecer, mas pancadas de chuvas podem acontecer ao longo do dia.

Por: G1

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana