conecte-se conosco

Economia

Consumidor deve ter mais gastos com ceia de Natal em São Paulo

Publicado

O consumidor terá mais gastos neste ano nos preparativos da ceia de Natal, de acordo com levantamento realizado pela Federação do Comércio do estado de São Paulo (FecomercioSP). A pesquisa foi feita com base nos dados de novembro do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15), que apontou aumento estimado de 2,67% nos produtos natalinos no último ano.

Levando em conta essa estimativa, na comparação com dezembro do ano passado, a batata-inglesa puxou a alta (31,7%), seguida por cebola (50,58%), carne de porco (13,18%), aves e ovos (9,8%). Por outro lado, a carne de cordeiro aumentou apenas 1,23% e o preço dos pescados caiu 0,7%.

As frutas também devem sair mais caras neste ano na comparação com o ano passado, como o abacaxi, que acumula alta de 13,95% nos últimos doze meses, a manga (alta de 9,88%), a uva (alta de 6,8%) e o morango (alta de 14,45%). A cerveja teve aumento de 3,26% em relação ao ano anterior. As outras bebidas alcoólicas tiveram alta de 0,97% no período.

Leia mais:  Caixa isenta linhas do Pronampe de tarifa de abertura de crédito

Faturamento do comércio

A FecomercioSP estimou que o faturamento das vendas do comércio varejista paulista deva chegar a R$ 76,7 bilhões em dezembro desde ano, o que representa alta de 7% em relação ao mesmo período de 2018, acréscimo de R$ 5 bilhões. De acordo com a entidade, os destaques devem ser os setores de materiais de construção (15%), farmácias e perfumarias (14%) e lojas de móveis e decoração (14%).

Em relação a possíveis presentes para o Natal, a FecomercioSP afirma que os eletrônicos são boas opções, já que os aparelhos de TV estão 13,84% mais baratos que em dezembro do ano passado e os preços dos aparelhos de som caíram 0,85%, segundo dados da entidade. Já perfumes registram alta de 8,43%, calçados e acessórios tiveram aumento de 0,29% e vestuário feminino aumentou apenas 0,22%.

Saiba mais

Leia mais:  Cresce apoio do BNDES a projetos de micro, pequenas e médias empresas
Edição: Aline Leal

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Dólar fecha no maior nível em 45 dias com tensões entre EUA e China

Publicado

por

.

Num dia de agravamento das tensões entre Estados Unidos e China, o dólar voltou a subir e fechou no maior valor em 45 dias. O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (10) vendido a R$ 5,465, com alta de R$ 0,052 (+0,97%).

Essa foi a quarta sessão seguida de alta da moeda. A cotação operou em baixa durante quase toda a manhã, mas reverteu a tendência e passou a subir durante a tarde, até encerrar próximo da máxima do dia. A divisa acumula alta de 36,18% em 2020.

Maior parceiro comercial do Brasil, a China impôs hoje sanções a 11 cidadãos dos EUA, incluindo parlamentares do Partido Republicano, ao qual pertence o presidente Donald Trump. O país asiático retaliou sanções decretadas pelo governo norte-americano contra Hong Kong e autoridades chinesas acusadas de restringir liberdades políticas na ex-colônia britânica.

Ruídos entre as duas maiores economias do mundo há tempos sacodem os mercados financeiros, à medida em que o embate comercial escala para questões geopolíticas. Todas as principais moedas da América Latina, grande fornecedora de matérias primas para a China, sofreram desvalorização nesta sessão.

Leia mais:  Exposição da União a riscos fiscais soma R$ 4,2 trilhões, diz Tesouro

Bolsa

No mercado de ações, o dia também foi marcado por oscilações, mas terminou em ganhos. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), encerrou esta segunda-feira com alta de 0,65%, aos 103.444 pontos.

No Brasil, o mercado financeiro aguarda a divulgação amanhã (11) da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). O documento vai indicar se a autoridade monetária pretende diminuir ainda mais a taxa Selic (juros básicos da economia), que foi reduzida para 2% ao ano na última semana.

* Com informações da Reuters

Comentários Facebook
Continue lendo

Mais Lidas da Semana