conecte-se conosco


Tecnologia

Com qual celebridade você se parece: aplicativo Gradient é realmente seguro?

Publicado em

Tecnologia

source

Olhar Digital

Gradient arrow-options
Reprodução/Instagram

Scott Disick brincou nas redes sociais quando viu que se parecia com Brad Pitt


1 milhão: este é o número de downloads que o novo aplicativo , fenômeno de popularidade, alcançou na Play Store em apenas uma semana. Trata-se do Gradient , um app de edição que mostra com qual celebridade você se parece.

Em geral, apps de edição ou filtros que transformam o rosto de usuários caem no gosto popular e viralizam rapidamente nas redes sociais . Quem aí se lembra do FaceApp, o aplicativo russo que utilizava um filtro para envelhecer o rosto das pessoas e que rendeu uma multa milionária ao Google e à Apple ? Sem esquecer do chinês de deepfakes Zao. Agora, a atenção toda está voltada ao Gradient Photo Editor .

Leia também: Procon-SP notifica FaceApp para apurar coleta de dados potencialmente abusiva

A princípio, esses aplicativos podem soar inofensivos, como uma brincadeira boba e divertida com os amigos e familiares. Mas como já vimos por aqui, especialistas de segurança afirmam que essas aplicações não deixam claro o que fazem com os dados coletados dos usuários .

O Gradient , assim como qualquer outro aplicativo que forneça filtros que modificam o rosto, baseia-se em aprendizado de máquina no seu funcionamento. Argumento que já possibilita colocar uma cota de incertezas quanto à privacidade .

Ver essa foto no Instagram

Do I really look like these guys?! Come on ? #gradient #gradientpartner

Uma publicação compartilhada por Scott Disick (@letthelordbewithyou) em 15 de Out, 2019 às 10:42 PDT


Apesar da co leta da imagem do rosto de milhões de pessoas ser útil e servir como produto para o  aprendizado de máquina e base de reconhecimento facial , o modelo de negócios do Gradient vai além. Os vários recursos de edição colocados à disposição do usuário (incluindo o “transformador em celebridade”) só é acessível por meio de uma assinatura mensal (que varia de R$ 16 ou R$ 78 por ano). Contudo, como forma de atrair e aumentar as chances de converter o usuário, após o upload das fotos, ele é convidado a testar do serviço por três dias gratuitamente.

Leia também: Google e Apple recebem multa milionária do Procon-SP por causa do FaceApp

No entanto, e é onde a atenção do usuário deve ser redobrada: para ativar esse período de testes, o usuário precisa fornecer as informações do cartão de crédito (via infraestrutura da Apple ou do Google ). Expirado o tempo de teste, caso o usuário se esqueça de cancelar a assinatura, o valor começará a ser cobrado no cartão mensalmente. Para cancelar, somente acessando as configurações do Gradient e encerrar o período de testes.

Nos termos de uso, o Gradient afirma que “não se apropria do conteúdo que você faz upload ou edita pelo serviço”. Isso, ao menos a principio, pode significar que os responsáveis pelo aplicativo não irão utilizar as fotos e informações pessoais; dados de uso e cookies, porém ainda podem ser compartilhados para terceiros e anunciantes.

Leia também: 8 aplicativos para proteger sua privacidade no celular

Apesar de sustentar algumas diferenças nos termos de uso e privacidade em relação ao app russo, principalmente no que se refere a assinatura mensal, é preciso tomar cuidado com as intenções do criador. “Qualquer um que tenha colocado seu rosto [em uma plataforma] online com seu nome e outros dados de identificação – por exemplo, qualquer pessoa com um perfil de rede social ou site – já está muito vulnerável a ser capturado digitalmente para futuros usos de reconhecimento facial “, explica o advogado Michel Bradley a ABC News .

Ele ainda pondera que a privacidade de apps do mesmo segmento não menciona nada sobre o que aconteceria com os dados do usuário se ele parasse de usar o serviço. “Isso mostra que, se eles [os fundadores] venderem seus negócios, os dados das pessoas estarão disponíveis para o próximo comprador e elas consentem que isso aconteça”, disse. A renúncia à privacidade se estende a qualquer afiliada do aplicativo . Hipoteticamente, e se o Gradient fosse vendido para alguma agência de segurança nacional, como a NSA?

Comentários Facebook
Leia mais:  Tim, Vivo e Claro elevam proposta por ativos móveis da Oi para R$ 16,5 bilhões
Propaganda

Economia

Banco do Brasil libera uso do PIX em seu bot para WhatsApp

Publicados

em

Aproveitando a boa recepção do público, o Banco do Brasil se tornou a primeira instituição financeira do país a liberar o uso do PIX pelo WhatsApp. A novidade foi anunciada nesta semana e funciona de forma relativamente simples.

O usuário só precisa chamar o Banco do Brasil no WhatsApp (61 4004-0001), cadastrar sua conta e escrever a palavra PIX. Após isso, o mensageiro deve exibir um menu com as opções de pagar, receber ou cadastrar chave PIX.

Imagem/Reprodução: mobiletime

O bot usado pelo Banco do Brasil foi anunciado no ano passado e já faz uma série de outras operações. Caso o usuário já tenha se cadastrado no PIX, o uso da ferramenta no WhatsApp é ainda mais fácil:

Em casos de pagamento, o assistente virtual deve solicitar a chave PIX do recebedor e o valor. O banco deve informar o nome e a instituição de destino para confirmar a transação. Caso tudo esteja certo, basta apenas responder “sim” para receber um link seguro onde será necessário digitar a senha. Após essa etapa, o comprovante é exibido no mensageiro e pode ser compartilhado.

Caso o usuário queira receber, basta apenas escolher a opção no menu e informar a chave de recebimento, valor e descrição. Assim, o WhatsApp deve exibir um QR Code para ser compartilhado com o pagador. Vale lembrar que o Banco do Brasil é parceiro do sistema de pagamentos do WhatsApp, que ainda não foi liberado pelo Banco Central.

Leia mais:  Instagram libera opção de visualizar contas com interação menos frequente

FONTE: https://www.tudocelular.com/mercado/noticias/n166485/banco-do-brasil-pix-whatsapp-bot-pagamentos.html

Comentários Facebook
Continue lendo

ITURAMA E REGIÃO

POLICIAL

POLÍTICA

ECONOMIA

Mais Lidas da Semana